Publicações

Bambus no Brasil: da biologia à tecnologia.

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Autoria: DRUMOND, P. M.; WIEDMAN, G.

Resumo: O bambu (ou taboca, taquara, entre outros diferentes nomes existentes no Brasil) é uma gramínea de ampla distribuição geográfica. Existem no mundo em torno de 1.300 espécies de bambu. O Brasil é líder de ocorrência nas Américas, com cerca de 200 espécies, entre nativas e exóticas, sendo a grande maioria endêmica. Há milênios, o bambu é conhecido e utilizado no Oriente para as mais diversas funções do cotidiano: alimento, estruturas de casas, paredes, telhas, portas e janelas, mobiliário, utensílios de cozinha, objetos de decoração, cercas, pontes, irrigação, drenos, embarcações, contenção de encostas, entre outras. Sítios arqueológicos no Equador mostram que o bambu é usado há cerca de 5 mil anos na América do Sul, primeiramente pelos indígenas. Em países como Equador, Colômbia e Costa Rica, onde a pesquisa e a utilização do bambu já estão bastante avançadas, essa planta é empregada na construção de pontes, paradas de ônibus, praças de pedágio e também em programas governamentais de habitações de interesse social adaptadas às mudanças climáticas. Construções coloniais centenárias que utilizam bambu comprovam a sua durabilidade ao longo dos anos. O Brasil dispõe de clima favorável e grande extensão de áreas degradadas inaptas para outros cultivos, mas adequadas ao plantio de diversas variedades de bambu de valor comercial. Uma das maiores florestas nativas de bambu do planeta localiza-se na Amazônia Sul-Ocidental e engloba parte do estado do Amazonas e a maior parte do estado do Acre, além de áreas vizinhas em Pando, na Bolívia, e Madre de Dios, no Peru. Nessa região, ocorrem grandes concentrações de bambus nativos do gênero Guadua. No entanto, a atividade econômica relacionada ao bambu no Brasil é bastante restrita. Esse cenário deve-se à ausência de tradição no emprego do bambu como matéria-prima e, também, às lacunas de conhecimento e tecnologias locais que permitam usar tanto as espécies de clima temperado, adequadas às regiões Sul e Sudeste do país, quanto as espécies tropicais nativas, que têm excelentes propriedades físicas e mecânicas, além de grande potencial comercial. Considerando a importância socioambiental e econômica do bambu e a demanda reprimida existente no setor, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) vêm promovendo uma série de ações voltadas à produção de conhecimento sobre espécies nativas e exóticas de bambu e suas inúmeras aplicações. Entre essas ações, destaca-se a implementação conjunta do Projeto 04.15.00.008, intitulado 'Execução das atividades previstas no Memorando de Entendimento entre o MCTI e o MOST - Ministério de Ciência e Tecnologia da República Popular da China para cooperação bilateral em ciência e tecnologia na área de desenvolvimento em bambu', coordenado pela Embrapa Acre. A publicação deste livro, Bambus no Brasil: da biologia à tecnologia, é parte integrante das atividades previstas no referido Projeto e tem como objetivo agregar, em uma única obra, informações de qualidade oriundas de diferentes instituições brasileiras e que possam auxiliar no desenvolvimento e na consolidação da cadeia produtiva do bambu no Brasil.

Ano de publicação: 2017

Tipo de publicação: Livros

Unidade: Embrapa Acre