Sistemas agroflorestais - ou SAFs - são modelos de produção que associam árvores com culturas agrícolas e, às vezes, também com animais, de maneira simultânea ou sequencial. Na Fazendinha, alguns modelos têm sido testados, desde os mais simples, como o cultivo em aleias, até os mais complexos, como o sistema agroflorestal regenerativo e análogo (Safra), no qual são plantadas mais de 50 espécies por hectare. No cultivo em aleias são plantadas árvores em fileiras, com espaçamento entre as linhas de cinco a seis metros, onde são cultivadas diferentes espécies agrícolas. Já o Safra é utilizado na Fazendinha para fazer a interligação de fragmentos florestais, amortizando os custos do reflorestamento com espécies nativas da Mata Atlântica a partir do cultivo concomitante de aipim, feijão, abacaxi, banana, espécies frutíferas e madeireiras. O Safra apresenta grande potencial na recomposição de áreas ciliares em propriedades rurais, onde o agricultor poderá associar rendimento econômico com conservação ambiental. Leia mais.

Outras tecnologias:

Produção de mudas de hortaliças

O sucesso do cultivo de hortaliças depende, em grande parte, da qualidade da muda utilizada, que deve apresentar padrão uniforme e vigor, sendo isenta de quaisquer doenças e pragas. Na Fazendinha, são produzidas anualmente cerca de 150 mil mudas de hortaliças, a paritr do uso de tecnologias adaptadas à realidade da agricultura orgânica. A estufa utilizada é de um modelo simples e eficiente, desenvolvido de forma a atender agricultores familiares. O substrato foi desenvolvido na própria Fazendinha, a partir da mistura de materiais facilmente obtidos na propriedade ou no mercado. Leia mais.

Gongocompostagem

A gongocompostagem é mais uma possibilidade de compostagem de resíduos orgânicos de origem vegetal. Ela é realizada pelos gongolos - também conhecidos como piolhos-de-cobra, maria-café ou embuás -, pequenos invertebrados que possuem uma excepcional capacidade trituradora, sendo capazes de se alimentar de materiais fibrosos como bagaço de cana-de-açúcar, sabugo de milho, aparas de grama e até papelão. O composto gerado dá origem, em cerca de 90 dias, a um substrato para produção de mudas muito leve, o que facilita o transporte no campo. Além disso, esses organismos são facilmente encontrados nas propriedades rurais e seu manejo é muito semelhante ao das minhocas. Eles vivem escondidos embaixo de folhas, pedras ou troncos de árvores, sendo às vezes confundidos com pragas. Leia mais.

Minhocultura ou vermicompostagem

A minhocultura ou vermicompostagem é o processo de reciclagem de resíduos orgânicos por meio da criação de minhocas, sendo uma importante alternativa para resolver os problemas dos dejetos orgânicos. O húmus de minhoca é um excelente fertilizante e pode ser utilizado como matéria-prima para a obtenção de substratos. Esta é uma linha de pesquisa estudada na Fazendinha Agroecológica, resultando no desenvolvimento de diversas técnicas e estruturas para o sucesso da criação das minhocas, como cercados de alvenaria ou bambu e manilhas de poço. Leia mais

Uso de energia renovável na irrigação

A energia elétrica é um dos insumos básicos para a erradicação da miséria no campo - e sua falta é um grande entrave ao desenvolvimento rural. Para muitos agricultores, a irrigação é uma prática essencial, sem a qual não se produz, devido à falta de chuvas regulares. O uso sustentável da irrigação está ligado à racionalização do uso da água e, como a maioria dos sistemas pressurizados usa a energia elétrica, a utilização de energias renováveis (solar e eólica) tende a minimizar os custos de produção, além de viabilizar a irrigação em locais com fornecimento inadequado de energia. Esse trabalho é realizado na Fazendinha, e alternativas viáveis já existem para o melhor aproveitamento de energias limpas e com custos muito mais baixos do que os das fontes tradicionais.

Conheça as principais tecnologias desenvolvidas e aplicadas na Fazendinha