Rede de Conhecimento

O Agropensa, em seu objetivo maior de produzir e difundir conhecimentos, conta com o apoio de parceiros internos e externos à Embrapa em todo o processo de construção de prospecção da agricultura do futuro. A Rede de Conhecimento composta por colaboradores da Embrapa e parceiros externos, nacionais e internacionais, atua na coleta de informações, na realização de análises e estudos ou na proposição de estratégias.

Operando em rede, o Sistema Agropensa fica sintonizado com o que acontece no Brasil e no mundo, no que diz respeito a contribuições para a construção de uma agenda de futuro para a agricultura. A força do Agropensa reside na colaboração. Na Embrapa, diferentes dados, informações e expertises são gerados por meio de seus centros de pesquisas e serviços, suas unidades administrativas, e, no exterior, de seus laboratórios virtuais (Labex) e projetos de cooperação técnica, além, claro, do corpo técnico de pesquisadores, podem contribuir nessa iniciativa.

A estrutura da Embrapa que forma parte rede de conhecimento em agricultura no país está constituída assim:

17
Unidades Centrais localizadas em Brasília
46
Unidades Descentralizadas
em todas as regiões do Brasil
4
Laboratórios Virtuais no Exterior (Labex), nos EUA, Europa, China e Coreia do Sul
3
Escritórios Internacionais
na América Latina e África

9.713 empregados

2.463
Pesquisadores
2.546
Analistas
1.715
Técnicos
2.980
Assistentes
 
Orçamento anual (2015)
R$3 bilhões

O funcionamento do Sistema Agropensa se dará, principalmente, mas não exclusivamente, em ambiente virtual, possibilitando forte sinergia e interatividade entre seus atores.

 

O Agropensa atua em parceria com os Centros de Inteligência

Uma das propostas do Agropensa é atuar em rede, utilizando dados e informações coletadas e sistematizadas por Centros de Inteligência da própria Embrapa, de outras instituições e também de diferentes países.

No Brasil, existem centros de Inteligência de alguns dos principais produtos agropecuários, como as culturas do milho e soja.

Um dos principais centros de Inteligência do agronegócio brasileiro foi criado por meio de uma parceria entre a Embrapa Milho e Sorgo, situada em Sete Lagoas (MG) e a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais. É o Centro de Inteligência do Milho.

O objetivo do Projeto de CI do Milho é possibilitar suporte técnico, a coleta de informações e análises de tendências relativas à cultura do milho que facilitem o desenvolvimento de ações e a formulação de políticas públicas e privadas ligadas ao agronegócio.

O carro chefe é uma base de dados atualizada da Cadeia Produtiva do Milho.  O banco oferece suporte para elaboração de programas de desenvolvimento da cultura visando o aumento da competitividade do setor, a elaboração de políticas setoriais bem como a tomada de decisões pelos próprios agricultores. Conheça o CI do Milho.

Centro de Inteligência da soja

Criado em 2006, o Centro de Inteligência da Soja é um portal de informações e relatórios conjunturais que oferece dados estatísticos, cotações e estudos de mercado, safras e mercado. É uma parceria entre o Governo do Estado de Minas Gerais e a Universidade Federal de Viçosa. O Centro de Inteligência da Soja tem como parceira a  EPAMIG - Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais.

 

Centro de Inteligência de Mercado

 

                     

Iniciativa de Parceiros