Tolerância de cultivares de soja com e sem a tecnologia STS à aplicação de chlorimuron-ethyl em pré-emergência.

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

imagem

Autoria: IKEDA, F. S.; SILVA, J. N. da; CAVALIERI, S. D.; ANDRADE JUNIOR, E. R. de

Resumo: Com o advento da soja RR, aplicações sucessivas de glyphosate tornaram-se comuns nas áreas de produção de grãos, ocasionando a seleção de plantas daninhas resistentes e tolerantes ao herbicida. Devido à seleção, buscaram-se novas alternativas de controle, incluindo-se as cultivares STS, tolerantes à sulfoniluréias. Objetivou-se com esse trabalho avaliar a tolerância de cultivares de soja com e sem a tecnologia STS a doses crescentes de chlorimuron-ethyl (0 g ha-1, 20 g ha-1, 40 g ha-1 e 80 g ha-1) aplicadas em pré-emergência. As avaliações de fitointoxicação das cultivares foram realizadas aos 40 dias e 55 dias após a aplicação, atribuindo-se notas de 0 % a 100 %. Avaliou-se também a massa de 100 grãos, o número de vagens por planta e grãos por vagem, o estande final e o rendimento de grãos no final do ciclo da cultura. Há aumento de fitointoxicação para a cultivar sem a tecnologia STS com o aumento da dose de chlorimuron-ethyl em pré-emergência, demonstrando a suceptibilidade da cultivar para doses superiores a 20 g ha-1 com perdas de rendimento de até 20% quando utilizada a maior dose (80 g ha-1), enquanto a cultivar com a tecnologia STS é tolerante à aplicação em pré-emergência de chlorimuron-ethyl até a dose de 80 g ha-1.

Ano de publicação: 2019

Tipo de publicação: Folhetos

Embrapa Agrossilvipastoril

Rodovia dos Pioneiros MT-222, Km 2,5, Zona Rural Caixa Postal: 343 CEP: 78550-970 - Sinop - MT
Fone: (66) 3211-4220 - Fax: (66) 3211-4221