Nome científico: Bellucia grossularioides

Nome popular : Goiaba-de-anta; Flor-de-Paca; araçá-de-anta

 

·         Nome cientifico: Bellucia grossularioides

·         Nome popular: Goiaba-de-anta; Flor-de-Paca; araçá-de-anta

·         Ciclo de vida: médio

·         Classificação cientifica

o   Classe: Dicotiledônea

o   Família: Melastomataceae

o   Gênero:

  • Ocorrência: Toda a região Amazônica, onde ocorre com maior frequência na vegetação secundaria de terra firme. Quando ocorre na mata primaria seu porte atinge 15-20 , de altura. Planta Perenefólias, Heliófita ou de luz difusa, pioneira, seletiva Higrófila, característica e exclusiva da floresta tropical Amazônica, onde apresenta ampla e contínua dispersão, principalmente nas formações secundárias de terrenos não inundáveis porém bem supridos de água. Produz anualmente abundante quantidade de sementes viáveis.
  • Texto geral da espécie: altura de 6-9 m, dotada de copa globosa, densa e baixa, com ramos tuberculados. Tronco um pouco tortuoso, de 30-40 cm de diâmetro. Folhas simples, postas, de 15-35 cm de comprimento por 10-20 cm de largura, sobre pecíolo de 3-7 cm de comprimento. Inflorescências em pequenos dicásios, afixados nos ramos ou diretamente no caule, com flores brancas ou róseas, de 3,5 cm de diâmetro. Fruto baga semisférica, de 2-3 cm de diâmetro, com polpa gelatinosa e adocicada. Moderadamente pesada (densidade 0,64 g/cm³), textura média, grã direita, de baixa resistência e muito suscetível ao apodrecimento.
  • Utilidade: Os frutos são comestíveis, porém não muito apreciados, entretanto, em situação de escassez alimentar na floresta pode constituir um bom suprimento nutricional. São avidamente procurados pela fauna silvestre em geral. A árvore, pelo pequeno porte e aspecto curioso com seus frutos afixados diretamente no caule, pode ser atraente para uso paisagístico. Sua única restrição é o cultivo em lugares de grande circulação devido à sujeira que a abundante frutificação pode causar.
  • Período de florescimento: Floresce durante os meses de agosto-outubro, com os frutos amadurecendo praticamente na mesma época.

·         Sementes e mudas

  • Obtenção de sementes: Colher os frutos diretamente da árvore quando iniciarem a queda espontânea, ou recolhê-los no chão logo após sua queda. Devido ao diminuto tamanho das sementes, é impraticável a sua separação da polpa dos frutos. Portanto, estes devem ser deixados amontoados em saco plástico até a decomposição parcial da polpa e em seguida esmagados e misturados com água até formar uma suspensão de polpa e sementes que será utilizada na semeadura.

o   Produção de mudas: Irrigar a suspensão aquosa de polpa apodrecida com as sementes sobre o canteiro de semeadura semi-sombreado e contendo substrato organo-arenoso peneirado. Não cobrir as sementes no canteiro canteiro, apenas irrigar copiosa e delicadamente após a semeadura para forçar o enterrio superficial das minúsculas sementes. A emergência ocorre em poucos dias e a taxa de germinação é moderada.