Sistema Agroflorestal

É uma forma de uso do solo que combina, em uma mesma área e em um determinado tempo, o cultivo de:

  • Elementos perenes - espécies arbóreas ou arbustivas, frutíferas, madeiráveis ou adubadoras.

Importância: capacidade de capturar nutrientes mais profundos do solo,renda a médio e longo prazo.

  • Elementos semi-perenes – espécies que permanecem no sistema por dois a três anos sendo implantadas no início do sistema.
  • Importância: geração de renda a curto e médio prazo.
  • Elementos de ciclo curto - componentes agrícolas

Importância: opção de renda a curto prazo.

  • Elemento eventual - componente animal

Importância: diversificação de renda.

Existem diversos arranjos possíveis, desde sistemas que podem se aproximar ecologicamente de uma vegetação nativa através da sucessão natural, reestabelecendo processos ecológicos importantes como a ciclagem de nutrientes, atração de fauna, fixação de carbono dentre outros até sistemas mais simplificados, os quais também são conhecidos como policultivos, onde existem espécies carro-chefe, como exemplo a bananeira e a seringueira, cultivos anuais nas entrelinhas enquanto houver entrada de luz e outras espécies que complementam a renda como o cacau, o açaí, a castanheira, etc. Trata-se de um sistema de produção interessante para a Agricultura Familiar, devido à diversidade de espécies e consequentemente de produtos e receitas.

a) Na área do SAF implantado no Sítio Tecnológico há a apresentação de tecnologias desenvolvidas pela Embrapa em interação com outros elementos, com arranjo que combina árvores e cultivos agrícolas, também denominado de sistema agrossilviculturais.

                                                        

Espécies Florestais Perenes

Açaí BRS Pará

Cupuaçu

Castanheira

Seringueira

Mogno Africano

Cacau

Espécie Semi-Perene

Banana BRS Tropical

Feijão guandu

Culturas de Ciclo Curto

Batata-doce

Abóbora

Feijão de Porco

Feijão Carioquinha

Feijáo Caupi

 

 

b) Adubos verdes são plantas leguminosas capazes de reduzir ou até substituir o uso de adubos químicos  oriundos do petróleo (principalmente o nitrogênio), o que representa economia para o produtor, contribuindo para a sustentabilidade da agricultura e garantindo a conservação de recursos naturais.

 

 

 

V) Implantação dos SAFs

 

É preciso um cuidadoso planejamento levando em consideração alguns aspectos relevantes como:

•      SOLO – avaliar limitações químicas, físicas e histórico de uso;

•      CLIMA – avaliar temperaturas mínimas e máximas, precipitação, período de estiagem e distribuição das chuvas;

•      MERCADO – deve-se conhecer e avaliar o mercado consumidor / comprador da produção e também o mercado fornecedor de insumos, serviços etc;

•      ESPÉCIES – deve ser feita uma seleção rigorosa, utilizando materiais com resistência/tolerância a pragas e doenças e adaptadas ao solo e clima local;

•      ARRANJOS – deve-se valorizar o conhecimento acumulado, ou seja consórcios conhecidos pela cultura local;

•      OPERACIONAL – avaliar a infraestrutura existente na propriedade, a capacidade logística e gerencial, principalmente a assistência técnica;

•      OBJETIVO DO PRODUTOR – qual ou quais são os objetivos? Produtos e/ou serviços?;

•      CUSTOS – financeiros e recursos humanos – mão de obra;

•      CALENDÁRIO DE ATIVIDADES;

•      ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO – se for o caso;

•      LEGISLAÇÃO AMBIENTAL – Atenção à legislação que incide sobre APPs, ARLs e o Bioma em que a propriedade está inserida.