Melhoramento genético do dendezeiro assistido por biotecnologias visando aumento de produtividade, redução do crescimento e resistência ao amarelecimento fatal

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

imagem

Foto: SOUZA, Síglia Regina dos Santos

O dendezeiro é, entre as oleaginosas, a de maior produtividade, podendo atingir de oito a dez toneladas (t) de óleo por hectare (ha) ao ano em condições favoráveis. O óleo é de amplo uso na indústria de alimentos, farmacêutica e química, e considerado um dos melhores óleos para produção de biodiesel. Programas de incentivo à produção e uso de biocombustíveis devem gerar aumento da demanda pelo óleo de palma, por isso, existem programas governamentais para promover a expansão da cultura. Contudo, a expansão segura, competitiva e sustentável depende da solução de problemas limitantes à cultura no Brasil e no continente americano, como pragas e doenças, uso inadequado de fertilizantes, restrita base genética das cultivares e necessidade do desenvolvimento e avaliação de cultivares com adaptabilidade aos ecossistemas de expansão da cultura. A principal ameaça, no momento, é o amarelecimento fatal (AF), anomalia letal e de causa ainda desconhecida. Após quase quatro décadas de pesquisa, a única alternativa encontrada para contornar o problema é explorar a resistência demonstrada pela espécie americana, Elaeis oleifera, conhecida no Brasil como Caiaué, que é transmitida para os híbridos interespecíficos obtidos do cruzamento com o dendê. O caiaué também apresenta resistência a outras pragas e doenças, e características de interesse para o melhoramento do dendezeiro, como reduzida taxa de crescimento do tronco e alta taxa de ácidos graxos insaturados. Por isso, o melhoramento interespecífico entre o caiaué e o dendezeiro foi identificado como a principal prioridade do programa de melhoramento do dendezeiro desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Para redução dos custos e aumento na eficiência da avaliação e seleção dos cruzamentos ou plantas superiores, o projeto buscou desenvolver estratégias de seleção assistida formuladas a partir de informações geradas por estudos do genoma e de mapeamento de genes utilizando marcadores moleculares. A dendeicultura se constitui em uma real opção de ocupação de áreas alteradas na Amazônia e a oferta de material genético de elevada produtividade, resistente a pragas e boa adaptação às condições bióticas da região pode contribuir para o crescimento sustentável da atividade, tanto pela demanda de alimento como para produção de energia renovável.

Ecossistema: Amazônico

Situação: concluído Data de Início: Mon Mar 01 00:00:00 BRT 2010 Data de Finalização: Fri Feb 28 00:00:00 BRT 2014

Unidade Lider: Embrapa Amazônia Ocidental

Lider do Projeto: Ricardo Lopes

Contato: ricardo.lopes@embrapa.br

Galeria de imagens