NAPT - Belém-Brasília

O Núcleo de Apoio a Pesquisa e Transferência de Tecnologias, NAPT da Belém/Brasília, está vinculado à Embrapa Amazônia Oriental, unidade de pesquisa ecorregional ligada à Embrapa, acrônimo de Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.

Tem sua área de ação delimitada pelo território da cidadania do nordeste paraense, que engloba 20 municípios do estado do Pará.Em função das ações executadas componentes dos vários projetos desenvolvidos para essa cartografia o  foco dos trabalhos é restrito a parte desses municípios.

Numa dimensão histórica a ação da Embrapa é observada desde as décadas de 70 e 80, principalmente, com o melhoramento genético e práticas de manejo para a cultura da pimenta do reino, com o desenvolvimento de métodos de manejo florestal, com a realização do levantamento pedológico estabelecendo-se o mapa da aptidão agrícola da região, com o estabelecimento de pastagens apropriadas ao clima tropical e sistemas de produção de bovino. Essas ações possibilitaram a implantação do "Boas Práticas Agropecuárias" (BPA). No ano de 2013 com a primeira Certificação Ouro da Fazenda Bonita, em Paragominas, do Sr. Miguel Scaramussa.

No final da década de 90 e inicio do século XXI, as ações concentraram-se no melhoramento genético de fruteiras tropicais como cupuaçu, bacuri e açaí, na adaptação de cultivares de grãos: soja, milho, arroz e nos sistemas de cultivos pertinentes – Santa Fé e Barreirão, em plantios convencionais e Sistema Plantio Direto(SPD), hoje uma realidade já consolidada.

Na primeiro decênio dos anos 2000 as ações objetivaram entender as dinâmicas associadas ao público da agricultura familiar e foram coordenadas pela Embrapa e desenvolvidas junto aos parceiros e público alvo locais, num esforço de se desenvolver um planejamento continuo de gestão e promoção tecnológica, organização do agronegócio associativo e sistematização de experiências exitosas e apropriadas ao perfil da agricultura familiar num esforço de inclusão produtiva.

Outras pesquisas relacionadas aos ativos ambientais (biomassa, biodiversidade, água ...) permitiram qualificar os mesmos no sentido de nortear as ações de uso do espaço. A pesquisa desenvolvida por pesquisadores da Embrapa em parceria com o Emilio Goeldi indicou com precisão científica a tipologia de vegetação que poderá ser suprimida para fins de uso agrícola, inclusive subsidiando com informações a elaboração de lei específica que delimita o uso da vegetação secundária.

O momento atual e os cenários futuros próximos sinalizam desafios para pesquisa no sentido de consolidação de várias ações como a continuidade no melhoramento genético de fruteiras, com o manejo integrado de pragas e cultivos na produção de grãos, a produção intensiva nas cadeias de bovinos de leite, corte e de peixes associadas a práticas sustentáveis de produção, como a agricultura de baixo carbono. Condizentes com o status de município verde atribuído a Paragominas e da extensão que essa proposta deve alcançar entre todos os elos das cadeias produtivas. Essas ações devem, também, caracterizar o estabelecimento de modelos ecoeficientes na recomposição das reservas legais visando uma exploração econômica para mais de 50% da propriedade.

Para vencer esse desafios uma série de projetos estão em desenvolvimento pela Embrapa e parceiros como o Ecotera (em parceria com o Centre de coopération internationale en recherche agronomique pour le développement - Cirad), projeto Pecus, Projeto integração lavoura pecuária floresta(iLPF), projeto para avaliação de Risco climático como alternativas avaliadas para safrinhas como a produção de girassol, silagem de milho entre outras.

Estas ações demandarão o esforço coordenado e integrado das instituições e atores locais numa proposição que visa fortalecer os processos de qualificação por demandas de Pesquisa e Desenvolvimento, Transferência de Tecnologias atrelados a uma rede de inovações constituída pelos atores locais com papel preponderante da Embrapa e de sua representação institucional local.

ENDEREÇOS

  • Sede em ParagominasRodovia PA 256, km 6, Bairro Nova Conquista / Setor Industrial, ao lado da UFRA, CEP: 68627-451
  • Campo Experimental de Paragominas: Rod. PA 125, KM 09, Paragominas PA
  • Campo Experimental de Tomé-Açu: Rod. PA 256, Estrada da Jamic km 06, Quatro-bocas,Tomé-Açu-PA,CEP: 68.682-000.

TELEFONES

  • (91) 99362-5296 (Paragominas)

  • (91) 99363-2190 (Tomé-Açu)

Equipe de Paragominas (Sede e Campo Experimental)

Jamil Chaar El Husny (Supervisor) - jamil.husny@embrapa.br

Mário Rodrigo de Oliveira Gomes (Supervisor substituto) - mario.gomes@embrapa.br 

Myryam Machado Lopes dos Santos - myryam.lopes@embrapa.br

Ronaldo Dias Castro - ronaldo.castro@embrapa.br

Paulo Sérgio PereiraBarbosa - paulo.barbosa@embrapa.br

José Luiz Covre - jose.covre@embrapa.br

Jonatas Maciel Paulino Silva - jonatas.silva@embrapa.br

Edmilson Bezerra Pereira - edmilson.pereira@embrapa.br

José Iran da Silva Barbosa - jose-iran.silva-barbosa@embrapa.br

Flávio dos Santos Oliveira - flavio.oliveira@embrapa.br

Idalino Malcher - idalino.malcher@embrapa.br

Sebastião Justino dos Santos - sebastiao.santos@embrapa.br

Equipe Campo Experimental de Tomé-Açu

Rodrigo Lima Sales - rodrigo.sales@embrapa.br

Edilson Braga Rodrigues - edilson.rodrigues@embrapa.br

Francisco da Silva Bentes - francisco.bentes@embrapa.br

João Nilo Garcia Garcia de Sousa - joao.garcia-sousa@embrapa.br

Raimundo Garcia de Souza - raimundo.garcia-souza@embrapa.br

 

Culturas e tecnologias que trabalham

Bovino de leite

Brinquetagem animal – identificação, Protocolo para avalição de brucelose e tuberculose, Eliminação dos positivos. Controle de fertilidade e mortalidade animal, Ordenha manual higiênica, Controle da qualidade do leite, Técnicas para melhorias no conforto animal, Cerca elétrica para contenção animal, Utilização de dietas balanceadas de acordo com categoria animal, Implantação do calendário sanitário, Controle reprodutivo mensal e Seleção de rebanho.

Tecnologias agronômicas (Bovino de Leite)

Amostragem de solos, régua controle altura capim sistema de pastejo animal, sistema Santa Fé para formação de pastagens, sistema Barreirão para formação de pastagens, cultivar de capim: Mombaça, Braquiarão e Braquiária ruziziensis, sistema de rotação de pastagens, monitoramento da fertilidade do solo para produção de forrageira, utilização de cana de açúcar mais uréia, utilização de silagem de milho e cana de açúcar para o período seco.

Tecnologias gerenciais (Bovino de leite)

Planilhas para gestão do negócio, monitoramento da pluviometria temperatura e evaporação, controle leiteiro, planilhas financeiros com os gastos e receitas, planilhas com o controle de parições, planilhas com o controle de cobertura, fichas individuais de controle de ganho de peso para bezerras e taxas de descarte animal.

Tecnologias ambientais (Bovino de leite)

Modelos ecoeficientes para recomposição de RL, isolamento e preservação de APPs e tratamento de efluentes do sistema.

 

Bovino de Corte

Implantação do boas práticas agropecuárias.

Grãos

iLPF e SPD

Manejo Florestal

Tecnologia para manejo florestal.

Fruteiras

Cupuaçu: Clones: Coari, Codajás, Manacapuru e Belém. Cultivar BRS Carimbó, DRIS, Sistema de podas para controle da vassoura de bruxa, produção de muda enxertada e recomposição de copas com enxertia de base.

Açaí: Variedades elites de produção de frutos e Cultivar BRS Pará 

Bacurizeiros: Seleção de clones com alta produção, rendimento e precocidade. Sistema de produção rápida de mudas de bacurizeiros.

Banana: Seleção de variedades de banana: Fhia 21, Fhia 18, Conquista, Platina, PV 0376, Pacovã Ken.

Pupunha: Seleção de variedades para produção de frutos com alta produção e sabor e Seleção de variedades para a produção de frutos com alta produção (Pupunha Palmito)

Pimenta do reino

Sistema de produção de pimenta do reino em estacas, sistema de produção de mudas de pimenteiras do reino,sistema de produção de pimenteiras do reino em tutor vivo – Gliricídia septium, DRIS para pimenteiras no município de Tomé-Açu e cultivares de pimenta do reino para plantio no estado do Pará: Kuthiravalli, Kothanadam, Uthirankota,Iaçará, Bragantina, Guajarina e Cingapura.

 

Área de atuação do NAPT

 

ATUAÇÃO

MUNICÍPIO

SEDE

MUNICÍPIOS DE ABRANGÊNCIA

ÁREA DE INFLUÊNCIA (KM2)

NAPT Belém-Brasília

Paragominas

Cachoeira do Piriá; Capitão Poço; Garrafão do Norte; Irituia; Nova Esperança do Piriá; Ourém; Santa Luzia do Pará; Aurora do Pará; Ipixuna do Pará; Mãe do Rio; São Domingos do Capim ; São Miguel do Guamá; Bujaru; Concórdia do Pará ; Tomé-Açu. Abel Figueiredo; Dom Eliseu; Paragominas; Rondon do Pará e Ulianópolis. 

68.691,8 km²

 

Parceiros