Transferência de Tecnologia

Faça uma busca:

Consulte os integrantes da equipe da Embrapa.

Filtrar por:

Cargo Efetivo
Função
Formação
Área de conhecimento
Área onde atua
Ordenação: função  |  alfabética
 
Pesquisador Chefe Geral Embrapa Arroz e Feijão
Currículo Lattes
Pesquisador Chefe Adjunto de Pesquisa Embrapa Arroz e Feijão
Currículo Lattes
Analista Chefe Adjunto Administrativo Embrapa Arroz e Feijão
Currículo Lattes
Pesquisador Chefe Adjunto de Transf Tecnologia Embrapa Arroz e Feijão
Currículo Lattes
Analista Supervisor III Embrapa Arroz e Feijão
Currículo Lattes
Pesquisador Supervisor III Embrapa Arroz e Feijão
Currículo Lattes
Analista Supervisor III Embrapa Arroz e Feijão
Currículo Lattes
Analista Supervisor II Embrapa Arroz e Feijão
Currículo Lattes
Analista Supervisor II Embrapa Arroz e Feijão
Analista Supervisor II Embrapa Arroz e Feijão
Currículo Lattes

A transferência de tecnologia (TT) é responsável por coordenar e fortalecer a atuação da Embrapa Arroz e Feijão junto aos públicos-alvo, contando, para isso, com o apoio da comunicação e geração de produtos, processos e serviços propostos pelos projetos de P&D da Unidade. Busca, ainda, antecipar as tendências institucionais e mercadológicas, garantindo ajustes permanentes das prioridades de pesquisa e de transferência, com vistas à inovação.

As ações realizadas pela TT visam promover o diálogo com parceiros, na definição de estratégias de transferência de tecnologia, intercâmbio e construção coletiva de conhecimentos e soluções, considerando as características dos diferentes públicos. Além disto, a área busca valorizar e apoiar as redes locais de inovação, nos processos de proteção da propriedade intelectual das inovações tecnológicas geradas ou adaptadas pela Unidade.

Chefe-Adjunto de TT: Lineu Alberto Domit - cnpaf.chtt@embrapa.br - (62) 3533-2267; 3533-2110.

 

As ações de negócios e mercado ligadas à Transferência de Tecnologia (TT) buscam impulsionar o fortalecimento de processos da Embrapa Arroz e Feijão, visando contribuir na inovação de tecnologias, produtos e serviços propostos nos projetos de P&D da Unidade voltados para a agricultura empresarial. Para isto o Setor de Negócios e Mercado (SNM) realiza articulações com parceiros na elaboração e condução de projetos de TT voltados para a agricultura e atuando como facilitador de trabalhos de transferência de tecnologia. A atuação do Setor cobre os aspectos relacionados aos negócios, estabelecendo uma maior interação entre o mercado e a agricultura empresarial, além de promover o debate e  entendimento mútuo entre os diversos segmentos de mercado. Visa, ainda, apoiar as fases de desenvolvimento dos produtos, serviços e estratégias de ações referentes a produção, promoção e comercialização, além de participar de contratos, convênios e demais acordos firmados pela Unidade.

Supervisor: Vitor Henrique Vaz Mondo

Equipe:

Aluisio Goulart Silva

Augusto Cesar de Oliveira Gonzaga

Bernardo Mendes dos Santos

Carlos Magri Ferreira

Flavio Jesus Wruck

Heloisa Celis de Paiva Breseghello

José Luis Cabrera Diaz

Luiz Otávio Martins Moreira

Osmira Fatima da Silva

Dada a sua representatividade para a sustentabilidade alimentar e a melhoria da qualidade de vida no campo o Setor de Transferência de Tecnologia para a Agricultura Familiar (STAF) tem papel expressivo como agente do desenvolvimento equitativo e sustentável em várias linhas de atuação, sendo constituído num setor estratégico para a Embrapa Arroz e Feijão. Entre suas linhas de ações e para cumprir seus objetivos o STAF realiza articulações com as instituições públicas de pesquisa, assistência técnica e extensão rural (ATER), além de trabalhos e projetos específicos em instituições de ensino e pesquisa com os diversos movimentos sociais e, também, junto aos agentes de políticas públicas. Outro objetivo do Setor criar oportunidades e demandas tecnológicas em diferentes contextos e ambientes da agricultura familiar que estão inseridos na programação de P&D e TT da Embrapa Arroz e Feijão. Partindo do princípio que as condições atuais no campo, particularmente, dos pequenos produtores familiares são pouco favoráveis aos mais jovens em termos de oportunidades e realizações. Para amenizar este quadro é necessário dedicar esforço especial em varias linhas de ações e, também, em comunicação e informação, fortalecendo o desenvolvimento de processos educacionais críticos e dialógicos no meio rural. Estas ações buscam superar os desafios do homem do campo e devem ser realizadas de maneira clara e intensa tanto nos segmentos rurais, quanto nas instituições e organizações da sociedade civil parceiras da agricultura familiar.

Supervisor: José Geraldo Di Stefano

Equipe:

Carlos Martins Santiago

Flávia Rabelo Barbosa Moreira

Glays Rodrigues Matos

João Kluthcouski

Luciene Froes Camarano de Oliveira

Marcia Gonzaga de Castro Oliveira

Raimundo Ricardo Rabelo