14/06/10 |   Gestão Estratégica

Prosa Rural - Integração lavoura-pecuária-floresta: sustentabilidade no campo

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Junho/2010 - 3ª semana - Região Norte

Uma estratégia de produção sustentável que pode diversificar a renda do agricultor familiar. Essa é uma das definições do sistema de produção denominado Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF), tema do Prosa Rural desta semana. O pesquisador da Embrapa Acre, Tadário Kamel, explica as possibilidades, as vantagens e como o produtor rural deve se preparar para começar a fazer a integração entre lavoura, pecuária e floresta em sua propriedade.

O sistema é uma alternativa para conciliar a produção de animais, madeiras, frutos e outros  produtos na mesma área. As árvores podem prestar serviços como sombreamento e adubação natural do solo. "Um dos grandes benefícios é a possibilidade de produzir grãos e, na mesma área,  introduzir a pecuária, o que garante uma diversificação de renda para o agricultor. Mas a vantagem não é apenas econômica pois, com esse sistema, temos controle da erosão e aumento da produtividade, o que reduz a pressão pela abertura de novas áreas naturais", explica.

O agricultor que optar pelo sistema deverá escolher dentre quatro modalidades aquela que mais se adequa ao perfil da sua propriedade: o consórcio da lavoura com a pecuária, o sistema silvi-agrícola, no qual há lavoura nas entrelinhas das árvores florestais, o silvipastoril, que alia o plantio de árvores com a pecuária e o agrosilvipastoril,  que integra a lavoura, a pecuária e as árvores de espécies florestais de maneira sequencial. "A escolha de uma modalidade e planejamento, no período da seca, são etapas  importantes para o produtor que for iniciar um sistema de integração, para que ele possa preparar o solo, calcular a quantidade de sementes, de adubo, de mudas de árvores que serão necessárias", afirma.

Segundo o pesquisador, produtores rurais que têm pastos degradados podem utilizar a integração lavoura-pecuária para recuperar a pastagem. "A área de pasto degradada é a ocasião ideal para realizar a integração lavoura-pecuária-floresta. Pode-se plantar o milho, por exemplo, e  introduzir as árvores. Dessa maneira, teremos agricultura nas entrelinhas das árvores e haverá recuperação do solo para futuras pastagens".

Já os agricultores que possuem área de cultivo podem obter vantagens com a introdução de árvores, pois a madeira pode ser uma fonte alternativa de renda no futuro. "Os resultados têm mostrado que espécies  arbóreas inseridas junto com cultivos agrícolas se beneficiam do preparo do solo, do efeito residual da adubação e têm desenvolvimento melhor", afirma.

No quadro Fala Produtor, o programa traz o depoimento do produtor rural João Evangelista Ferreira, o João Paraná, de Senador Guiomard (AC), que planta milho e feijão nas entrelinhas  de árvores nativas da Amazônia. "Uma das coisas que me animou a usar esse sistema é a necessidade de fazer reflorestamento e essa é uma forma de ir reflorestando e plantando para tirar a nossa subsistência".

José de Melo, outro produtor também de Senador Guiomard (AC), utilizou o pasto para plantar andiroba, uma árvore nativa que fornecerá frutos madeira e bordão de velho, leguminosa que ajuda na adubação da pastagem. "Faz dez anos que planto árvores na pastagem e observo a tranquilidade do gado nos horários mais quentes do dia. Por volta das dez horas todos estão na sombra das árvores".

O Prosa Rural é o programa de rádio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O programa conta com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

 

Região Norte

 

Priscila Viudes
Embrapa Acre

Contatos para a imprensa

Telefone: (68) 3212-3200

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

2010