03/07/17 |   Florestas e silvicultura

Publicação estimula o plantio de araucárias

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Katia Pichelli

Katia Pichelli -

“A araucária é uma espécie única, e cada vez mais descobrimos coisas novas sobre ela. Precisamos valorizá-la, pois está esquecida e essa é a ideia do livro: novos conhecimentos para a araucária voltar a participar do cenário econômico, de forma sustentável”. Com esta afirmação, o pesquisador Ivar Wendling, da Embrapa Florestas, resume o objetivo do livro “Araucária: particularidades, propagação e manejo de plantios”, do qual é editor técnico junto com o Professor Flávio Zanette, da Universidade Federal do Paraná. O livro foi lançado no 24/06, Dia Nacional da Araucária, em evento no Auditório do Mercado Municipal de Curitiba. 

“A araucária não é peça de museu: tem que ser usada para viver”, corrobora Prof. Zanette. A proposta dos editores técnicos é a conservação da araucária mediante seu uso. Protegida por Lei por estar ameaçada de extinção, existe pouco interesse em seu plantio ou mesmo no manejo das plantas que já existem, uma vez que é muito burocrático o seu uso com fins econômicos. O raciocínio é simples: que produtores rurais e demais interessados sintam-se estimulados a cada vez mais plantar araucária e possam manejá-la, de acordo com critérios técnicos e dentro do permitido pela legislação, que hoje é bastante restritiva.

“Os legisladores precisam entender que a araucária é um bem econômico, social e ambiental do Brasil”, afirma Zanette. Trabalhando há 32 anos com a espécie, o professor explica que o lançamento do livro representa um marco de apresentação à sociedade de técnicas testadas e efetivas para uso sustentável da araucária.

“A equação do pinhão não fecha”, exemplifica Wendling. “É um alimento cada vez mais demandado, com alto potencial para a saúde. Mas as árvores existentes estão ficando velhas e, com isso, produzem cada vez menos pinhão”, alerta. Já houve, inclusive, interesse para exportação, mas não há produção suficiente para esta demanda. A madeira da araucária, também de alta qualidade, poderia ter usos nobres para geração de renda. “Não estamos incentivando o corte das araucárias existentes”, explica Wendling. “Pelo contrário, precisamos preservar o que existe, mas incentivar novos plantios com qualidade técnica”, completa.

Durante o evento de lançamento, autoridades mostraram a importância tanto da espécie quanto das ações conjuntas. O Chefe Geral em exercício da Embrapa Florestas, Sergio Gaiad, ressaltou a importância da união de esforços e instituições em prol da espécie: “isolados fazemos muito pouco, mas precisamos dar subsídios para o aprimoramento da Lei”. A vice Reitora da UFPR, Graciela Bolzón de Muniz, utilizou a metáfora da araucária com os braços abertos para ressaltar a acolhida da pesquisa e das parcerias com a espécie. O Secretário Municipal de Abastecimento, Luiz Gusi, falou sobre a importância do Mercado Municipal para a memória gustativa da cidade e sua relação com a araucária, árvore-símbolo de Curitiba, e a articulação entre setores público, privado e ongs para trabalhar em prol da espécie.

O livro aborda particularidades da araucária, tecnologias de propagação, como a produção de mudas de qualidade, tanto por sementes quanto por enxertia ou estaquia, a formação de pomares de araucárias de pinhão precoce e critérios de manejo de plantios de araucária, com considerações sobre suas aplicações, vantagens e desvantagens, visando contribuir ao desenvolvimento de uma silvicultura sustentável.
A publicação é voltada a técnicos, extensionistas, produtores rurais e estudantes que trabalham com a árvore-símbolo do Paraná, além de autoridades que tratam do assunto. Financiada com recursos do CNPq, a obra tem tiragem impressa limitada, porém, está disponibilizada online clicando aqui

Katia Pichelli (MTb 3594 PR)
Embrapa Florestas

Telefone: (41) 3675-5638

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Galeria de imagens

Encontre mais notícias sobre:

araucáriapinhão precoce