23/11/17 |   Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Famazon incentiva a formação de anatomistas de madeira

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Vinicius Braga

Vinicius Braga -

Unir profissionais e ampliar o diálogo acerca do desenvolvimento da pesquisa é o objetivo da primeira edição do Fórum de Anatomistas de Madeira da Amazônia (Famazon), que iniciou nessa quarta (22), no Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT), da Universidade do Estado do Pará (Uepa). Sob o tema “Desafios e perspectivas para os próximos anos”, o evento abre três dias de programação que democratiza achados e incentiva estudantes na ampliação do mercado.

Organizado pelo Grupo de Pesquisa Anatomia da Madeira de Espécies Amazônicas (Gpamea) da Uepa, em parceria com a Embrapa Amazônia Oriental e financiado pela Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará (Fapespa), o fórum visa, primeiramente, criar uma rede de pesquisadores, profissionais e curadores de xilotecas paraenses, para discutir e traçar um planejamento estratégico para a melhoria das coleções de espécimes e avanços no setor florestal.

“Somos um grupo com vários anatomistas, formados pelos mesmos mestres, que saiu para complementar a formação e depois não conversou mais. O Fórum nasceu exatamente dessa necessidade de diálogo entre nós, para que um saiba o que o outro está fazendo, complemente e amplie as pesquisas na área de anatomia da madeira”, explicou uma das organizadoras do evento e integrante do Gpamea, Cláudia Viana Urbinati.

Na mesa oficial de abertura, ela ressaltou a importância da atuação do anatomista de madeira para o desenvolvimento do Pará. “Nossa profissão vem sendo reconhecida como base do conhecimento para o setor florestal. A árvore é um ser vivo, e como tal muda e se adapta às condições as quais é submetida. Cabe a nós estuda-las e identificar a melhor forma de utilizá-las. O bioma amazônico é riquíssimo em espécies com potencial madeireiro que precisam ser catalogadas e pesquisadas”, explicou Urbinati.

Para o chefe adjunto de Pesquisa na Embrapa, Walkymário Lemos, relembrou a longa história de cooperação científica entre as instituições e pediu a intensificação do diálogo científico na área. “O desafio de fazer o Pará cada vez mais forte passa pela pesquisa e pela inovação. A questão florestal é estratégica para a Amazônia, por isso é necessário se discutir sempre com embasamento científico”, disse ele, destacando o papel da Embrapa na criação de leis federais que regulam as atividades do setor.

O pró-reitor de Gestão e Planejamento, Carlos Capela, representou a gestão no evento e destacou a necessidade de estudos acerca das espécies amazônicas. “A Amazônia é de uma heterogeneidade imensa, por isso é preciso construir conhecimento adequado, ampliar as coleções biológicas para melhor subsidiar o setor florestal. Só desta forma se pode garantir um uso sustentável destas florestas. Este fórum é uma grande oportunidade para os nossos alunos de entrarem em contato com este campo e a Uepa se sente muito orgulhosa de participar dele”, resumiu.

Evento homenageia profissionais

A solenidade de abertura encerrou com a entrega de uma placa homenageando os grandes mestres anatomistas do Pará, que foram responsáveis pela gênese da profissão na Amazônia. O professor doutor Alcir Tadeu, Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), foi representado pela professora de sua instituição Marcela Gomes; o especialista Francisco José de Vasconcellos, do  Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), recebeu sua placa das mãos do professor Vitor Moutinho, da Uepa; o pesquisador Joaquim Gomes, da Embrapa Amazônia Oriental, foi homenageado pela pesquisadora Fernanda Ilkiu, da Embrapa; e o professor doutor Pedro Luiz Lisboa, do Museu Paraense Emílio Goeldi, recebeu sua homenagem da professora doutora Cláudia Urbinati, da Uepa.

O Famazon segue até sexta-feira, 24, e será apresentado em três grandes momentos. O primeiro será voltado para as mesas redondas, onde serão discutidos temas relacionados às pesquisas, à problemática da identificação e certificação de madeiras frente ao comércio madeireiro e os acervos científicos de madeira. O segundo momento consiste na exposição de banners para a apresentação das pesquisas desenvolvidas no contexto da anatomia de madeira de espécies amazônicas.

Por fim, serão realizadas atividades em três Grupos de Trabalho com os temas voltados aos mesmos das sessões temáticas. Estes grupos tem por objetivo discutir intensamente os temas abordados, compilar as informações e apresentar sugestões para soluções de problemas enfrentados na Amazônia em um documento final que norteie ações estratégicas para o desenvolvimento da anatomia e identificação de madeira na região para o próximo biênio. O documento será analisado no II Famazon, previsto para ocorrer durante o Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia da Madeira, em Santarém, no ano de 2019.

Fernanda Martins
Universidade do Estado do Pará

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Galeria de imagens

Encontre mais notícias sobre:

famazonanatomia de madeiraidentificação