21/12/17 |   Agricultura familiar

Parcerias: Embrapa, Emater e IFGoiano promovem melhorias para Agricultura Familiar em Goiás

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Juliane Moraes Moreira

Juliane Moraes Moreira - Colheita de arroz e construção de tanque para piscicultura / área dos agricultores Juliane e Roberto Moraes Moreira

Colheita de arroz e construção de tanque para piscicultura / área dos agricultores Juliane e Roberto Moraes Moreira

As diversas atividades realizadas na última década pela Embrapa Arroz e Feijão com pequenos produtores de Goiás, em especial no vale do São Patrício (região central) e do Médio Araguaia (oeste goiano), deram início a uma “Rede informal” que atua em busca de inovações para a Agricultura Familiar no Estado. Junto à Embrapa, integram esse trabalho multilateral a Emater/GO e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano (IFGoiano), campus Iporá e Ceres, além das prefeituras e movimentos sociais radicados nos municípios envolvidos, entre eles: Ceres, Rialma, Rianápolis, Iporá, Caiapônia, Aragarças, Moiporá. As ações de Transferência de Tecnologias (TT) promovidas propiciaram inúmeras experiências ao longo do tempo, que foram compartilhadas entre os técnicos das instituições e agricultores, trazendo benefícios a todos os que estão na parceria. As Instituições fornecem sementes, realizam consultorias, análises de solo e palestras sobre a condução das lavouras, pastagens, hortaliças e criação de animais. Pela Embrapa Arroz e Feijão, participaram Glays Matos, Márcia Gonzaga, Luciene Camarano, os pesquisadores Flávia Rabelo, Murillo Lobo Jr. e Jaison Pereira.

Os resultados estimularam os produtores que pouco investiam em suas propriedades e, agora, voltam os olhos para suas áreas, utilizando-as para cultivos que apresentem bons rendimentos em suas regiões ou inovando, investindo em plantio de culturas até então não adotadas. Os agricultores Roberto e Juliane Ferreira Moraes Moreira, do Assentamento Oziel, no município de Baliza, Região do Médio Araguaia, são um exemplo da mudança de paradigma pela ação da Rede. Percebendo a evolução atingida com as Unidades de Construção do Conhecimento (UC) montadas em sua parcela, aproveitando os métodos apresentados pelos técnicos das instituições e a prática dos demais integrantes do assentamento, o casal decidiu plantar arroz. Já de início, a área produziu 2.460kg de arroz (41 sacos) em 4.250 m² (menos de meio hectare), produtividade média de 5.142kg ou 85 sacos/ha, considerada excelente, visto que os agricultores que plantam arroz no assentamento atingem, no máximo, 3.000kg/ha. Além da comercialização, a produção também serviu sementes para outros agricultores na safra seguinte.

Por intermédio de Glays Matos, o casal foi apresentado ao Núcleo Regional da Embrapa Gado de Leite em Goiás, instalado na sede da Embrapa Arroz e Feijão, em Santo Antônio de Goiás, onde receberam instruções acerca do uso da árvore moringa como fonte de proteína. A analista Pricila Vetrano, integrante do Núcleo, tem auxiliado nesse trabalho, tanto na busca por sementes quanto na parte técnica, com as instruções sobre o plantio. “Explicamos para a Juliane sobre o uso da moringa para alimentação animal e também humana. Mostramos alguns exemplos já estudados por colegas de outras Unidades da Embrapa e propusemos uma avaliação inicial, para ver se a planta se adapta às condições da região de Baliza”, diz Pricila. A primeira remessa de sementes foi enviada em outubro e o plantio foi realizado no dia 20. Na segunda quinzena de dezembro, foi enviada nova remessa para o replantio do que não germinou. Na área do casal foi instalado, ainda, um sistema desenvolvido na Embrapa Meio Norte, que trabalha com integração de piscicultura e produção de hortaliças, denominado Sisteminha.

Juliane, que é zootecnista, também começou a trabalhar na produção de leite, com bons resultados obtidos em sua área. Ela afirma que, sem o apoio das instituições que estão compondo esta Rede, seria quase impossível atingir esse resultado tão positivo, especialmente, no que diz respeito ao recebimento de sementes de arroz, feijão e moringa, vindas da Embrapa. “Esta parceria com a Embrapa é de suma importância para nós e veio nos fortalecer a cada dia mais”, diz a agricultora.

Integrantes do assentamento Eldorado dos Carajás, em Caiapônia, cujas terras também serviam exclusivamente como pasto para aluguel e produção inconstante de sementes de capim, da mesma forma, com base nos conhecimentos e tecnologias recebidos dessa “Rede informal”, transformaram suas áreas em lavouras de melancias e outras culturas, passando, ainda, a inserir ali as suas próprias rezes, iniciando a criação de gado de leite em pastejo rotacionado.

Formação profissional

O IFGoiano, campus Rio Verde, ofereceu o curso “Técnico em Agropecuária”, integrado ao Ensino Médio, com 20 vagas e grade curricular especialmente desenvolvida para jovens assentados com interesse em se profissionalizar e adquirir conhecimento para melhor conduzir seus trabalhos. Os estudos são viabilizados por meio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), que propõe e apoia projetos de educação voltados para o desenvolvimento das áreas de assentamento. Júlio Cezar Rodrigues de Castro e Clésio Júnior, dois jovens integrantes da área do Oziel, ingressaram no curso, tendo finalizado no semestre passado. Seus trabalhos de Conclusão estiveram ligados diretamente à condução das UCs de arroz e de feijão em Baliza. Tiveram o privilégio da orientação de Jaison Pereira, pesquisador da Embrapa Arroz e Feijão, falecido no dia 28 de agosto passado.

Unidade de Construção de Conhecimento (UC)

Essa união de esforços visa a contribuir com as comunidades rurais, fortalecendo a segurança alimentar e a organização dos agricultores, promovendo a autonomia pela produção de sementes de uso próprio, além de estimular a diversificação produtiva e o uso de tecnologias mais sustentáveis, como adubação verde e fixação biológica de nitrogênio (FBN). A implantação de UCs para verificação e exemplificação das técnicas disponibilizadas foi a forma escolhida para execução dos trabalhos. Na safra 2015/2016, foram implantadas Unidades no assentamento Eldorado dos Carajás com a cultura do arroz, adotando as cultivares da Embrapa BRS Esmeralda, BRS Sertaneja e BRSGO Serra Dourada; e do feijão, com BRS Estilo, BRS Pitanga, BRSMG Realce. Foram realizados Dias de Campo no Assentamento, com participação de produtores e instituições envolvidas nesse movimento, momentos nos quais as informações foram passadas aos assentados. Em 2017, nos Municípios de Caiapônia, na comunidade Cana Verde, e Rialma foram implantadas UCs, com feijão irrigado/inverno.

No Assentamento Oziel, em Baliza, na safra 2016/2017, as UCs implantadas tiveram as cultivares de feijão BRS Estilo, BRS Esteio, BRS Pitanga, BRSMG Realce; e, no caso do arroz, BRS Esmeralda, BRS Sertaneja, BRSGO Serra Dourada, todas da Embrapa, com adoção de adubação verde. Em 2017/2018, na UC de Aragarças, também na Região do Araguaia, foram entregues sementes de leguminosas e ramas de 12 variedades de batata-doce, obtidas junto à da Embrapa Hortaliças. No momento, já estão implantadas UCs de feijão em Caiapônia e Moiporá, com colheita prevista para fevereiro e março, respectivamente.

Estas ações têm por objetivo proporcionar a viabilidade de produção nas condições da agricultura familiar, atividades contempladas, nos projetos “TTFEIJÃO 2” e “REDEARROZ 2”, ambos da Embrapa Arroz e Feijão. As equipes de Transferência de Tecnologias da Embrapa envolvidas almejam construir um novo projeto, com os resultados obtidos a partir das experiências vivenciadas, como os das comunidades dos Assentamentos Oziel e Eldorado dos Carajás, intensificando ainda mais os trabalhos e contribuindo para a melhoria da realidade da Agricultura Familiar.

Henrique de Oliveira (MTb/GO 1.960)
Embrapa Arroz e Feijão

Contatos para a imprensa

Telefone: (62) 3533.2108

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Galeria de imagens

Encontre mais notícias sobre:

agricultura familiar