08/01/18 |   Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação  Transferência de Tecnologia

Em 2018, projetos vão alcançar a África e comunidades pobres do Piauí

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Keyle Barbosa de Menezes

Keyle Barbosa de Menezes - O manejo do sistema solo-água-planta do milho será destaque nas ações de pesquisa.

O manejo do sistema solo-água-planta do milho será destaque nas ações de pesquisa.

Tecnologias desenvolvidas pela Embrapa Meio-Norte nas áreas de produção animal e de alimentos, começam a beneficiar este ano pequenos agricultores de países como Uganda, Camarões, Etiópia, Gana e Tanzânia, na África. O projeto Redução da Pobreza e Segurança Alimentar na África, que será desenvolvido até 2019, prevê a instalação de pelo menos 150 unidades de observação e transferência de tecnologias. Financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates, a ação tem um orçamento de 695 mil dólares.

A ideia central do projeto, segundo o pesquisador César Nogueira, é usar nas unidades o carneiro hidráulico ou bomba à energia solar para abastecer sistemas de produção Integração-Lavoura-Pecuária e o Sisteminha Embrapa. Este, de acordo com Nogueira, consiste na criação de peixes em tanques com a reutilização da água para a produção de plantas e animais nas áreas próximas. “Esperamos importantes impactos positivos na segurança alimentar, saúde e na economia desses países”, disse.

Mais cinco projetos também começam a ser conduzidos este ano pela Embrapa na região Meio-Norte. Nos cerrados, a aposta é no Manejo do Sistema Solo-Água-Planta para o Milho. Liderado pelo pesquisador Edson Bastos, o trabalho vai focar a identificação da população e espaçamento de plantas; doses econômicas de potássio e nitrogênio; estirpes de bactérias diazotróficas para composição de inoculantes; e lâminas de irrigação para o cultivo de milho verde e seco.

Segundo Bastos, os resultados da pesquisa vão permitir a “melhoria do sistema de produção de milho na região, com a expectativa de que a produtividade média de grãos dobre, consolidando, assim, o agronegócio da cultura nos cerrados do Piauí e Maranhão”.

Também nos cerrados e no delta do rio Parnaíba começa a segunda fase do projeto Adequação do Manejo e Valoração do Mel com três Espécies de Abelhas sem ferrão, como alternativa econômica para pequenos produtores. O projeto é liderado pela pesquisadora Fábia de Mello Pereira.

No litoral, dois projetos serão desenvolvidos a partir deste semestre: Estratégias para a Sustentabilidade da Produção de Acerola Orgânica Irrigada na região Nordeste, liderado pelo pesquisador Braz Henrique Nunes; e Bases Tecnológicas para Produção Sustentável de ostras Nativas no Norte e Nordeste do Brasil. A pesquisadora Angela Puchnick Legat é a líder.

Do projeto sobre o cultivo orgânico de acerola, Nunes espera impactos positivos com a aplicação e manejo de água adequadamente, “conjugado com os aspectos genéticos, nutricionais, proteção do solo, colheita e pós-colheita”. Já o projeto liderado por Angela Legat buscará práticas e processos para a produção regular de sementes de ostras, aumento do rendimento na engorda e na extensão da vida de prateleira desses mariscos nativos cultivados.

 

Fernando Sinimbu (654 MTb/PI)
Embrapa Meio-Norte

Contatos para a imprensa

Telefone: (86) 3198-0518

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

melpesquisaciênciatecnologiaáfricainternacionalenglishacerolaostra

Conteúdo relacionado

Soluções tecnológicas Ver mais

Sistema Agropecuário: Sistema integrado de produção