19/01/18 |   Biodiversidade  Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Pesquisa descobre novidades na simbiose entre abelhas sem ferrão e fungos

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Cristiano Menezes

Cristiano Menezes - Larva de abelha mandaguari junto ao fungo cultivado na colmeia.

Larva de abelha mandaguari junto ao fungo cultivado na colmeia.

O que se pensava ser apenas um fungo cultivado pela abelha nativa sem ferrão brasileira conhecida como Mandaguari (Scaptotrigona depilis) para o desenvolvimento de suas larvas se revelou um complexo de três diferentes tipos de fungos que estão interagindo de forma complementar para criar um ambiente propício ao desenvolvimento das futuras abelhas. O estudo "Stingless bee larvae require fungal steroid to pupate" foi publicado nesta quinta-feira (19) na revista online do grupo Nature, a Scientific Reports.

Cristiano Menezes, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, atualmente lotado na Embrapa Meio Ambiente, é um dos autores do artigo, ao lado de um time de pesquisadores da USP de Ribeirão Preto e instituições americanas. Menezes comenta que a publicação é a continuação de um trabalho anterior sobre os fungos das abelhas, publicado no final de 2015 na revista Current Biology. O estudo, na ocasião, foi uma descoberta inédita sobre esse tipo de simbiose entre fungos e abelhas e resultado de tese de doutorado realizado com Bolsa da Fapesp.

Ainda de acordo com o pesquisador, a evolução da pesquisa mostrou que os fungos produzem um tipo de gordura que é essencial para a dieta da larva das abelhas Mandaguari. “Além disso, mostramos que na verdade não é apenas um fungo”, enfatiza o cientista, “mas um complexo de três diferentes tipos de fungos que estão interagindo de forma complementar para criar um ambiente propício ao desenvolvimento das larvas”.

Em 2015 a relação simbiótica entre fungos e abelhas foi considerada inédita, pois, conforme relembra o pesquisador, era primeiro registro de simbiose entre uma espécie de abelha social e um fungo cultivado. Até então se sabia da existência de simbioses apenas entre espécies de formigas e de cupins com fungos cultivados em seus próprios ninhos.

Sobre o estudo: a pesquisa aponta que a larva da abelha sem ferrão deve consumir um fungo de células de ninhada específica para continuar o desenvolvimento. O fungo é membro do gênero Zygosaccharomyces e fornece precursores essenciais de esteroides para a abelha em desenvolvimento, visto que os insetos não podem sintetizar esses esteroides.

 

Kélem Cabral (MTb 1981/PA)
Embrapa Amazônia Oriental

Telefone: (91) 3204-1099

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

meliponiculturaabelhas nativasenglishmeliponeas