02/03/18 |   Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Ressonância magnética é tema de palestra e demonstração de análise in loco no Agrifutura

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Letícia Longo

Letícia Longo - Pesquisadores da Embrapa e da FIT desenvolvem métodos e equipamentos de ressonância magnética para uso em agricultura

Pesquisadores da Embrapa e da FIT desenvolvem métodos e equipamentos de ressonância magnética para uso em agricultura

Conhecida principalmente como técnica de diagnóstico médico por imagens, a Ressonância Magnética (RM) está sendo aplicada para investigar alterações em produtos que fazem parte da mesa do consumidor, como em alimentos frescos – frutas e carne bovina - e industrializados – azeite de oliva, maionese, molhos de salada e vinho. 

No Agrifutura, que será realizado neste sábado (3) e domingo (4), no Instituto Biológico, em São Paulo, o aparelho será demonstrado com a realização de análises in loco. As aplicações de RMN na agricultura também serão tema de uma palestra ao meio-dia.

As apresentações serão realizadas por pesquisadores da empresa Fine Instrument Technology (FIT), parceira da Embrapa Instrumentação (São Carlos, SP) - que desenvolve pesquisas com ressonância magnética há mais de 30 anos.

Além dos produtos in natura, a RM chegou também a alimentos industrializados, permitindo análises diretamente nas embalagens. Os testes comprovam que a RM pode detectar alterações no azeite de oliva - como óleo de soja - o teor de gordura em maionese, molhos de saladas e volume de água em molhos, como o de mostarda, tudo isso sem que seja necessário retirar o produto da embalagem. 

No vinho é possível identificar a origem ou regiões produtoras, sem ter de abrir a garrafa. Um experimento concluído no começo de 2016 com 53 garrafas de vinho tinto, originárias de 10 países, 16 regiões produtoras e 11 castas de uva apontou que os vinhos podem ser diferenciados pela região de plantio, segundo a concentração de manganês, que é um dos micronutrientes da uva. 

Luís Colnago, pesquisador da Embrapa Instrumentação, explica que a técnica gera informações que permitem obter a composição química e bioquímica dos produtos agroalimentares. “A ressonância é possível porque núcleos atômicos de cada elemento químico do material absorvem energia em uma frequência de rádio específica, sendo possível diferenciá-los dentro de uma mesma molécula, o que permite obter a composição química e bioquímica dos produtos analisados”, esclarece. Atualmente são utilizados métodos químicos invasivos para a análise, o que quer dizer que o produto tem de ser retirado da embalagem.

Além de trabalhar para desenvolver a metodologia mais barata e rápida, o pesquisador tem apoiado a criação de um aparelho menor e mais acessível, que possa fazer as análises dos produtos na hora e no local da compra. “Os aparelhos menores representam alternativas aos equipamentos gigantescos e de altos custos, que se colocavam como um entrave a novas aplicações e com os quais as pesquisas vinham sendo realizadas na Embrapa Instrumentação desde a década de 80”, diz.

A parceria entre a Embrapa Instrumentação e a FIT teve início em 2013 e resultou no desenvolvimento de, pelo menos, cinco aparelhos, que estão sendo utilizados para aplicações diversas, desde análise de óleo de Palma até o uso pelo Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em São Leopoldo (MG), que testa o aparelho para análise de alimentos em geral.

“Li uma reportagem sobre o estudo com RMN realizado pelo pesquisador Luiz Alberto Colnago em um blog que aborda inovação tecnológica e imediatamente iniciamos a articulação, que resultou na assinatura de um convênio para o desenvolvimento do aparelho”, conta o gerente de Produtos da FIT, Daniel Consalter.
 

Agrifutura
O evento é promovido pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa do Agronegócio (Fundepag), com a proposta de mostrar o que está sendo feito para modernizar a agricultura e aproximar o setor da inovação tecnológica. A expectativa dos organizadores é reunir, durante o final de semana, mais de cinco mil pessoas, entre produtores rurais, pesquisadores, investidores, indústrias, comerciantes, startups e desenvolvedores.

Joana Silva (MTB 19.554/SP)
Embrapa Instrumentação

Contatos para a imprensa

Telefone: (16) 2107-2901

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

rmnalimentosagriculturaembrapa instrumentaçãoaplicaçõesfitagrifutura