22/03/18 |   Manejo de Recursos Hídricos

Embrapa ressalta importância do manejo e conservação do solo no Fórum Mundial da Água

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Valéria Costa

Valéria Costa - Azeneth Schuler palestra ao lado do ministro da Terra, Infraestrutura e Transportes da República da Coreia, Tae-Haon Kin; da representante da Fundação Grupo Boticário, Juliana Ribeiro; e do representante do Centro de Pesquisa Nacional de Recursos Hídricos do Egito, Ahmed Rashed.

Azeneth Schuler palestra ao lado do ministro da Terra, Infraestrutura e Transportes da República da Coreia, Tae-Haon Kin; da representante da Fundação Grupo Boticário, Juliana Ribeiro; e do representante do Centro de Pesquisa Nacional de Recursos Hídricos do Egito, Ahmed Rashed.

Brasília está sediando nesta semana o 8º Fórum Mundial da Água, e a temática da sustentabilidade na agropecuária e da importância do uso e manejo adequados do solo tem sido amplamente discutida. Nessa quarta-feira (21/3), a pesquisadora da Embrapa Solos (RJ) Azeneth Schuler participou de um painel que discutiu a contribuição da gestão da água e do solo para a mitigação das mudanças climáticas, ao lado de representantes de instituições do Egito, Coreia do Sul e Estados Unidos.

A barragem subterrânea foi uma das tecnologias exitosas no Brasil apresentada pela pesquisadora. Facilmente replicável, a barragem mantém a umidade do solo por período de três a cinco meses após o período de chuvas. Com a captação e armazenamento das águas pluviais, agricultores do Seminárido nordestino têm conseguido manter a atividade de produção de alimentos e criação de pequenos animais durante o período da seca.

Ainda no dia 21, o pesquisador da Embrapa Cerrados (DF) e atual diretor da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), Jorge Werneck, foi um dos palestrantes da sessão temática “Agricultura e Serviços Ecossistêmicos: produtores rurais podem salvar rios e ainda lucrar?”. Werneck comentou sobre medidas de manejo dos recursos hídricos, como o manejo de irrigação, e apontou três pontos a serem aprimorados nesse aspecto: plantas, com o desenvolvimento de materiais mais resistentes à seca; instrumentos e equipamentos; e a parte humana, relacionada ao manejo. 

No painel sobre Água para a agricultura e produção de alimentos, realizado durante o Fórum na última terça-feira (20/3), o presidente da Embrapa, Maurício Lopes, já havia destacado a implementação da política de agricultura de baixo carbono como uma estratégia de enorme impacto no uso do solo, da água e da biodiversidade. Ele citou a incorporação de práticas sustentáveis, como o plantio direto e a adoção dos sistemas integrados lavoura-pecuária e lavoura-pecuária-floresta, como formas de manter a proteção do solo, com garantia de recomposição das reservas de água.

Lopes lembrou ainda dos impactos positivos da tecnologia na atividade agropecuária a partir da implementação de políticas públicas como o Zoneamento Agrícola de Risco Climático, que contribui com o monitoramento do uso do solo e da terra de maneira inteligente para cada região e cultivo.

No dia da abertura do Fórum, segunda-feira (19/3), a pesquisadora Maria de Lourdes Mendonça Santos Brefin, chefe-geral da Embrapa Cocais (MA), participou de uma plenária sobre degradação do solo. Mais de 33% dos solos em todo o mundo apresentam degradação de moderada a alta. A principal causa, que vem preocupando cientistas de vários países e foi levantada pelo Painel Técnico Intergovernamental em Solos (ITPS), da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), é a má gestão do solo e da água. As consequências são erosão, perda da matéria orgânica e da biodiversidade, acidificação, salinização, compactação, poluição, inundações e impermeabilização dos solos. 

Os dados constam no relatório sobre o estado dos recursos do solo do mundo (State of the World Soil Resources), da FAO. Na palestra, Maria de Lourdes abordou a importância do solo para a produção de água, alimentos, fibras, energia e serviços ambientais e mencionou as recomendações estratégicas das “Diretrizes Voluntárias para o Manejo Sustentável dos Solos”, também elaboradas pelo ITPS. 

 

PSA Hídrico

A Embrapa Solos também está apresentando no Fórum, no Mercado de Soluções da Vila Cidadã, a experiência do Manual para pagamento por serviços ambientais hídricos, cujo principal objetivo é incentivar o homem do campo a adotar práticas conservacionistas, mostrando as vantagens do Pagamento por Serviços Ambientais Hídricos (PSA Hídrico).

“A publicação apresenta os três conjuntos de métodos capazes de nortear uma iniciativa em PSA Hídrico: seleção de indicadores, monitoramento e seleção de áreas prioritárias”, explica a pesquisadora Rachel Bardy Prado, responsável por apresentar a experiência no evento internacional.

O PSA Hídrico é um instrumento de compensação que está se tornando mais comum no Brasil. No campo, ele contribui com a provisão de serviços ambientais, valorizando o papel do produtor na conservação ao premiar aqueles que conservam os solos, protegem as matas e recuperam nascentes e matas ciliares.

O manual já está sendo seguido por comunidades do Rio de Janeiro no âmbito do programa Produtores de Água e Floresta (PAF), que teve início em 2007 com produtores das microbacias do Rio Guandu, responsável pelo abastecimento de 80% da água consumida na cidade do Rio e demais municípios da região metropolitana.

Participaram da elaboração do documento pesquisadores da Embrapa Solos e colaboradores de outros centros de pesquisa da Empresa e de parceiros externos - Agência Nacional de Águas (ANA), The Nature Conservancy (TNC) e Fundação Boticário.

 

E-book resume quatro décadas de pesquisa

Resultados de mais de 40 anos de pesquisa desenvolvida sobre o uso sustentável da água estão reunidos em uma única publicação, que a Embrapa lançou oficialmente neste Dia Mundial da Água (22/3), durante o 8º Fórum Mundial da Água, no auditório da Casa Brasil, no estádio Mané Garrincha. “Água e Saneamento – Contribuições da Embrapa” é o primeiro título a ser lançado do total de 18 que irão compor a Coleção Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, editada pela Empresa.

A publicação contou com a participação de mais de 35 pesquisadores de centros de pesquisa de todo o Brasil, envolvidos em soluções tecnológicas geradas ou adaptadas pela Embrapa. O objetivo da publicação, em formato e-book, é apresentar à sociedade como a ciência desenvolvida pela Empresa tem contribuído para o cumprimento das metas do desenvolvimento sustentável assumidas pelo País.  

“Este e-book reúne inúmeras soluções tecnológicas que visam ao uso eficiente da água e ao saneamento adequado no contexto da agropecuária. Um acervo enorme, que está disponível para a sociedade”, disse a pesquisadora da Embrapa Solos Maria Sonia Lopes da Silva, editora técnica da publicação.

O presidente da Embrapa, Maurício Lopes, participou do lançamento e ressaltou a necessidade da integração entre governos, usuários da água e sociedade civil organizada como condição fundamental para que a gestão da água seja adequada e sustentável. Lopes afirmou ainda que o Programa Nacional de Solos do Brasil (PronaSolos), lançado em dezembro de 2017, irá adequar a estrutura de pesquisa para o manejo do solo e da água. 

Para baixar a publicação, clique aqui

O 8º Fórum Mundial da Água segue até esta sexta-feira (23/3).

 

Fernando Gregio (MTb 42.280/SP)
Embrapa Solos

Contatos para a imprensa

Telefone: (21) 2179-4622

Com informações de Valéria Costa, Maria Clara Guaraldo, Kátia Marsicano, Marita Cardillo, Breno Lobato e Carlos Dias.

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

manejo do solomanejo de recursos hídricos