28/03/18 |   Estudos socioeconômicos e ambientais

Rios Voadores e Floresta Amazônica influenciam nas chuvas de boa parte do território nacional

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Divulgação/Internet.

Divulgação/Internet. - Floresta amazônica.

Floresta amazônica.

A Floresta Amazônica deve ser compreendida como controladora do regime climático das regiões mais densamente povoadas do Brasil. Sem a floresta, praticamente todo o país teria um clima semiárido, com chuvas escassas, raramente mais intensas, porém associadas à temporais. Tal cenário certamente seria prejudicial para um grande contingente populacional e para o meio ambiente como um todo, com graves problemas socioambientais e econômicos, principalmente.

Os pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) Marco Gomes e Lauro Pereira destacam a importância dos rios voadores – expressão conhecida no Brasil a partir de 2006 e mais amplamente divulgada em 2007 por meio do “Projeto Rios Voadores”. Tal evento possui ação direta nas condições de clima, na vida humana e nos recursos hídricos. “Dada a sua alta relevância por abordar os deslocamentos de massas úmidas da região amazônica para a região centro-sul do país – daí a denominação de Rios Voadores, influencia no regime de chuvas de boa parte do território nacional”, explica Gomes.

A região amazônica é peculiar em relação à recepção das massas de ar provenientes do Oceano Atlântico. Uma vez sobre a floresta, estas massas se condensam e formam as chuvas torrenciais, típicas da região. Com a evapotranspiração intensa da floresta, incrementada pela temperatura elevada, são formadas massas úmidas em grandes quantidades que se deslocam na orientação norte-sul da Cordilheira dos Andes, que funciona como anteparo, até chegar aos Estados da região centro-sul. Parte destas massas também é exportada para o Caribe e o Oceano Pacífico, o que coloca a Floresta Amazônica em condição de grande importância mundial quanto a sua influência no regime de chuvas sobre uma grande extensão territorial da América Latina.

Periodicamente, os fenômenos El Niño e La Ninã têm interferido nesse regime, porém, como são cíclicos, não se pode responsabilizá-los exclusivamente pelos desequilíbrios climáticos no Brasil. “Devemos pois, olhar para a Floresta Amazônica e ver a sua cobertura vegetal densa e uniforme como um mecanismo que funciona, de fato, como uma bomba d’água, ou seja, absorve e também libera muita água”, continua Gomes.

Estudos recentes têm mostrado também que a floresta, dada a sua alta densidade de cobertura e grande extensão territorial, bloqueia a formação de ventos fortes, evitando surgimento de grandes tempestades em forma de furacões.

Consulta: http://riosvoadores.com.br/o-projeto/fenomeno-dos-rios-voadores/

Cristina Tordin (MTB 28.499/SP)
Embrapa Meio Ambiente

Contatos para a imprensa

Telefone: 19 3311 2608

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

florestasamazônia