07/02/19 |   Transferência de Tecnologia

Projeto Bem Diverso aposta na organização social para melhorar cadeias produtivas

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

A parceria entre instituições no Território do Alto Acre e Capixaba vai possibilitar a realização de diversas ações com foco na organização social das comunidades extrativistas. O objetivo principal das atividades propostas para 2019 no âmbito do Projeto Bem Diverso é obter resultados positivos para as cadeias produtivas da castanha-do-brasil e do açaí, dois dos produtos que são foco das ações do Bem Diverso na região, assim como o trabalho com Sistemas Agroflorestais, todos na Reserva Extrativista Chico Mendes. 

“No Acre, o projeto Bem Diverso atua nos principais gargalos das cadeias dos produtos da sociobidiversidade. São comunidades distantes, que enfrentam problemas tanto de estrutura quanto sociais e econômicos. As atividades com foco na organização comunitária propiciam a divulgação de informações técnicas e a adoção de tecnologias de baixo custo, que causam um impacto significativo para os extrativistas da Reserva Chico Mendes”, conta a analista da Embrapa Acre, Dorila Gonzaga, ponto focal do Projeto Bem Diverso na Unidade. 

Castanha-do-brasil 

Os moradores do Seringal Porvir, da Associação Wilson Pinheiro, que tem a castanha-do-brasil, ou castanha-do-pará, como principal fonte de renda vão desenvolver importantes ações do projeto Castanhal, selecionado em edital público da Fundação Banco do Brasil. A finalização de dos galpões individuais para secagem da castanha, a utilização de uma caminhonete para levar a produção até os pontos de venda e a aquisição de carroças com juntas de bois para o transporte da castanha dentro da comunidade estão dentre as atividades programadas para 2019. Os diretores da associação ainda vão participar de uma capacitação sobre comercialização e mercados institucionais, além de intercâmbio em comunidades extrativistas de Rondônia. 

O monitoramento da produção de castanha, realizado há doze anos por profissionais da Embrapa, continuará esse ano, assim como o mapeamento de 40 castanhais do Núcleo de Base Wilson Pinheiro. A meta é aperfeiçoar os cuidados nas diferentes etapas do trabalho extrativista – da coleta dos ouriços na floresta à logística de transporte – e orientar sobre estratégias de venda mais compensadoras para a comunidade. As ações contam com o apoio do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) e estão alinhadas com objetivos do portfólio “Tecnologias para o fortalecimento da cadeia de valor da castanha-do-brasil”. 

Açaí nativo 

Os atividades do projeto “Qualidade da matéria prima, do processamento de açaí e café e gestão de agroindústrias familiares do Acre – Fortalece”, liderado pela analista Dorila Gonzaga, foram fortemente complementadas com o mapeamento de três mil açaizais nativos da espécie Euterpe precatoria Mart. identificados e localizados pelos extrativistas da Reserva Extrativista Chico Mendes no município de Epitaciolândia (AC), em 2018. A atividade ocorreu com apoio do Projeto Bem Diverso e vai permitir o planejamento da safra de 2019, estimada em 21 toneladas.  

“Nosso intenção, junto com profissionais da Universidade Federal do Acre (Ufac) e integrantes da Associação de Moradores e Produtores da Reserva Extrativista Chico Mendes (Amopreab), é reunir a comunidade para definir um acordo de coleta: quantos extrativistas vão coletar, quantificar essa produção e acompanhar o preço de venda do produto nas comunidades Porongaba, Filipinas e Porvir ”, afirma Dorila.  

A expectativa dos extrativistas para 2019, além da boa safra, é a aquisição, com apoio do Projeto Bem Diverso, de uma máquina de coletar açaí, desenvolvida por um agricultor paraense. No modo tradicional, é necessário escalar a palmeira, atividade que exige preparo físico e pode ser considerada de risco. 
Segundo a professora da Ufac e coordenadora da atividade, Andrea Alechandre, a previsão para a safra de 2019 é de 21 toneladas de açaí. "O que daria uma renda de R$ 40 mil, nos valores atuais. Consideramos a produção de metade dos pés de açaí mapeados, pois na floresta não é garantido que todas as árvores frutifiquem todos os anos".

Sistemas Agroflorestais

Uma experiência com Sistema Agroflorestal realizada pela Embrapa Acre e pelo Projeto Bem Diverso em parceria com o agricultor familiar João Evangelista, no seringal Porvir, localizado na Reserva Extrativista Chico Mendes, em Epitaciolândia (AC), mostra que essa alternativa produtiva é economicamente viável e proporciona ganhos ambientais.  Instalado há cinco anos, em dois hectares, o arranjo combina o plantio de seringueiras, açaizeiros, castanheiras, bananeiras e culturas anuais como milho e feijão.  
Esse será o cenário para capacitações de outros extrativistas sobre sistemas agroflorestais (SAF´s) previstas para 2019 no âmbito do projeto Bem Diverso. Também estão programadas a instalação de pequenas áreas de SAF´s em outras áreas da Reserva Extrativista em parceria com a WWF Brasil e a Cooperativa Central de Comercialização Extrativista (Cooperacre).  

Comunicação Comunitária 

Ainda estão previstas oficinas de comunicação comunitária para jovens da Reserva Extrativista com o objetivo de envolvê-los na organização social das comunidades.  Essa atividade está programada também está prevista no projeto “Interação, intercâmbio e construção do conhecimento e comunicação nos projetos do Fundo Amazônia – Amazocon”, que possui um plano de ação e diversas atividades sob responsabilidade dos membros no NCO da Embrapa Acre. 

A participação em eventos nacionais será outra oportunidade para os jovens extrativistas trocarem experiências com outros extrativistas e com diferentes elos da cadeia produtiva da qual fazem parte. Há ainda a previsão de produção, em conjunto com os jovens, de dois vídeos que mostrem o caminho que a castanha-do-brasil e o açaí percorrem até chegar à mesa do consumidor. 

“Teremos grandes desafios essa ano, mas graças às parcerias com profissionais de outras instituições e com os extrativistas esperamos aprimorar ainda mais a qualidade do açaí e da castanha, obter o acesso a novos mercados e, principalmente, melhorar a qualidade de vida dos moradores da Reserva Extrativista Chico Mendes”, conclui Dorila. 

Para saber mais sobre o território, clique aqui.

Priscila Viudes (Mtb 030/Ms)
Embrapa Acre

Contatos para a imprensa

Telefone: (68)3212-3250

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

castanhaextrativismoprojeto bem diverso