25/04/19 |   Agricultura familiar  Agroecologia e produção orgânica

Manejo da Caatinga é tema de intercâmbio de conhecimentos em Sobral

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Adilson Nóbrega

Adilson Nóbrega - As técnicas de manejo da Caatinga foram praticadas na propriedade da agricultura Regina Sousa, em Sobral (CE)

As técnicas de manejo da Caatinga foram praticadas na propriedade da agricultura Regina Sousa, em Sobral (CE)

Agricultores, estudantes e técnicos tiveram oportunidade de trocar conhecimentos sobre práticas de manejo sustentável da Caatinga na Oficina de Manejo de Subsistemas Agroflorestais que a Embrapa Caprinos e Ovinos promoveu nos dias 22 a 24 de abril, na comunidade Sítio Areias, em Sobral (CE). Na capacitação, promovida pelo projeto Bem Diverso, os participantes tiveram noções sobre técnicas de manejo da vegetação e de armazenamento de alimentos para rebanhos, além de praticar poda de árvores, roço e outras formas de manejo em um mutirão na comunidade.
 
Na manhã da quarta-feira (24), os participantes viram noções sobre reserva de alimentos, apresentadas pelo zootecnista Patrício Leandro. Em seguida, a atividade prática foi conduzida na propriedade de Regina Sousa, agricultora familiar do Sítio Areias, que mantém, há seis anos, um sistema de produção agroflorestal (SAF). Lá, a agricultora mantém quintal produtivo (com diferentes frutas, verduras e legumes), reserva área para plantio de milho e feijão, além de criar caprinos e galinhas. No mutirão, os estudantes e técnicos puderam conhecer esta experiência e colaborar com práticas de manejo no terreno da propriedade.

“Fico muito satisfeita com essas pessoas conhecendo meu trabalho, minha luta. E fico feliz em ajudar na formação delas”, destacou Regina, cuja experiência de agroecossistema se iniciou há 5 anos com o projeto Sustentare, da Embrapa, e tem continuidade. A comunidade Sítio Areias, onde outros agricultores também adotam práticas agroecológicas, se tornou uma das unidades de referência do projeto Bem Diverso no território de Sobral.

A experiência da agricultora trouxe reflexões para alguns dos estudantes e técnicos participantes. “É interessante essa técnica de podar árvores, como forma de abrir espaço para entrada de luz solar”, afirmou Vladimir Oliveira, estudante de Zootecnia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). “É uma vantagem a troca de experiências, pois alguns dos estudantes talvez estejam vendo práticas como raleamento pela primeira vez”, avaliou a zootecnista Myrianlene Castro, técnica do projeto Bem Diverso.
 
Para Éden Fernandes, analista de Transferência de Tecnologia da Embrapa Caprinos e Ovinos, estas capacitações com este formato de intercâmbio são importantes não somente para formação de multiplicadores que conheçam manejo da Caatinga, mas também para conhecer as rotinas de sistemas agroflorestais. Este conhecimento, segundo ele, ajuda nas tomadas de decisões sobre os recursos naturais nos sistemas de produção.

“Pode-se decidir o destino de nutrientes: o produto de uma poda pode servir como adubo natural; o do roço pode servir como adubo, ou ser fornecido de alimento para os animais. Também pode ser feito o controle de espécies vegetais que ficam sombreando outras, pois há diferentes níveis de sombreamento recomendáveis para culturas agrícolas ou pastoris”, exemplificou Éden. Em 2019, outras oficinas com proposta semelhante acontecerão em outras comunidades rurais nos municípios cearenses de Sobral, Mucambo, Meruoca e Massapê, no âmbito de atuação do projeto Bem Diverso.

Bem Diverso

O projeto Bem Diverso tem como objetivo contribuir para a conservação da biodiversidade brasileira, de modo a assegurar os modos de vida das comunidades tradicionais e agricultores familiares, com foco na melhoria de renda e qualidade de vida. O projeto é realizado em parceria entre Embrapa e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com recursos do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF). A execução é feita em parceria com organizações do governo e da sociedade civil.

Sistemas Agroflorestais

O Sistema Agroflorestal (SAF) para pequenas propriedades rurais no semiárido é uma solução tecnológica desenvolvida pela Embrapa para implantação em agroecossistemas familiares, que se caracterizam por dimensões inferiores a três hectares. Entre seus principais benefícios estão o estímulo a práticas agrícolas sustentáveis e a integração entre homem, natureza e sociedade.

Adilson Nóbrega (MTB/CE 01269 JP)
Embrapa Caprinos e Ovinos

Contatos para a imprensa

Telefone: (88) 3112.7413

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

semiáridocaatingasafbem diversoagricultura familiar