29/04/19 |   Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação  Transferência de Tecnologia

Projeto IGGTS é apresentado para jovens do Mato Grosso

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Alexandre Rita

Alexandre Rita - Equipe da Embrapa com jovens alunos de escola de nível médio

Equipe da Embrapa com jovens alunos de escola de nível médio

Filhos de agricultores e extensionistas foram o público-alvo das atividades do projeto Inclusão GeoDigital e Gestão Territorial de Unidades de Produção de Base Familiar (IGGTS), realizadas entre os dias 8 e 12 de abril, em Juína, município localizado ao Norte do Estado do Mato Grosso. Durante os encontros, foram discutidos os indicadores de sustentabilidade, de acordo com a realidade local, e aplicados questionários para levantar a familiaridade dos jovens com os recursos tecnológicos. O projeto prevê a definição e a disponibilização de indicadores de sustentabilidade em um aplicativo para auxiliar a gestão das propriedades rurais locais.

Os indicadores da região foram propostos na oficina realizada no dia 9, na sede do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT). Extensionistas, professores e alguns alunos do curso Técnico em Agropecuária do IFMT colaboraram com as proposições. As sugestões foram alinhadas a indicadores: econômico, ambiental, social e de governança.

O pesquisador João Alfredo Mangabeira, líder do projeto, observa que as regiões de Bioma Amazônia do Estado do Mato Grosso refletem mais indicadores econômicos voltados à sustentabilidade de sistemas de produção. Segundo ele, essa característica é semelhante nos estados do Pará e Rondônia. Por sua vez, ele complementa, no Amapá, Maranhão, Acre e Amazonas, os indicadores estão voltados à sustentabilidade de sistemas de produção agroextrativistas.

Os indicadores de sustentabilidade propostos nas 8 oficinas da primeira etapa do projeto IGGTS serão discutidos por uma equipe técnica posteriormente. A ideia é definir parâmetros mensuráveis de sustentabilidade para cada indicador.

Recursos tecnológicos

Além da oficina, a equipe da Embrapa também promoveu encontros com alunos de nível médio de escola rural e estadual. Aos jovens, foi apresentado o projeto e aplicados questionários para conhecer o nível de familiaridade com os recursos tecnológicos. Mangabeira ressalta que esses jovens serão os usuários do aplicativo que será desenvolvido.

Integrante da equipe, o pesquisador Fernando Attique, da Embrapa Informática Agropecuária, ressalta a contribuição dos jovens nesta etapa. “Além de colaborarem na construção dos indicadores do projeto, eles demonstram que conhecem bem a realidade em que vivem”, disse.

Aplicativo

O projeto recebe recursos do Fundo Amazônia e prevê a criação de um aplicativo com fins de auxiliar a gestão das propriedades rurais locais em observância dos indicadores de sustentabilidade local definidos conjuntamente. O público-alvo do software são os jovens, filhos de proprietários rurais. A ideia é que a ferramenta apoie a gestão das propriedades.

Sandro de Caires, professor do IFMT, conheceu o intuito do projeto. Ele possui uma propriedade rural onde trabalha com os filhos na produção agroecológica de coco. Para ele, o trabalho vai auxiliar a desenvolver a sustentabilidade do campo e a gestão das propriedades agrícolas, as quais - ele ressalta - hoje em dia, são vistas como empresa.

A equipe da Embrapa também foi formada pelos analistas Alexandre Rita da Conceição (TT), Bruno Scarazatti (GMTE) e Diego Barbosa Antonio, da Embrapa Agrossilvipastoril. O grupo recebeu apoio de Luiz Maekawa, do IFMT.

Alan Rodrigues (MTb JP/CE 2625)
Embrapa Territorial

Contatos para a imprensa

Telefone: 19 3211-6200

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

sustentabilidadefundo-amazoniafundo-amazonia