22/01/20 |   Agricultura familiar

Novas variedades de mandioca favorecem produção de farinha em Altamira (PA)

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Ronaldo Rosa

Ronaldo Rosa -

A cadeia produtiva da mandioca no Pará recebe mais um reforço da pesquisa agropecuária realizada na Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA), que acaba de divulgar duas novas variedades da planta recomendadas para produção de farinha no município de Altamira, na região do Xingu, no estado do Pará.

A síntese das informações técnicas sobre as variedades está na publicação “Recomendação de variedades de mandioca para a produção de farinha na microrregião de Altamira: Chico Vara e Jurará”, disponível gratuitamente on-line aqui, no portal da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

É um folder bem ilustrado, que simplifica aos leitores as características das variedades, selecionadas pelas características de produtividade, percentual de fécula e estabilidade de produção.

A mais produtiva das duas é a Jurará (originária da Região Metropolitana de Belém), que ao final dos quatro anos de avaliação na região de Altamira apresentou rendimento médio de 35,86 toneladas por hectare e 33,75% de teor de fécula. Já a variedade Chico Vara (proveniente de exemplar coletado em Nova Timboteua, PA), produz em média 33 toneladas por hectare ao ano e tem 32,15% de teor de fécula.

“Essas produtividades médias estão acima das 20 toneladas por hectare registradas para a microrregião de Altamira em 2015. Ambas as variedades apresentaram alta estabilidade e adaptabilidade nos ambientes estudados, características importantes para a recomendação de material genético superior para plantio comercial”, destaca Elisa Ferreira Moura Cunha, coautora da publicação juntamente com João Tomé de Farias Neto e Pedro Celestino Filho, todos pesquisadores da Embrapa Amazônia Oriental.

Os pesquisadores informam que o diferencial da variedade Jurará é o porte ereto, além da coloração creme e alta produtividade que mantém em comum com a Chico Vara (duas características que tornam ambas remendáveis para produção de farinha). “Mas o porte ereto a qualifica para plantio mecanizado e em maior adensamento, ou seja, menor espaçamento entre plantas no plantio”, explica Elisa Cunha.

Melhoramento genético

Os pesquisadores do Programa de Melhoramento Genético da Mandioca da Embrapa direcionado ao Pará mantêm um Banco de Ativo de Germoplasma (BAG) na sede da instituição em Belém. Os cerca de 470 acessos de mandioca do conjunto são avaliados e caracterizados para diferentes usos, entre os quais a farinha, alvo das duas recomendações para Altamira.

O BAG da Embrapa em Belém reúne variedades tradicionais da espécie (Manihot esculenta Crantz) coletadas em áreas de agricultores do Pará e de outros estados do Brasil. As indicadas como mais produtivas e específicas para determinados produtos derivados da mandioca são testadas em ensaios de competição em diferentes locais (Altamira, Santa Luzia do Pará e Santarém). 

 

Izabel Drula Brandão (MTb 1084/PR)
Embrapa Amazônia Oriental

Contatos para a imprensa

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Galeria de imagens

Encontre mais notícias sobre:

mandiocafarinhapublicacao