18/05/21 |   Mudanças climáticas  Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação  Produção animal  Agricultura de Baixo Carbono

Protocolo inédito Carne Baixo Carbono permite aumentar lotação no pasto com sustentabilidade

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Dalizia Aguiar

Dalizia Aguiar - A marca-conceito CBC valoriza sistemas pecuários que não possuem o componente florestal, mas que têm potencial de mitigar emissões de gases de efeito estufa (GEEs)

A marca-conceito CBC valoriza sistemas pecuários que não possuem o componente florestal, mas que têm potencial de mitigar emissões de gases de efeito estufa (GEEs)

  • Inédito, o protocolo Carne Baixo Carbono (CBC) possibilitou 4,34 unidades animal (UA) por hectare contra 1,93 UA/ha no manejo convencional.

  • Mesmo com mais animais, área do CBC apresentou ganho de peso ligeiramente superior: 154 kg obtidos por cabeça em um ano, contra 149 kg na área com manejo convencional.

  • Densidade maior também permitiu maior produtividade por área: crescimento de 163% em peso de carcaça produzido por hectare.

  • Desempenho é atribuído às boas práticas agropecuárias como a fertilização dos pastos, suplementação estratégica, manutenção da altura de manejo adequada e cobertura do solo da pastagem sempre acima de 80% da área.

  • Protocolo apresenta importante efeito poupa-terra: ao produzir mais em uma mesma área, reduz a necessidade de novos pastos

Com o manejo adequado do sistema de produção pecuário é possível ter 125% a mais de animais por hectare e um peso de carcaça/ha 163% superior em relação ao manejo convencional, tudo isso garantindo a qualidade do produto final, a fixação de carbono no solo e o controle das emissões de metano. Os dados integram o primeiro protocolo para produção de carne com baixa emissão de carbono no Brasil, a Carne Baixo Carbono (CBC) ou Low Carbon Brazilian Beef (LCBB). A Embrapa, responsável pelo estudo, obteve os dados em uma Unidade de Referência Tecnológica (URT) de pecde corte, localizada no Cerrado baiano, com avaliações de estoque de carbono no solo, ganho de peso dos bovinos, qualidade da carne e emissão de metano. 

Conforme a pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul (RS) Márcia Silveira, que coordena o trabalho de validação do protocolo, a marca-conceito CBC busca valorizar sistemas pecuários que não possuem o componente florestal, mas que apresentam potencial de mitigação das emissões de gases de efeito estufa (GEEs) por meio do adequado manejo da pastagem e adoção de boas práticas agropecuárias. A Embrapa e a Marfrig Global Foods possuem uma aliança estratégica para fortalecer a agregação de valor à carne bovina brasileira, que envolve as marcas-conceito Carne Baixo Carbono (CBC) e Carne Carbono Neutro (CCN).

“O estudo buscou avaliar a produção de bovinos de corte em sistemas com pastagens bem manejadas no intuito de validar as diretrizes em ambiente comercial. Os resultados iniciais demonstram que, pela implementação das diretrizes CBC, é possível garantir produtividade e qualidade da carne, de forma a aumentar a lucratividade do produtor, sem abrir mão da manutenção ou aumento do estoque de carbono do solo e da mitigação da emissão de GEEs, além do efeito poupa-terra, relacionado aos ganhos de produtividade do sistema, que possibilitam o aumento da produção de carne com menor pressão sobre a vegetação nativa. É mais um passo na busca pela eficiência produtiva que leva em conta a qualidade do produto e do seu ambiente de produção”, destaca a cientista.

As diretrizes técnicas para produção da Carne Baixo Carbono, avaliadas na pesquisa, envolvem o cumprimento de práticas adequadas de manejo da pastagem, como monitoramento de altura, ajuste de carga animal, adubação adequada à demanda das plantas forrageiras e ao nível de intensificação do sistema, assim como a adoção de Boas Práticas Agropecuárias (BPA). 

Plataforma reúne tecnologias para redução de emissões

O protocolo integra a Plataforma Pecuária de Baixa Emissão de Carbono (PBC), uma iniciativa da Embrapa para contribuir com as estratégias do Plano Agricultura de Baixo Carbono (ABC+) frente aos desafios dos cenários de mudanças climáticas. As pesquisas fazem parte do Projeto Trijunção, iniciado em dezembro de 2017, e que é coordenado pela pesquisadora Flávia Santos, da Embrapa Milho e Sorgo (MG).

A Plataforma PBC, projeto em rede liderado pelo pesquisador Roberto Giolo, da Embrapa Gado de Corte(MS), pretende desenvolver mecanismos de certificação para alguns produtos da pecuária de corte, produzidos em sistemas pecuários com foco em baixa emissão de carbono, a partir de marcas-conceito, como Bezerro Carbono Neutro (BCN), Carne Baixo Carbono (CBC), Carbono Nativo (CN) e Couro Carbono Neutro (Couro-CN), além de uma calculadora de carbono (calc-C). 

“Os ganhos são do produtor, da cadeia da carne como um todo e do Brasil, ao promover maior valorização do produto e melhor visibilidade do País no mercado global”, analisa Giolo, ao afirmar que a iniciativa contribui também para minimizar a pressão por abertura de novas áreas para a pecuária, pois apresenta efeito poupa-terra e, portanto, auxilia nos esforços para equacionar a questão do desmatamento no Brasil.

 

Emissões de metano

A intensidade de emissão não variou entre os manejos, apresentando valor médio de 6,3 kg de CO2-equivalente por quilo de carcaça. “O manejo CBC possibilitou um aumento de 125% no número de animais por hectare e de 163% em quilo de carcaça pela mesma área em relação ao manejo convencional, indicando um importante efeito poupa-terra, além do potencial de maior incorporação de carbono no solo para manutenção da condição produtiva da pastagem e de mitigação das emissões de gases de efeito estufa do sistema”, frisa o pesquisador Roberto Giolo.

A pesquisa

O estudo de caso teve início em maio de 2019 na Fazenda Santa Luzia, pertencente à Fazenda Trijunção, localizada em Jaborandi (BA). A propriedade é referência na produção de bovinos de corte mediante as Boas Práticas Agropecuárias (BPA), com dados estruturados e sequenciais de todo o sistema produtivo. A URT foi composta por dois talhões, bem como por uma área de vegetação nativa (Cerrado). O primeiro talhão, com a forrageira Brachiaria brizantha cv. Marandu, conta com 115 hectares divididos em quatro piquetes, representando o manejo convencional. O segundo talhão, de pastagem recuperada, com Brachiaria brizanthacv. BRS Piatã, conta com 85 hectares, também dividido em quatro piquetes e manejado segundo as diretrizes técnicas para produção de carne com baixa emissão de carbono em pastagens tropicais (CBC). As áreas foram usadas para recria e terminação de machos da raça Nelore. 

Os dados da caracterização inicial (marco zero) do solo para o manejo CBC mostraram um estoque de 20,59 t ha-1 (tonelada por hectare) de carbono na camada de 0-20 cm do solo. O valor é superior ao encontrado no Cerrado nativo (15,18 t ha-1) e em pastagem sob manejo convencional (18,16 t ha-1). “Como esses valores foram obtidos em uma caracterização inicial, avaliações com intervalos de dois anos serão feitas para acompanhar a evolução desse carbono no solo das áreas avaliadas, entretanto, já é possível perceber que o estoque de carbono do solo para manejo CBC está acima dos demais”, explicam os pesquisadores responsáveis pela área, Flávia Santos e Manoel Ricardo Filho, da Embrapa Milho e Sorgo. 

Com a manutenção da altura do pasto recomendada para a forrageira cultivada, o talhão com manejo CBC possibilitou cargas médias de 4,34 unidade animal (UA) por hectare contra 1,93 UA/ha no talhão sob manejo convencional, assim como possibilitou cobertura do solo sempre acima de 80%. Essa cobertura do solo sempre alta no talhão CBC visa contribuir com palhada para a matéria orgânica do solo e retenção de carbono no sistema. Ao longo do primeiro ano de avaliação, os animais dos talhões CBC e sob manejo convencional ganharam em média 154 kg e 149 kg a pasto, respectivamente. “Assim, além do maior número de UA por hectare, os animais do talhão CBC entraram mais pesados no confinamento e chegaram ao peso de abate com pelo menos 20 dias a menos de confinamento em relação aos animais do talhão sob manejo convencional”, ressalta Márcia. 

“Com a fertilização dos pastos, suplementação estratégica e manejo correto, foi possível garantir alta produção de peso corporal por unidade de área no talhão CBC, sendo que os valores de produtividade registrados estão acima da média da produtividade brasileira. Já no talhão sob manejo convencional, apesar de o ganho médio diário não ter sido muito diferente do talhão CBC, observou-se um ganho por área aquém do potencial”, destaca a pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul. 

Qualidade da carne

Na avaliação de carcaça e qualidade de carne dos animais do talhão CBC, foram registrados pesos médios de abate e de carcaça de 573 kg e 306 kg, respectivamente, proporcionando um rendimento médio de carcaça da ordem de 53,4%, sendo que 100% das carcaças apresentaram acabamento tipo 3 (gordura mediana) e maturidade de dois dentes. Para a análise da qualidade da carne, foi observado que o escore médio de marmorização foi de 7,7, ou seja, a marmorização média foi do tipo pequena. A força de cisalhamento (corte) média foi de 6,3 kg, variando entre 4,87 e 8,17 kg. “Enquanto nenhum animal apresentou carne considerada dura (> 9 kg), praticamente dois a cada três animais apresentaram carne com menos de 7 kg, o que poderia ser considerada como carne aceitavelmente macia se avaliada por um painel de degustadores treinados. Assim, a qualidade da carne, a marmorização e a força de cisalhamento observadas são compatíveis com os sistemas de produção existentes no Brasil e atendem ao que o mercado exige”, destaca o pesquisador da Embrapa Gado de Corte responsável pelos dados, Gelson Feijó.

 

 

Felipe Rosa (MTb 14406/RS)
Embrapa Pecuária Sul

Contatos para a imprensa

Telefone: (53) 99933-8526

Dalízia Aguiar (MTb 28/03/14/MS)
Embrapa Gado de Corte

Contatos para a imprensa

Telefone: (67) 99942-3787

José Heitor Vasconcellos (MTb 12914/RJ)
Embrapa Milho e Sorgo

Contatos para a imprensa

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Galeria de imagens