Bioprospecção de agentes de controle biológico e produtos naturais para o manejo da brusone do trigo

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

A cultura de trigo ( Triticum aestivum L.) é a segunda maior do mundo e o Brasil ocupa o 2º. lugar de produção na América do Sul. Entretanto, a produtividade desta cultura pode ser limitada devido à ocorrência de várias doenças e, dentre todas, a brusone, causada pelo fungo Magnaporthe grisea, tem ocasionado elevadas perdas de produtividade que podem chegar a 72% dependendo da época de infecção. Com a expansão da cultura do trigo para outras regiões do Brasil, como a região Centro-Oeste, o fungo tem se estabelecido e causado maiores danos devido, sobretudo, às condições abióticas (ar, água, sol, solo) favoráveis ao desenvolvimento da doença como altas temperaturas e umidade relativa. Ademais, as medidas de controle da doença são ineficazes e não há variedades com níveis eficazes de resistência genética. Diante desse cenário e, considerando-se a natureza policíclica e explosiva da doença e a incompleta proteção química fornecida pelos fungicidas, é que se propõe o manejo integrado, incluindo o controle biológico e o uso de produtos naturais como medidas preventivas.

Os micro-organismos estabelecem diversas relações simbióticas com as plantas e, devido a esta característica, vários agentes de controle biológico em potencial já foram identificados na tentativa de controlar fitopatógenos de interesse. Entretanto, pouco se sabe sobre o potencial antagonista que as populações de micro-organismos em associação com o trigo podem apresentar diante de M. grisea e há poucos estudos sobre o potencial de extratos e óleos essenciais de plantas no controle do fungo. Além disso, torna-se necessário o desenvolvimento de métodos de manejo eficientes para a brusone em campo, utilizando diferentes abordagens. Uma delas, é proceder ao estudo e levantamento inicial do microbioma do trigo envolvendo o sequenciamento de segunda geração, via plataforma Ion Torrent, de solos rizosféricos de trigo plantado no estado de São Paulo e no Distrito Federal, visando identificar grupos microbianos envolvidos no possível controle de M. grisea.

Com isso, será possível, pela primeira vez, ter um levantamento do microbioma de trigo. A partir desses dados e, simultaneamente, bactérias cultiváveis serão isoladas do filoplano, da rizosfera e de tecidos internos de plantas de trigo e avaliadas quanto ao potencial de parasitar e reduzir a incidência do patógeno em plântulas e em sementes de trigo. Além do parasitismo de bactérias contra M. grisea, o projeto visa identificar novos metabólitos secundários a partir de bactérias e actinobactérias e avaliar seus efeitos sob condições controladas em casa de vegetação. O objetivo geral do projeto é empregar o controle biológico e o controle químico natural no manejo da brusone do trigo.

Ecossistema: Extremo Sul, Região dos Cerrados

Região: Sudeste, Sul, Centro-Oeste

Situação: concluído Data de Início: 11/2014 Data de Finalização: 10/2018

Unidade Lider: Embrapa Meio Ambiente

Lider do Projeto: Itamar Soares de Melo

Contato: itamar.melo@embrapa.br