Rede para ampliação da produção e consumo de alimentos biofortificados como estratégia de Segurança Alimentar e Nutricional

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

A estratégia atual para combater a desnutrição nos países em desenvolvimento tem como enfoque o fornecimento de suplementos vitamínicos e minerais para mulheres grávidas e crianças, além da fortificação de alimentos, obtida com a adição de micronutrientes aos alimentos. A biofortificação é o processo de obtenção de cultivares mais nutritivas, por meio do cruzamento de plantas da mesma espécie, também conhecido como melhoramento genético convencional. A biofortificação faz sentido como parte de um enfoque que considere um sistema alimentar integrado para reduzir a desnutrição, sendo uma estratégia complementar. A essência do programa de biofortificação é enriquecer alimentos que já fazem parte da dieta da população para que esta possa ter acesso a produtos mais nutritivos e que não exijam mudanças de seus hábitos de consumo. No campo, as cultivares são selecionadas e as mais promissoras seguem para a etapa de melhoramento. Nessa etapa, o objetivo é a obtenção de cultivares mais nutritivas, que também apresentem boas qualidades agronômicas (produtividade, resistência à seca, pragas e doenças), além de boa aceitação de mercado. No Brasil, pesquisadores de 11 Unidades da Embrapa apoiam os trabalhos da Rede Biofort, que é responsável pela biofortificação com foco em alimentos básicos da dieta da população como arroz, feijão, feijão caupi, mandioca, batata-doce, milho, abóbora e trigo. Todo este esforço necessita de uma articulação capaz de promover a adoção destes conhecimentos pelos agricultores, de forma a ampliar a produção e a oferta dos alimentos biofortificados, como também sua inclusão nos hábitos alimentares das populações onde se encontram as maiores carências nutricionais. Para atingir os resultados esperados, o Biofort congrega mais de 150 pessoas em diferentes áreas do conhecimento e em 11 estados brasileiros. A rede interage com universidades, centros de pesquisa nacionais e internacionais, associações de produtores, governo, prefeituras e organizações não-governamentais. Com o intuito de ampliar a produção e a oferta dos alimentos biofortificados, bem como sua inclusão nos hábitos alimentares do público alvo, este projeto busca conjugar esforços por meio de uma rede de transferência de tecnologias, com atuação nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Sergipe, Piauí, Maranhão e Pará, capaz de promover a inovação, a segurança alimentar e nutricional, pela inserção produtiva de agricultores familiares, comunidades e povos tradicionais e assentados da reforma agrária.

Ecossistema: Extremo Sul, Meio Norte, Região Caatinga e Florestas deciduais

Região: Centro-Oeste

Situação: concluído Data de Início: 01/2018 Data de Finalização: 12/2020

Unidade Lider: Embrapa Clima Temperado

Líder do Projeto: Apes Roberto Falcão Perera

Contato: apes.perera@embrapa.br