Associação da temperatura vaginal com estabelecimento de prenhez em receptoras Girolando sob estresse térmico.

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

imagem

Autoria: MARQUES, S. C. S.; OLIVEIRA, C. S.; FREITAS, C. de; Feuchard, V. L.; CAMARGO, L. S. de A.; CARVALHO, B. C. de

Resumo: Resumo: O estresse térmico está diretamente relacionado à diminuição dos índices produtivos e reprodutivos dos rebanhos leiteiros. Porém, pouco sabemos sobre os limites de temperatura e como esta afeta o estabelecimento da gestação. Delineamos um estudo para entender como ocorre a regulação térmica no início da gestação e se a mesma afeta o diagnóstico inicial de prenhez. No dia 7, receptoras sincronizadas com análogo de prostaglandina que tivessem apresentado cio 8 dias atrás receberam embrião blastocisto grau 1 e foi inserido no momento da transferência um termômetro datalloger programado para mensurar a temperatura vaginal a cada 10 minutos. O termômetro permaneceu por 3 a 4 dias de verão intenso nos animais. Os dados de temperatura ambiente e umidade foram coletados em estação meteorológica do CESM para cálculo do ITU. Os dados foram analisados de acordo com a curva de resfriamento dos animais (17 h ? 4h), através das médias de cada hora para cada animal. Foi realizada transformação de Johnson e Anova (GLM). Também foi analisado as temperaturas médias da hora mais quente do dia da transferência por Anova (GLM). Os fatores: diagnóstico de prenhez, pelagem, peso e idade foram considerados, no nível de 5% de significância. O estresse térmico moderado, caracterizado pelo ITU maior que 79, esteve presente entre 13h e 20h. O pico de temperatura vaginal nas receptoras esteve presente entre 16h e 17h. A pelagem escura determinou maiores temperaturas vaginais durante o resfriamento (17 h-4h). O diagnóstico de gestação, peso e idade não afetaram as temperaturas vaginais nesta análise. Na análise de pico de temperatura no dia da TE (16 h), houve interferência da temperatura vaginal no estabelecimento de prenhez, sendo as temperaturas dos animais que se tornariam gestantes maiores. Também foram observadas maiores temperaturas vaginais em animais mais novos. Os fatores peso e pelagem não afetaram as temperaturas vaginais nesta análise. Conclui-se que as temperaturas vaginais podem ser influenciadas pela pelagem e idade dos animais, e podem estar associadas com o futuro estabelecimento de gestação.

Ano de publicação: 2019

Tipo de publicação: Anais e Proceedings de eventos

Observações

1 - Por padrão são exibidas publicações dos últimos 20 anos. Para encontrar publicações mais antigas, configure o filtro ano de publicação, colocando o ano a partir do qual você deseja encontrar publicações. O filtro está na coluna da esquerda na busca acima. 

2 - Para ler algumas publicações da Embrapa (apenas as que estão em formato ePub), é necessário ter, no celular ou computador, um desses softwares gratuitos. Sistemas Android: Google Play Livros; IOS: iBooks; Windows e Linux: software Calibre.

 


Acesse outras publicações

Acesse a Base de Dados da Pesquisa Agropecuária (BDPA) para consultar o acervo completo das bibliotecas da Embrapa.