Manejo Integrado de Pragas da Soja (MIP-Soja)

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

imagem

Foto: RUFINO, RR

A cultura da soja está sujeita ao ataque de insetos desde a germinação até à colheita. As principais pragas da soja são as lagartas e os percevejos, que causam danos econômicos mais graves quando não manejados corretamente. Nos últimos anos, o número de aplicações de inseticidas para controle desses insetos aumentou drasticamente sem critérios técnicos levando ao uso abusivo de agrotóxicos, com a utilização média de 4 à 6 aplicações por safra dependo da localidade e ano. Essa prática é insustentável, tanto no aspecto econômico quanto no ambiental. O uso errôneo de agrotóxicos desequilibra o ambiente, consequentemente estimulando o aumento de pragas secundárias (ácaro e mosca-branca, por exemplo) e também favorece ressurgência das pragas e a seleção de pragas resistentes aos inseticidas utilizados.

Por isso, os pesquisadores da Embrapa e seus parceiros defendem a adoção das estratégias do Manejo Integrado de Pragas (MIP). O Manejo Integrado de Pragas é um conjunto de tecnologias baseado na amostragem de pragas e no monitoramento da lavoura para a tomada de decisão com relação ao controle desses insetos e ácaros. É uma ferramenta para favorecer o uso correto dos inseticidas e acaricidas levando a um uso mais preciso dessa ferramenta com consequente redução nos custos de produção. A tecnologia foi bastante utilizada até a década de 1980, mas caiu em desuso e precisa ser retomada.

Além disso, é importante a criação de políticas públicas que incentivem o seu uso e beneficiem seus usuários. Com a redução no uso de agrotóxicos, os produtores podem ter custos menores de produção e o meio ambiente menos contaminado.

Quem ganha com isso

Produtores de soja, cooperativas, mercados interno e externo e principalmente os consumidores que terão um produto final de maior qualidade e segurança alimentar.

Abrangência geográfica

Em todo o País pontualmente em áreas de produtores modelos. Mais significativamente no estado do Paraná devido ao programa “plante seu futuro” onde os técnicos da Emater introduzem e ensinam os produtores sobre a tecnologia.

Benefícios econômicos e ambientais

A Embrapa e o Instituto Emater (PR), desde a safra 2012/2013, vêm estimulando a adoção do MIP Soja entre os produtores rurais do Paraná. Na safra 2014/2015, foram instaladas Unidades de Referência (URs) em propriedades de 160 produtores do Paraná para avaliar o impacto da utilização no Manejo Integrado de Pragas na cultura da soja. O número médio de aplicações de inseticidas nas Unidades de Referência que utilizaram o MIP, na safra 2014/2015 foi de 2,1 aplicações, enquanto a média estadual foi de 4,7 entre os produtores que não utilizam a tecnologia. É um número bastante expressivo, pois mostra uma redução na aplicação de inseticidas superior a 55% nas áreas que adotam o MIP. Outro indicador de sucesso da tecnologia foi o aumento do tempo necessário até a primeira intervenção com inseticidas para o controle de pragas. Enquanto a média para a primeira aplicação de inseticidas nas Unidades de Referência foi de 66 dias, nas áreas comerciais a média foi de 35 dias. A produtividade alcançada com a tecnologia é a mesma, mas com um menor gasto de inseticidas e consequentemente com um menor impacto ambiental da atividade agrícola.

Parceiros

Emater-PR e cooperativas agrícolas.

Esta solução tecnológica foi desenvolvida pela Embrapa em parceria com outras instituições.

Prática agropecuária: Prática agropecuária Ano de Lançamento: 1975

Onde Encontrar:
Mais informações:
Embrapa Soja
Rodovia Carlos João Strass, s/nº Acesso Orlando Amaral, Distrito de Warta, Caixa Postal: 231 CEP: 86001-970, Londrina - PR
Telefone: (43) 3371-6000 - Fax: (43) 3371-6100
Site: http://www.embrapa.br/soja
http://www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Galeria de imagens