Taxi-Branco: uma leguminosa arbórea para recuperar áreas degradadas e abandonadas pela agricultura migratória na Amazônia

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

imagem

Foto: SOUZA, Síglia Regina dos Santos

A agricultura no estado do Amapá caracteriza-se pela derrubada e queima da floresta, com o plantio de culturas de subsistência, principalmente a mandioca, por dois ou três anos consecutivos, e posterior abandono da área. Essa agricultura migratória não tem contribuído para a melhoria do nível de vida do agricultor, além de causar sérios danos ao meio ambiente. O período de pousio utilizado tem sido insuficiente para total reabilitação da fertilidade do solo, levando à redução da produtividade dos cultivos e da vegetação secundária, perdas de biodiversidade, degradação ambiental e intensificação do êxodo rural. O taxi-branco é uma leguminosa arbórea nativa da Amazônia brasileira, ocorrendo em diferentes tipos de solos, com rápido crescimento, elevada produção de folhas e ramos. A experiência desenvolvida no Amapá demonstra a grande capacidade da espécie em recuperar solos antropizados (alterados pelo homem). O aporte de nitrogênio ao solo com taxi-branco pode chegar até 2,9 vezes a uma área com regeneração da capoeira tradicional, representando uma produção de matéria orgânica de até 9,5 t/ha/ano. Outra vantagem é a produção de carvão, que após oito anos de plantio, pode chegar até 140 m3/ha.

Prática agropecuária: Outras práticas agropecuárias Ano de Lançamento: 1999

Bioma: Amazônia, Cerrado

Unidade Responsável: Embrapa Amapa

Unidades Participantes: Embrapa Amapa

Onde Encontrar:
Embrapa Amapá
Rodovia Juscelino Kubitschek, Km 5, 2600 - Universidade, Macapá - AP, 68903-419
Telefone: (96) 3203-0201
SAC: https://www.embrapa.br/fale-conosco/sac
http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/344125

Galeria de imagens