Plano Diretor da Unidade

 

Coordenadora de um arranjo institucional pioneiro e inovador no ambiente científico do país, bem como no âmbito da própria Embrapa, após dez anos de existência, a Embrapa Café encontra-se agora mais madura, tendo ampliadas as suas funções regimentais e operacionais, indo além da função inicial de coordenação, realizando também um importante conjunto de trabalhos de pesquisa em linhas estratégicas e de transferência de tecnologia, sempre em parceria com outras instituições de pesquisa, desenvolvimento e extensão rural do café.

Assim, considerando a dimensão e a complexidade de suas atribuições, e frente aos novos e constantes desafios postos às instituições de pesquisa, os quais trazem forte necessidade de sustentação e fortalecimento do esforço em ciência, tecnologia, inovação e gestão, a Embrapa Café apresenta à sociedade o seu Primeiro Plano Diretor da Unidade (PDU). O objetivo deste documento é delinear, para os próximos anos, o planejamento estratégico para as atividades a serem desenvolvidas, considerando os cenários relevantes, com suas potencialidades e ameaças e as suas características internas, seus pontos fortes e fracos mais evidentes.

O Plano Diretor da Embrapa Café constitui-se um marco para a Unidade. Ele representa o aperfeiçoamento das propostas de trabalho apresentadas pelos agentes-chave do agronegócio ao setor científico, com foco nas tendências para a cafeicultura, alinhado ao direcionamento estabelecido no V Plano Diretor da Embrapa.

O planejamento estratégico é um instrumento de gestão que permite, de forma transparente, a maximização do valor do trabalho, a redução dos riscos e o aperfeiçoamento da Unidade como coordenadora e executora do programa de pesquisa do Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento do Café (CBP&D/Café), a fim de contribuir sistematicamente com a Embrapa no cumprimento de sua missão, por meio da integração com as demais Unidades da Empresa.

Os gestores da Embrapa Café entendem que não estão esgotadas as discussões sobre as formas de enfrentar os desafios atuais e futuros na busca de realizar sua missão. Essa é uma tarefa que deve ser realizada dentro de um processo contínuo, participativo e integrado, com o envolvimento dos gestores da Empresa, do corpo técnico da Unidade, das instituições que compõem o CBP&D/Café, bem como dos representantes dos diversos segmentos do agronegócio. Os desafios são permanentes e mutáveis. É necessário, em cada momento, estar atento a eles a fim de buscar novas saídas e soluções.