Como transformar resíduos em oportunidades? 

O Nordeste brasileiro detém, aproximadamente, 17 milhões de cabeças de caprinos e ovinos. Sabe-se que os resíduos gerados na sua criação e nos abatedouros são estimados em média 147 mil toneladas/ano. Este tipo de resíduo orgânico pode ser transformado em adubo e ser utilizado na agricultura. 

 

Quais são os resíduos?

Da criação de pequenos ruminantes tem-se as carcaças de animais mortos, restos do parto (placenta, líquidos), natimortos, estrume e urina. O resíduo vegetal é a palha do feijão, arroz, milho, carnaúba, girassol, soja, milheto, bagaço de cana, silagem mofada, sobras de capim triturado ou mesmo a cama de aviários que contém maravalha grossa. Em abatedouros, têm-se as carcaças e vísceras condenadas, o sangue, os retalhos e a água de lavagem das instalações. As carcaças e os restos de abate muitas vezes são lançados no meio ambiente e causam mau cheiro e intensa produção de moscas, além de contaminar o ar, as águas e o solo e disseminar doenças ao ser humano no meio rural.

 

 

   

 

 

 

 

O que é compostagem de carcaças e restos de abatedouro?

A compostagem é o processo natural de fermentação que ocorre na presença de ar, umidade a alta temperatura, que proporciona a decomposição de carcaças, restos placentários e de abatedouro, estrume e sobra vegetal, pela ação de fungos e bactérias.

 

Em que local pode ser realizada a compostagem?

O local onde se realiza a compostagem é chamado de composteira, um galpão simples e rústico, com piso cimentado, protegido contra água de chuva e fechado na lateral com paredes de 1,6 metros de tijolo ou madeira. Seu dimensionamento deve atender a quantidade de resíduos gerados/dia e o tempo necessário para o tratamento durante a compostagem. Sua localização deve ter fácil acesso, longe do limite de propriedades e próxima ao aprisco ou abatedouro, para facilitar o transporte de carcaças e restos de abate para a composteira, diariamente, sempre ao final do dia de trabalho.

 

 

Como se monta uma pilha de compostagem com carcaças de caprinos e ovinos?

Primeiro, coloca-se no fundo da pilha 40 centímetros de cama formada pela mistura de sobra vegetal e esterco, depois se dispõe em leiras as carcaças ou resíduos de abate, distantes 20 cm das paredes, e acrescenta-se em cima das carcaças 30 a 40% do seu peso em água. Finaliza-se a pilha de compostagem cobrindo totalmente as carcaças ou restos de abate com 40 cm da mistura de sobra vegetal e esterco.

 

 

Utilize sempre um regador para colocar a água sobre a carcaça e uma tábua para o apoio dos pés, isso evita a compactação da pilha de composto:

 

Abaixo, imagens da cobertura completa das carcaças com uma camada generosa de 40 cm de capim seco e esterco. Para isso, utilize sempre um bastão marcado a tinta para ajustar a altura da cobertura de material vegetal. Nunca deixe partes de carcaças expostas, pois isso gera mau cheiro e atrai moscas.

 

 

 

A pilha é carregada de forma contínua sempre que morrer um animal na fazenda até completar sua carga máxima, com 1,5 m de altura. Para isso, separe e utilize carrinho de mão, enxada ou rastelo, pá de bico, regador e faca. Fique atento ao uso de equipamentos de proteção individual (EPI). 

 

 

Como saber se o manejo da compostagem de carcaças está correto? 

No decorrer da compostagem é preciso ter certeza de que a temperatura no interior da pilha está aumentando dia após dia. Geralmente nos três primeiros dias a temperatura no interior da pilha chega a 45 graus Celsius (°C). A partir de 10 dias pode alcançar entre 60 a 70 °C. Para facilitar a medição da temperatura, basta deixar inserido no meio da pilha de composto um cano de ferro ou cobre com uma parte livre superior à última camada de cobertura vegetal. No interior do cano, pode-se descer, amarrado num cordão, um termômetro comum com escala até 100 °C e verificar, diariamente, a temperatura. A decomposição das carcaças cessa quando a temperatura no interior da pilha retorna a condição ambiente.

Abaixo, imagem de cano de ferro ou cobre fixado desde a primeira camada da pilha de composto. No interior do cano, pode-se descer amarrado num cordão um termômetro comum com escala até 100 C° e verificar, diariamente, a temperatura.

 

 

Qual o tempo de decomposição das carcaças e restos de abatedouro?

Na presença de umidade e temperatura adequada, as carcaças de caprinos e ovinos adultos se decompõem completamente entre aproximadamente 120 e 150 dias. Para restos de parto, natimortos, vísceras, retalhos de carne e sangue, a decomposição ocorre em apenas 30 dias.

 

 

O que acontece durante a compostagem de carcaças e resíduos de abatedouro?

Ocorre a transformação controlada de resíduos vegetais, carcaças e restos de abate de caprinos e ovinos em adubo com alto valor agronômico. Cada tonelada do adubo orgânico produz entre 14 e 18 kg de nitrogênio (N), fósforo (P), potássio (K) e matéria orgânica que pode ser utilizada na agricultura.

Atenção: O composto oriundo de carcaças de animais mortos não deve ser utilizado nas seguintes condições: 
• Adubação de pastagem para pastejo animal direto.
• Adubação de hortaliças para consumo humano.

 

 

Quais são os impactos socioeconômicos e ambientais?

A estratégia de transformar os resíduos da criação e abate de caprinos e ovinos em composto orgânico permite o seu aproveitamento na agricultura. O adubo pode ser utilizado para a recuperação de solos em áreas degradadas, reflorestamento, jardinagem, produção de mudas, grãos e forrageiras diversas. Isso favorece a reciclagem dos nutrientes no solo e possibilita 
ainda uma fonte alternativa para geração de renda no meio rural. Tendo em vista seus atributos químicos (quilos de N, P, K/tonelada) estima-se que a tonelada do composto pode ser comercializada no mercado ao valor aproximado de R$ 200,00. 
Seu potencial de uso como fertilizante orgânico minimiza a aquisição de insumos e promove a autossuficiência e a sustentabilidade para a propriedade rural, como tecnologia acessível de inclusão social e produtiva ao agricultor familiar. 
O processo de compostagem bem manejado atende a produtores e abatedouros, realizando o tratamento dos resíduos na origem sem acúmulo de moscas e produção de odores, evitando a disseminação de doenças e atendendo à legislação ambiental.

 

 

 

Clique aqui para acessar a cartilha "Compostagem de resíduos da produção e abate de pequenos ruminantes".