Publicações

Desempenho de forrageiras em caatinga manipulada em região semiárida.

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Autoria: GUEDES, F. L.; SILVA, N. L. da; SOUZA, H. A. de; POMPEU, R. C. F. F.; FERNANDES, F. E. P.

Resumo: A produção de alimentos para os rebanhos constitui, provavelmente, o maior desafio que enfrenta a pecuária nas regiões semiáridas. Isto porque a variabilidade e incertezas climáticas tornam as culturas das forrageiras uma operação de alto risco, além de ser competitiva com a agricultura tradicional. Assim, as pastagens nativas dessas regiões tornam-se a fonte de alimentação mais importante para os animais. Nos sertões nordestino, as condições adversas do meio, fazem com que a oferta de forragem fique, muitas vezes, aquém das necessidades dos rebanhos, tanto do ponto de vista quantitativo, quanto qualitativo. Pesquisas têm mostrado que o enriquecimento da caatinga com gramíneas e leguminosas exóticas, adaptadas às condições de semiaridez, eleva a produção de fitomassa e consequentemente um vigoroso aumento da capacidade de suporte Esse aspecto é importante porque atualmente, a degradação das pastagens nativas encontra-se presente em toda a região da caatinga. Com isso, o processo de desertificação avança pelo Semiárido nordestino.Diante do contexto, o objetivo da pesquisa foi avaliar espécies forrageiras, sendo 12 cultivares de gramíneas, 3 espécies de leguminosas e 4 culturas anuais, para o enriquecimento da Caatinga raleada. São apresentados informações de desempenho produtivo de forragem em sistema integrado de lavoura e pecuária na Caatinga raleada, sob condições de sequeiro no norte do Ceará.

Ano de publicação: 2018

Tipo de publicação: Folhetos