O CIM Zoossanitário é um repositório onde estão apresentadas informações epidemiológicas e de análises de risco das enfermidades de ovinos e caprinos, visando estabelecer melhores estratégias para seu controle e prevenção. Com a disponibilização dessas informações pretende-se auxiliar programas de controle já existentes buscando um modelo integrativo de inovação em defesa sanitária.

Os dados apresentados são fruto do trabalho de pesquisa realizado entre os anos de 2013 a 2019 no âmbito do projeto “Caracterização zoossanitária da caprinocultura e ovinocultura tropical: epidemiologia, riscos e impacto econômico das enfermidades”, que teve o objetivo de determinar, em áreas tropicais, os atributos zoossanitários dos sistemas de produção de ovinos e caprinos e estudar os possíveis fatores de risco de nove doenças nos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e Sergipe, localizados na região Nordeste do Brasil.

O projeto Zoossanitário foi coordenado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), executado pela Embrapa Caprinos e Ovinos e contou com financiamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e fomento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), por meio do edital 064/2008 MAPA/CNPq sobre defesa sanitária animal.

Inicialmente, foram incluídas quatro doenças de ovinos e caprinos prevalentes na região Nordeste: Artrite Encefalite Caprina (CAE), Maedi-Visna, Linfadenite Caseosa e Brucelose Ovina. Futuramente, serão acrescentados dados de outras doenças de ovinos e caprinos, bem como análises de risco destas enfermidades. Essas informações serão úteis para diversos públicos: profissionais de extensão, agências estaduais de defesa agropecuárias, produtores, pesquisadores, professores e estudantes.

É importante ressaltar que este trabalho não possui o objetivo de substituir quaisquer competências das agências de defesa sanitária animal, seja na jurisdição federal, estadual ou municipal, tão pouco representa quaisquer implicações legais do ponto de vista de aplicações de infrações relacionadas à defesa sanitária animal.

Destaca-se também que os estudos abrangeram 32 das 188 microrregiões geográficas pertencentes à região Nordeste do Brasil, representando uma cobertura geográfica de 17%. Entretanto, o volume de cerca de 20 mil amostras sorológicas coletadas em 90 municípios, procedentes de 433 propriedades, certamente trazem informações que poderão ser utilizadas para auxiliar as estratégias de defesa sanitária de pequenos ruminantes na região Nordeste do Brasil.