Mandioca em números

 

O plantio de mandioca nas regiões do Brasil ao longo dos anos apresenta um quadro bastante estabilizado, com exceção das regiões Norte e Nordeste, onde a primeira teve um aumento de quase 20% da área plantada, e a segunda, teve uma redução de mais de 20%. A Região Nordeste, apesar de dominar a área plantada de mandioca desde a década de 1990, com mais de 57% da área cultivada no Brasil, veio reduzindo esses números ao longo dos anos, atingindo em 2017 pouco mais de 37%. Enquanto a Região Norte, com a segunda maior área plantada, veio obtendo crescimento gradativo no mesmo período, passando de 17,1% em 1990 para 34,5% em 2017. A Região Centro-Oeste é a que detém a menor área plantada de mandioca em todo o período estudado e, em 2017, contava com 4,4% de área plantada, seguida da Região Sudeste na 4ª posição com 8,7% e Região Sul na 3ª posição com 14,8%.

A Região Norte lidera a produção de mandioca com 36,1% da safra nacional, seguida pela Região Nordeste com 25,1% e pela Região Sul com 22,1%. A Região Nordeste manteve a supremacia de maior produtora de mandioca até a década de 2010, quando começou a perder essa posição para a Região Norte. A Região Sul representa a terceira força produtora com 22,1% da produção nacional. As regiões Sudeste e Centro-Oeste detêm as menores produções, com respectivamente 10,9% e 5,8% em 2017.

As regiões Norte e Nordeste possuem juntas aproximadamente 61,18% da produção nacional de mandioca (t) em 72% das áreas cultivadas (ha) e, por esse motivo, detêm as maiores produções nacionais. Entretanto, apresentam baixa eficiência produtiva (t/ha), ou seja, os menores índices de rendimento em kg/ha de mandioca produzida. Por sua vez, apenas a Região Sul, com 14,8% das áreas plantadas, responde por mais de 22,1% da produção brasileira, e é líder nacional em produtividade, apresentando rendimento de 21.891,85 kg/ha de mandioca colhida.

O Estado do Pará detém 60,66% das áreas cultivadas da Região Norte e consequentemente responde por 56,96% da produção de mandioca da Região. Entretanto, esses números não são sinônimos eficiência produtiva, haja vista, sua produtividade ser baixa, em torno de 14.347,90 t/ha, abaixo da média nacional de 14.641,78 t/ha.

A Região Nordeste apresenta o menor rendimento nacional de mandioca produzida por hectare plantado (9.828,53 kg/ha), mesmo sendo detentora da maior parte das áreas plantadas no território brasileiro e com expressivas produções em toneladas de mandioca. A Região Norte, mesmo ocupando grandes áreas plantadas e tendo atualmente a maior produção de mandioca do País, ocupa apenas a 4ª posição em produtividade, com 15.280,61 kg/ha. Destaque de crescimento na produtividade para a Região Sul com 21.891,85 Kg/ha no ano de 2017, ocupando atualmente a 1ª colocação. A Região Centro-Oeste vem na 2ª posição, com 18.567,90 kg/ha.

 

O Estado do Pará é o detentor das maiores áreas plantadas de mandioca do Brasil com 20,97% do total. O Estado da Bahia, segundo maior em área plantada, já obteve a liderança nas décadas de 1990 e 2000, mas vem apresentando forte desaceleração na sua curva de crescimento, e no ano de 2017, apresentava 13,65% das áreas plantadas de mandioca no território nacional. O Estado do Maranhão, vem demonstrando fortes oscilações em sua curva, e no ano de 2017, ocupava a 3ª colocação com 10,74%. O Estado do Paraná também vem reduzindo a área plantada, ocupando a 4ª colocação com 8,93%. Os demais estados da Federação Brasileira, juntos, detém pouco mais de 45% das áreas plantadas com a cultura da mandioca.

A maior produção estadual de mandioca pertence ao Estado do Pará com 20,55% da fatia nacional, seguido pelo Estado do Paraná com 14,79%. Distanciando-se de suas margens históricas de produção, o Estado da Bahia está na 3ª colocação com 10,09%. Produção mais modesta é apresentada pelo estado do Maranhão, com apenas 6,38% ocupando a 4ª colocação no ranking nacional. Os demais estados da Federação Brasileira, juntos, detém pouco mais de 48% da produção nacional de mandioca

À semelhança do que acontece nas regiões Norte e Nordeste, somente os estados do Pará, Bahia, Maranhão, Acre e Amazonas respondem por 46,40 % da produção nacional de mandioca (t) em aproximadamente 54,29% das áreas plantadas (ha) de mandioca no Brasil. Todavia, apresentam baixa produtividade com rendimentos abaixo da média nacional. Por sua vez, o Estado do Paraná, com pouco mais de 8,9% de área plantada, responde sozinho por 14,79% da produção brasileira de mandioca, com uma produtividade excepcional de 24.234,95 Kg/ha, contra 14.347,90 kg/ha do Estado do Pará, o maior produtor nacional.

O Estado do Acre vem apresentando ao longo dos anos um crescimento surpreendente na produtividade, porém, há de se levar em consideração que esse estado apresenta pouco mais de 5% da produção nacional e menos de 3% da área plantada em todo o território brasileiro. A grande dúvida é se o mesmo rendimento seria obtido caso fossem realizados plantios em áreas maiores. Entretanto, como não foi um evento pontual e como o gráfico mostra uma tendência crescente e constante, é interessante levantar informações mais específicas sobre todos os recursos que estão sendo empregados na obtenção desses resultados. Quanto ao Estado do Paraná, o crescimento na produtividade parece ser mais consistente, apesar de um leve declínio nos últimos anos, levando-o para a terceira posição com a marca de 24.234,95 Kg/ha contra 24.508,90 Kg/ha do Estado de São Paulo, segundo colocado. Já o Estado do Pará demonstra comportamento oposto aos do Estado do Paraná e São Paulo, ou seja, baixa produtividade, apenas 14.347,90 Kg/ha, apesar de manteve-se com grandes áreas plantadas e grandes produções em toneladas de mandioca.

O município de Acará, PA vem se mantendo como o maior produtor de mandioca (t) do Brasil, apesar de sua produção vir apresentando reduções ao longo dos anos. Na safra de 2017, o município de Acará, PA obteve produção de 356.000 toneladas de mandioca, o município de Santarém, PA, segundo maior produtor nacional produziu 217.700 toneladas, seguidos pelos municípios de Oriximiná, PA com 192.000 toneladas; Alenquer, PA com 170.000 toneladas, e Óbidos, PA com 144.000 toneladas.

O Estado do Pará, sendo o maior em área plantada e o maior em produção de mandioca do Brasil, naturalmente apresenta também os municípios com as maiores áreas e produções do Brasil, sendo eles: Acará, Santarém, Oriximiná e Óbidos. Acompanhando a baixa produtividade do Estado do Pará, esses municípios apresentam também baixa performance em seus rendimentos (kg/ha) de mandioca colhida. Por outro lado, municípios do Sul do País, mais precisamente do Estado do Paraná, como Marechal Cândido Rondon e Araruna, destacam-se pela sua eficiência produtiva refletindo em maiores produtividades (kg/ha).