Atualmente não se recomenda mais a aplicação de vermífugos em todo rebanho, pois já foi comprovado que somente uma parte dos animais necessita realmente de vermifugação, aproximadamente 17% das fêmeas secas, 29% das fêmeas gestantes e 55% das fêmeas lactantes (Malan et al., 2001).

Sendo assim, é possível reduzir o número de tratamentos (50-80%) e o gasto com vermífugos na mesma proporção, o que auxilia na diminuição do desenvolvimento da resistência aos anti-helmínticos. 

O FAMACHA© é o método mais indicado para o controle seletivo em regiões onde o verme predominante é Haemonchus contortus, pois ao se alimentar do sangue dos animais, causa diferentes graus de anemia que podem ser classificados com auxílio de um cartão colorido.

.

 

Os cinco graus de coloração no cartão direcionam a vermifugação dos animais onde os graus 1 e 2 são de animais com coloração vermelho vivo, ou seja, sem traços de anemia. A partir do grau 3, já é indicada a vermifugação,que é imprescindível nos graus 4 e 5. Porém, quando a mucosa apresenta palidez intensa (grau 5) é recomendável que o animal tenha suporte com alimentação reforçada em proteínas (volumosa ou concentrada), ferro oral ou injetável e suplementos a base de aminoácidos, conforme a indicação da bula. Havendo condições (infraestrutura/Veterinários) a transfusão de sangue é recomendada. Animais com grau de anemia 5, só devem ser vermifugados quando o quadro de anemia estiver amenizado. Veja aqui como fazer corretamente a vermifugação.

A periodicidade da realização do método depende da incidência de verminose e das condições climáticas da região. Em regiões semiáridas, recomenda-se a realização do exame a cada 15 dias no período chuvoso e a cada 30 dias no período seco. Porém, em propriedades onde se usa pastagem cultivada e a precipitação pluviomética for acima de 1.000ml por ano recomenda-se o exame dos animais utilizando o cartão FAMACHA© uma vez por semana ou no máximo a cada 10 dias.

Cuidados na realização do FAMACHA©

  • O método deve ser executado por pessoal treinado.
  • Sempre utilizar o cartão FAMACHA©, que pode ser adquirido durante os treinamentos.
  • De preferência, a avaliação deve ser feita por apenas um técnico para evitar variação de olho pra olho
  • Examinar o animal sob luz natural.
  • Expor a conjuntiva pressionando a pálpebra superior com um dedo polegar, pressionando levemente a pálpebra inferior para baixo com o outro (Figura 2).
  • Evitar a exposição parcial da membrana interna da pálpebra (terceira pálpebra) e do olho.
  • Observar a coloração na parte central da conjuntiva inferior (Figura 1).
  • Em caprinos, a coloração da conjuntiva tem menor intensidade e o preenchimento capilar é mais demorado do que nos ovinos. Por isso, a mucosa deve ser observada pelo menos oito segundos após a sua exposição, enquanto que em ovinos a observação é imediata.
  • É importante registrar os resultados do FAMACHA©, pois poderá auxiliar no descarte orientado de animais susceptíveis, o que contribui para a seleção de animais resistentes no rebanho, conforme demonstrado na Tabela 1.

 

 

 

Clique aqui para acessar o vídeo sobre o método FAMACHA©.