Organograma da Embrapa Cocais

 
Chefia-Geral
A Chefia-Geral é responsável pelo processo de planejamento das estratégias de atuação da Unidade e pela integração desta com outras Unidades da Embrapa e com organizações públicas e privadas, além da coordenação e acompanhamento das atividades técnicas e administrativas.
 
UEP Balsas – Unidade de Execução de Pesquisa no município de Balsas (MA)
A Unidade de Execução de Pesquisa coordenar as atividades de pesquisa e desenvolvimento e de transferência de tecnologias da Embrapa, na região de abrangência, com o objetivo de viabilizar ações para atender as demandas por tecnologias, produtos e serviços dos sistemas produtivos, em benefício da sociedade.
 
CTI – Comitê Técnico Interno
O Comitê Técnico Interno tem sua atuação voltada à análise e ao parecer de processos internos, técnicos e científicos, que orientam a programação executiva da Unidade. Além disso, em parceria com o Núcleo de Desenvolvimento Institucional (NDI), o CTI é responsável pela realização dos ciclos de planejamento da Unidade e dos respectivos acompanhamentos da execução dos projetos aprovados pelo Comitê.
 
CAE – Comitê Assessor Externo
É um órgão consultivo, que tem como objetivo assessorar os processos de planejamento, acompanhamento e avaliação das ações da Unidade, a fim de que os resultados alcançados respondam as demandas sociais. Seus membros são profissionais de reconhecida competência técnica e liderança em sua área de atuação, oriundos de instituições representativas e com familiaridade em relação à área de atuação da empresa (Em fase de estruturação).
 
NCO – Núcleo de Comunicação Organizacional
O Núcleo de Comunicação Organizacional coordena as ações de comunicação entre a Unidade e seus públicos estratégicos, com o objetivo de construir e fortalecer relacionamentos que contribuam com a Embrapa no cumprimento de sua missão junto à sociedade.
 
NTI – Núcleo de Tecnologia da Informação
O Núcleo de Tecnologia da Informação viabiliza soluções em Tecnologia da Informação de forma a contribuir para o desenvolvimento institucional, a sustentabilidade e a competitividade da Embrapa Cocais.
 
NDI – Núcleo de Desenvolvimento Institucional
O Núcleo de Desenvolvimento Institucional coordena as ações relativas a análise e melhoria de processos, acompanhamento das ações relativas ao Plano Diretor da Unidade e ao Plano Anual de Metas e, ainda, é o responsável pela elaboração do Balanço Social e do Relatório Gerencial da Unidade.
 
Chefia de Pesquisa e Desenvolvimento
A Chefia de Pesquisa e Desenvolvimento coordena as atividades de elaboração da agenda institucional de pesquisa, desenvolvimento e inovação da Unidade, realiza o acompanhamento e controle de projetos quanto a recursos, parcerias e ao alinhamento ao PDU e à agenda institucional da Unidade, avalia e publica os resultados dos projetos, além de atuar na identificação e implementação de processos de gestão e de prospecção de demandas de P&D&I da Unidade, em colaboração com a Chefia de TT e com o Grupo de Pesquisa.
 
GP – Grupo de Pesquisa
O Grupo de Pesquisa atua na elaboração, articulação e avaliação de propostas de projetos de P&D e TT, propondo temas para o avanço do conhecimento e do desenvolvimento tecnológico, avaliando os resultados e validando produtos gerados pelos projetos, em articulação com a área de TT, interagindo com outros grupos de pesquisa e com parceiros externos à Embrapa, visando garantir a interdisciplinaridade das equipes para atender ao Plano Diretor da Unidade e a sua agenda institucional.
 
SGL – Setor de Gestão de Laboratório
O Setor de Gestão de Laboratórios coordena as atividades de planejamento para a implantação dos futuros laboratórios da Embrapa Cocais (Em fase de estruturação).
 
SGB – Setor de Gestão de Biblioteca
O Setor de Gestão da Biblioteca planeja, supervisiona e apoia a Chefia Adjunta de Pesquisa e Desenvolvimento nas atividades de informação e documentação técnica e científica, buscando e disponibilizando informações e conhecimentos aos usuários da Unidade (Em fase de estruturação).
 
CLP – Comitê Local de Publicação
O Comitê Local de Publicações é um colegiado deliberativo, permanente, que tem por objetivo zelar pela qualidade, padronização das publicações técnico-científicas e estabelecer políticas de editoração e uso da imagem Embrapa.
 
ClBio – Comitê Interno de Biossegurança
O Comitê Interno de Biossegurança é um componente essencial para o monitoramento e vigilância dos trabalhos que envolvem engenharia genética, manipulação, produção e transporte de organismos geneticamente modificados (OGMs) e para fazer cumprir a regulamentação nacional de Biossegurança (lei nº 11.105, de 24 de março de 2005) (Em fase de estruturação).
 
De acordo com legislação, toda entidade que utilizar técnicas e métodos de engenharia genética deverá criar um Comitê Interno de Biossegurança (CIBio), além de indicar para cada projeto específico um(a) Pesquisador(a) Principal, definido na regulamentação com Técnico Principal Responsável.
 
Atualmente, a Embrapa Cocais está em fase de implantação, porém há perspectivas de desenvolver atividades de pesquisa relacionadas à biossegurança. Com isso haverá a necessidade de um Certificado de Qualidade de Biossegurança (CQB), que por sua vez, tem sua concessão atrelada à existência de um Comitê Interno de Biossegurança.
 
Chefia de Transferência de Tecnologia
A Chefia Adjunta de Transferência de Tecnologia coordena a prospecção de problemas e demandas tecnológicas, a serem consideradas na programação de desenvolvimento e transferência de tecnologia da Unidade. Dessa forma, propõe a agenda de demandas tecnológicas a serem atendidas pela área de P&D, bem como, pela TT. Propõe a avaliação ex-ante das tecnologias, produtos e serviços propostos nos projetos de P&D, assim como, coordena a avaliação destas tecnologias e afins, e seu nível de adoção, quando geradas pela Unidade. Também coordena as parcerias para a realização dos citados projetos, assim como, os trâmites relacionados aos contratos, convênios e demais acordos firmados pela Unidade.  Viabiliza a informação tecnológica através de fóruns internos de discussão e dos planos de TT, no âmbito das políticas de comunicação empresarial, negócios tecnológicos e informação da Embrapa, além de proteger a inovação e propriedade intelectual desta, quando gerada ou adaptada na Unidade.
 
SPAT – Setor de Prospecção e Avaliação de Tecnologia
O Setor de Gestão da Prospecção e Avaliação de Tecnologias procura identificar problemas tecnológicos a serem alvo da programação de transferência de tecnologia da Unidade, contribuindo na construção da agenda de P&D destinada a demandas tecnológicas, apoiando a Chefia de P&D e o CTI na análise ex-ante de projetos de pesquisa quanto ao seu impacto e dessa forma, promover análises socioeconômicas e ambiental das tecnologias geradas e da adoção das mesmas. Atuando também TT na elaboração e de programas e projetos com essa finalidade. Apoiar contratos de negócios, remunerados ou não, bem como, a implementação de políticas e programas governamentais, e também o Comitê Local de Propriedade Intelectual (CLPI) quanto às tecnologias geradas pela Unidade (Em fase de estruturação).
 
SIPT – Setor de Implementação da Programação de Transferência de Tecnologia
O Setor de Implementação da Programação de Transferência de Tecnologia tem como missão articular, programar e planejar ações de transferência de tecnologia junto a órgãos públicos e não-governamentais, no intuito de construir arranjos sociais, institucionais e mercadológicos, que facilitem o intercâmbio de conhecimentos, o uso de tecnologias e a aprendizagem necessária para a solução de problemas e a transformação dos arranjos produtivos e das relações comunitárias, com o propósito de obter ganhos sociais, econômicos e ambientais.
 
CLPI – Comitê Local de Propriedade Intelectual
O Comitê Local de Propriedade Intelectual tem como objetivos implementar e difundir a Política de Propriedade Intelectual e demais Políticas Internas, apoiando a Unidade na busca de informações de caráter tecnológico, socioeconômico e ambiental, visando subsidiar as decisões quanto à proteção e a transferência de novas tecnologias e orientar os projetos de pesquisa e transferência de tecnologia, quanto aos aspectos de propriedade intelectual, desde sua concepção ao produto final.
 
Chefia Adjunta de Administração
A Chefia Adjunta de Administração é responsável pelo suporte a todas as atividades de pesquisa e de transferência de tecnologia, bem como dos próprios setores administrativos, provendo assim todas as condições de infraestrutura, logística, recursos orçamentários, financeiros e de pessoal necessários para o cumprimento das finalidades da Unidade.
 
SIL – Setor de Infraestrutura e Logística
O Setor de Gestão de Infraestrutura e Logística tem por função assegurar o fornecimento e zelar pela manutenção e conservação das instalações físicas e bens patrimoniais, bem como gerir os serviços de correspondência e de transportes.
 
SPM – Setor de Patrimônio e Materiais
O Setor de Gestão de Patrimônio e Material tem como objetivo assegurar o fornecimento de suprimentos e serviços necessários ao funcionamento da Unidade, através dos processos de compra e distribuição, bem como gerir o seu patrimônio.
 
SGP – Setor de Gestão de Pessoas
O Setor de Gestão de Pessoas promove o gerenciamento de pessoas, com qualidade, respeito e ética, aplicando políticas de seleção, desenvolvimento e manutenção do capital humano, com a finalidade de maximizar o comprometimento dos empregados e alcançar a missão institucional.
 
SOF – Setor de Orçamento e Finanças
O Setor de Gestão Orçamentária e Financeira é responsável  pelos processos relacionados aos recursos orçamentários e financeiros da Unidade, incluindo o seu acompanhamento e a execução de pagamentos e outras obrigações  como os compromissos fiscais.
 
SCE – Setor de Campos Experimentais
O Setor de Gestão de Campos Experimentais é responsável pela manutenção e conservação de áreas físicas, equipamentos e instalações de suporte às atividades de pesquisa a serem desenvolvidas nos campos experimentais da Unidade (Em fase de estruturação).