Início       Biblioteca Multimídia      seriedade!       Ações Educativas      Conheça a Embrapa  Nossa turma 

Web Content Display

Cenário Biotecnologia

Biotecnologia

Back

Biotecnologia: uma agricultura mais sustentável

A biotecnologia é uma realidade, e está mais próxima de nós do que você imagina. É uma área da ciência que não para de crescer e ainda tem muito a evoluir. A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) atua na área de biotecnologia há mais de 30 anos, na busca de soluções sustentáveis para os problemas da agricultura e os desafios alimentares das gerações atuais e futuras.

Você sabe o que é a biotecnologia?

A biotecnologia é realizada pelo homem desde, aproximadamente, 1800 aC., quando começamos a fazer pães, vinhos, queijos, cerveja, etc., por meio da fermentação.  De lá pra cá, muitas técnicas foram desenvolvidas em várias áreas diferentes. Hoje em dia, a biotecnologia já está presente na agricultura, na medicina, na fabricação de remédios e de roupas, além de em outras áreas.

Com a evolução da biotecnologia, os cientistas foram descobrindo que podiam manipular o DNA (material genético) dos organismos, quer sejam plantas quer sejam animais ou micro-organismos (vírus, bactérias e fungos etc.). E mais: descobriram que podiam transferir genes de uma espécie para outra, criando os organismos geneticamente modificados (OGMs).

Assim, a biotecnologia atual envolve, principalmente, o uso do DNA (ou ADN, na sigla em português). A descoberta da estrutura básica da molécula do ADN, em 1953, pelo norte-americano James Watson e o britânico Francis Crick, possibilitou avanços muito significativos na área da biologia molecular e, logo, no conhecimento dos genes e das suas funções básicas.

Tá! Mas por que criar OGMs?

Os OGMs, ou transgênicos, são respostas da ciência para problemas que afetam a humanidade, tais como doenças, fome e problemas no clima (seca, por exemplo). A biotecnologia oferece muitas possibilidades para tornar o nosso dia a dia melhor.

E é importante você saber que os cientistas não inventaram essas técnicas em laboratórios. Não! Foi observando a natureza que eles repararam que alguns organismos têm a capacidade natural para transferir características genéticas, como é, por exemplo, o caso de uma bactéria do solo chamada Agrobacterium tumefasciens, que há milênios transfere genes naturalmente!

De olho nessa bactéria, os cientistas começaram a utilizá-la para transformar plantas em laboratório, em benefício de uma agricultura mais saudável. Aliás, um dos objetivos da Embrapa, hoje, é desenvolver plantas resistentes a doenças e pragas agrícolas. E sabe por quê? Para tornar a agricultura menos dependente da aplicação de produtos químicos, e, assim, melhorar a qualidade do alimento que chega à nossa mesa!

Essa capacidade de entender o funcionamento dos genes, e de poder manipulá-los em laboratório, é chamada de engenharia genética. Por meio de pesquisas, os cientistas podem usar a biotecnologia e a modificação dos genes para, por exemplo, transformar um alimento convencional em outro que seja resistente a doenças; ou então para desenvolver variedades de produtos enriquecidos nutricionalmente; ou, ainda, para melhorar o sabor de um alimento, entre muitas outras possibilidades. 

Evolução das técnicas de engenharia genética

A evolução das técnicas de engenharia genética levou a métodos mais rápidos e eficientes de transformação genética. O mais utilizado hoje é o de biobalística, a partir do qual, o gene é, “literalmente”, bombardeado para dentro da planta que se quer transformar.

Com isso, o gene bombardeado se incorpora ao DNA da planta, transformando-a numa planta geneticamente modificada ou transgênica.

Os transgênicos são seguros?

A Lei Brasileira nº 11.105/2005, que regula as atividades com transgênicos e de biotecnologia em geral, está entre as mais rigorosas do mundo.

Essa legislação determina que, desde sua descoberta até chegar a ser um produto comercial, um transgênico é obrigado a passar por muitos estudos, que levam, aproximadamente, 10 anos de pesquisa. Esses estudos buscam garantir a segurança alimentar e ambiental do produto final.

Somente depois de analisado e aprovado pela CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança) é que o produto vai para o mercado. Ou seja, a produção de transgênicos é uma atividade legal e legítima, regida por legislação específica e pautada por rígidos critérios de biossegurança.

Outros produtos “na mira” da Embrapa

O feijão transgênico é só um dos exemplos de sucesso da atuação da Embrapa na área de engenharia genética. As pesquisas desenvolvidas pela Empresa envolvem muitas outras culturas agrícolas, tais como soja, milho, café, algodão e cana-de-açúcar, com características variadas, entre as quais a resistência a doenças e pragas e a tolerâncias a estresses climáticos.

Mas, todas essas pesquisas são motivadas por um mesmo objetivo: o de termos, em nossa mesa, produtos mais saudáveis e econômicos para tornar o nosso dia a dia melhor!

Desafio:

  1. Você sabe o significado da palavra "biotecnologia"?
  2. Você come transgênico? Em um supermercado, selecione alimentos transgênicos. Essa atividade permitirá que você refleta sobre o que é o DNA, e o que significa ser geneticamente modificado.
  3. Procure exemplos da biotecnologia no seu dia a dia.

 

Fonte: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia