Back

Tema: fistulação em bovinos

  • Fistulação consiste em procedimento cirúrgico realizado sob anestesia,  caracterizado pela exteriorização de determinada porção do trato digestório do animal, com aberturas feitas desde a pele até a região do órgão a ser exteriorizada. Após abertura e perfeita cicatrização do local, é implantado um tubo de silicone, com o objetivo de manter o orifício vedado e permitir acesso ao interior do órgão.
  • O procedimento de fistulação de animais tem sido descrito na literatura científica desde o século XIX, conforme "Fisiologia Digestiva y Nutrición de Los Ruminantes"1. Desde então, é empregado no mundo todo em diversas espécies de animais, como bovinos, ovinos, caprinos, dentre outros.
  • De acordo com a literatura científica1,2, os animais fistulados adequadamente apresentam comportamento fisiológico normal, sem incômodo ou dor, não havendo prejuízo no consumo e digestibilidade do alimento,  produção de leite, reprodução e  longevidade do animal, entre outros aspectos. De forma análoga e respeitadas as devidas diferenças e proporções, humanos que passam por procedimentos cirúrgicos semelhantes, como o caso da colonostomia, por exemplo, podem levar vida normal.
  • A técnica de fistulação de animais é imprescindível nos estudos de fisiologia e metabolismo ruminal. A partir desta, é possível obter conhecimento detalhado do processo digestivo e efetuar avaliações de dietas, taxa de passagem de alimentos, determinações de parâmetros químicos envolvidos na digestão (pH, nitrogênio amoniacal, ácidos graxos voláteis, entre outras utilidades) e desenvolvimento de estratégias para mitigação do metano entérico. A técnica permite, ainda, obtenções de amostras para estudos de micro-organismos do rúmen, como bactérias e fungos celulolíticos que podem ter papel fundamental na obtenção de enzimas para produção de etanol de segunda geração ou ainda de aditivos para melhorar a digestibilidade de alimentos fibrosos. Todas essas avaliações proporcionam informações fundamentais para a sustentabilidade da pecuária.
  • O conhecimento da dinâmica ruminal pode proporcionar o desenvolvimento de estratégias de alimentação mais eficazes para os bovinos e menos agressivas ao ambiente, a partir do melhor aproveitamento dos nutrientes e limitação de produtos de excreção, como o metano, por exemplo3. Com base na técnica, soluções inovadoras já estão sendo consideradas, como produtos que permitem melhor digestibilidade, para serem empregados em períodos de pastagens muito secas3.
  • Pesquisas com bovinos fistulados têm contribuído de maneira muito importante para preservação da saúde e bem-estar da espécie, uma vez que o conhecimento da fisiologia ruminal permite definir estratégias de prevenção e tratamento de doenças que podem até mesmo levar à morte, como é o caso do timpanismo ruminal, conhecido popularmente como meteorismo4.  Há contribuições também para a saúde humana como é o caso da pesquisa em andamento na Embrapa Gado de Leite, fundamentada na produção de manteiga naturalmente enriquecida com ácido linoleico conjugado (CLA) e avaliação do seu potencial em melhorar indicadores específicos associados à doença de Alzheimer.
  • Instituições de pesquisa de renome internacional, como a Universidade de Nottingham, Inglaterra, por exemplo, utilizam animais fistulados para contribuir com a elucidação de processos envolvidos no metabolismo ruminal. Assim como no Brasil, as pesquisas realizadas pelas instituições internacionais são devidamente autorizadas pelos respectivos órgãos de controle de experimentação animal.
     

Sobre os procedimentos

  • Na Embrapa Gado de Leite, toda e qualquer atividade de pesquisa e ensino envolvendo animais é realizada somente após análise e aprovação da Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA). A Comissão é constituída conforme normas do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), órgão integrante do Ministério da Ciência e Tecnologia. Entre as competências do CONCEA  está a formulação de normas relativas à utilização humanitária de animais com finalidade de ensino e pesquisa científica, bem como credenciamento das instituições que desenvolvam atividades nesta área.
  • Os procedimentos cirúrgicos de fistulação de animais efetuados na Embrapa Gado de Leite são realizados por profissional médico- veterinário integrante do quadro da Unidade e devidamente registrado na CEUA. Todas as medidas de antissepsia e anestesia, bem como cuidados pré e pós-operatórios, são devidamente seguidas. O procedimento é indolor e não causa sofrimento ao animal. O animal é acompanhado intensivamente até a cicatrização completa, sendo só então utilizado pela pesquisa. A partir daí, os cuidados veterinários são contínuos e permanentes, estando ou não o animal em experimentação. Destaca-se que se utiliza o mínimo de animais necessários para as avaliações científicas, respeitando-se princípios éticos de experimentação animal, como o "princípio dos 3R"5 ( do inglês reduction, replace, refinement ou redução, substituição e refinamento).  São preservadas, ainda, as cinco liberdades dos animais (livres de fome e sede, de desconforto, de dor, lesões e doenças, livre para expressar seu comportamento normal, livre de medo e estresse), conforme Farm Animal Welfare Council - FAWAC, Inglaterra e WSPA Brasil.
  • É parte da política da Embrapa receber estudantes de ensino superior (graduação e pós-graduação) para a realização de estágios, orientação científica e visitas técnicas, como complementação e apoio ao ensino acadêmico. As atividades permitem ao aluno acompanhar e aprender sobre a aplicação de metodologias próprias da pesquisa científica, em alguns casos, envolvendo experimentos com animais.
     

Sobre o impacto dos resultados

  • Atualmente, pesquisas envolvendo animais fistulados no rúmen são desenvolvidas pela Embrapa Gado de Leite em parceria com diferentes instituições, com o objetivo de avaliação de dietas, estudos de degradação de alimentos, avaliação de estratégias de utilização de pastagens, prospecção de micro-organismos ruminais de interesse para o agronegócio do leite e avaliação de mitigação de metano entérico pelos ruminantes.
  • Resultados das diferentes ações, que compõem projetos de pesquisa integrantes da carteira de projetos da Embrapa Gado de Leite, são publicados em periódicos científicos e apresentados em reuniões e simpósios, e têm contribuído significativamente para a sustentabilidade da pecuária leiteira nacional.
  • Além das pesquisas e publicações, a Unidade atua na transferência de tecnologias, tanto para produtores, como para estudantes e profissionais relacionados às ciências agrárias.
     

Literatura citada

1. CHURCH, D. C. Fisiologia digestiva y nutrición de los rumiantes. Zaragoza: Ed. Acribia, 1974. v. 1, 379 p.
2. HUNGATE, R. E. The rumen and its microbes. New York: Academic Press, 1966. 533 p.
3. ARCURI, P. B.; LOPES, F. C. F.; CARNEIRO, J. C. Microbiologia do Rumen. In: BERRCHIELLE, T. T.; OLIVEIRA, S. G. de; PIRES, A. V. (Org.). Nutrição de ruminantes. 2. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP: FAPESP, 2011. cap. 5, p.115-160.
4. SANTOS, J. E. P. Distúrbios metabólicos. In: BERRCHIELLE, T. T.; OLIVEIRA, S. G. de; PIRES, A. V. (Org.). Nutrição de ruminantes. 2. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP: FAPESP, 2011. cap. 15, p. 439-520.
5. RUSSELL, W. M. S.; BURCH, R. L. The Principles of Humane Experimental Technique. London: Methuen & Co., 1959. 238 p.