Back

Tema: “Pirataria na Embrapa”

O jornalista Cláudio Humberto equivoca-se em sua nota "Pirataria na Embrapa", veiculada dia 13 de abril em alguns jornais. O compartilhamento de informações faz parte de programa técnico-científico oficial de interesse de duas instituições (Embrapa e Serviço de Pesquisa Agrícola - ARS, sigla em inglês). Elas desenvolvem, em conjunto, um Sistema de Informações sobre Conservação de Recursos Genéticos Animais, formalizado, registrado e publicado no Diário Oficial da União dia 03 de março de 2015.

Sobre a Parceria Brasil-Estados Unidos em Recursos Genéticos Animais

Os Estados Unidos da América do Norte são importante parceiro técnico-científico da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa. Nesse país foi instalado o primeiro Labex (Laboratório da Embrapa no Exterior), que desde 1998 proporciona intercâmbio de pesquisadores e obtenção de resultados de interesse dos dois países.

Por intermédio de um projeto desenvolvido no Labex-USA, a Embrapa e o Serviço de Pesquisa Agrícola (ARS, sigla em inglês) desenvolvem, em conjunto, um Sistema de Informações sobre Conservação de Recursos Genéticos Animais.

Um dos maiores desafios da pesquisa genética da atualidade é o armazenamento de uma quantidade enorme e crescente de dados e informações. A catalogação das coleções de material genético e dos dados genômicos de animais é geralmente executada pela instituição que os gerou, criando bancos individuais que não conversam entre si.

Para garantir a unificação, a uniformização e o intercâmbio dessas informações e aperfeiçoar as pesquisas e a preservação, Brasil, Estados Unidos e Canadá articularam a adoção de um sistema único de dados para conservação de recursos genéticos animais.

Batizado de "Alelo Animal" no Brasil, o sistema foi concebido por meio de parceria entre a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, o Agricultural Research Service do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (ARS/USDA) e o Agriculture and Agri-food (AAFC), do Canadá. O sistema foi adaptado para a realidade brasileira, de forma a permitir que o Alelo Animal armazene dados dos animais vivos mantidos em núcleos de conservação. Ele guardará, dentre outras informações, o catálogo dos bancos de sêmen, embriões e DNA dos três países além de dados genômicos associados aos animais.

Em 05 de fevereiro deste ano, a Embrapa e o ARS assinaram um Projeto de Intercâmbio de Conhecimento, cujo extrato foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) em 3 de março. Com o Canadá, os entendimentos estão em curso, para assinatura de instrumento semelhante.

Entre as atividades previstas para o desenvolvimento e implantação do sistema objeto do Projeto está o teste e validação do software e das bases de dados de ambos os países. Para verificar a compatibilidade e adequação do formato das bases de dados, aconteceu, no mês de março, a mútua remessa de informações gerais sobre os recursos genéticos animais conservados em ambos os países.

Para os Estados Unidos foram encaminhadas informações sobre as espécies aqui conservadas e sobre o número de amostras que estão em conservação. Ao mesmo tempo, a Embrapa recebeu do ARS, informações similares e, em alguns aspectos, mais completas, pois o banco de dados americano está sendo elaborado há mais tempo do que o brasileiro. 

Leia ainda: Brasil, Canadá e Estados Unidos unificam Sistema sobre recursos genéticos animais