Skip to Content

A cultura da batata-doce | voltar ao início


Embrapa Hortaliças
Sistemas de Produção, 6
ISSN 1678-880X Versão Eletrônica
Jun./2008
Autores

Controle de soqueira

Após a colheita, as ramas, pequenas batatas e pedaços de raiz podem originar novas plantas, constituindo a soqueira, que geralmente hospeda pragas e patógenos que contaminam cultivos posteriores (Figura 1).

Foto: João Eustáquio Cabral de Miranda

Fig. 1. Soqueira da batata-doce

O controle da soqueira é relativamente cara e difícil, uma vez que as ramas localizadas próximo à superfície do solo brotam em pouco tempo, enquanto que as batatas e outros restos da planta brotam mais tarde. Com essa desuniformidade, ao mesmo tempo que se têm plantas novas, se têm plantas em inicio de tuberização, formando novas estruturas de reprodução. Por isso, a eliminação da parte aérea ou brotos por meio de capinas é pouco eficiente, mas de qualquer forma não se deve abandonar a área e sim cultivar plantas de porte ereto ou arbustivo e realizar maior número de capinas, para eliminar todas as brotações e também arrancar as batatas em formação.

O uso de herbicida sistêmico, embora oneroso, é o processo mais eficaz e deve ser feito no estádio de desenvolvimento correspondente ao início da tuberização das raízes da soqueira, ou seja, cerca de um mês, após a colheita utilizando-se 2kg/ha do ingrediente ativo de glifosato (registrado para aplicação em áreas não cultivadas), adicionando-se à calda, uréia a 0,5%, melhorando assim a atividade do herbicida. Após 3 a 4 semanas da aplicação do herbicida, o terreno deve ser arado e gradeado, procedendo-se à catação manual das batatas e brotações remanescentes (PEREIRA; MIRANDA, 1989).

Cultivares da Embrapa