Skip to Content

A cultura da batata-doce | voltar ao início


Embrapa Hortaliças
Sistemas de Produção, 6
ISSN 1678-880X Versão Eletrônica
Jun./2008
Autores

A Embrapa Hortaliças reuniu neste sistema de produção informações técnicas e os resultados de pesquisa realizados no país e no exterior com a cultura de batata-doce (Ipomoea batatas), como subsídio para o aumento da produção e a recuperação de uma cultura tradicional para os brasileiros.

A produção brasileira teve um forte declínio nas últimas décadas, embora ainda ocupe o sexto lugar entre as hortaliças mais plantadas no Brasil, correspondendo a uma produção anual estimada em 500.000 toneladas, obtidas em uma área de aproximadamente 48.000 hectares. Embora a produção tenha apresentado redução, percebe-se que o índice de produtividade tem sido crescente nos últimos anos, de modo que o sistema de produção tem sofrido mudanças que indicam uma evolução do nível tecnológico.

Ainda existe um grande espaço para o crescimento da cultura, uma vez que muitas das tecnologias disponíveis ainda não aplicadas nessa cultura. No Brasil, a cultura da batata-doce é produzida tradicionalmente por pequenos produtores, cujo principal objetivo é o auto-consumo, principalmente na primeira refeição diária, utilizada na forma de raízes cozidas, assadas ou fritas.

Com o crescente êxodo rural, grande parte do consumo de batata-doce foi substituído pelo pão e por hortaliças de mais fácil preparo e de maior atratividade, como batata, cenoura e tomate, que eram anteriormente pouco consumidas pela família rural por serem de difícil cultivo em hortas domésticas. Esta tendência no consumo da batata-doce no Brasil é exatamente o oposto do que ocorre em países asiáticos, onde esta hortaliça é considera como um alimento de primeira qualidade, sendo altamente valorizado pelos consumidores.

Este sistema de produção resume várias tecnologias que podem incrementar a produção da batata-doce e melhorar a qualidade do produto ofertado aos consumidores.

Cultivares da Embrapa