Laranja

Nome científico:

Citrus sinensis L. Osbeck

Família:

Rutáceas (Rutaceae)

Nomes populares:

Laranja

Nome em inglês:

Orange

Origem:

Ásia (Indochina, Sul da China)

 

 

Lima

Lima-ácida

Limão

Nome científico:

Citrus limettioides Tanaka

Citrus aurantifolia Swingle

Citrus limon L. Burmann f.

Família:

Rutáceas (Rutaceae)

Rutáceas (Rutaceae)

Rutáceas (Rutaceae)

Nomes populares:

Lima

Lima-ácida, limão

Limão

Nome em inglês:

Sweet lime

Lime

Lemon

Origem:

Nordeste da India

India

Golfo de Oman ou Itália

 

 

Pomelo

Tangerina

Nome científico:

Citrus paradisi Macfadyen

Citrus reticulata Blanco

Família:

Rutáceas (Rutaceae)

Rutáceas (Rutaceae)

Nomes populares:

Pomelo

Tangerina, Mandarina

Nome em inglês:

Grapefruit

Tangerine, mandarin

Origem:

Barbados (Indias Ocidentais)

Ásia (Indochina e Sul da China)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Confira abaixo algumas das principais dúvidas presentes no livro "Citros: o produtor pergunta, a Embrapa responde", da coleção 500 Perguntas, 500 respostas, disponível para download aqui.

Para crescer e produzir bem as plantas cítricas precisam de carbono, oxigênio, hidrogênio, nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre, zinco, cobre, boro, manganês, cloro e ferro, retirados da água, do ar e do próprio solo. A análise do solo permite avaliar as condições de fertilidade do mesmo e, a partir dos seus resultados, determinar o que e quanto se deve aplicar nas adubações.
Os adubos orgânicos na cova fornecem nutrientes para a planta e melhoram a capacidade de retenção de água pelo solo.
Os adubos químicos mais comuns utilizados são: uréia, sulfato de amônia, fosfato diamônico, fosfato monoamônico, superfosfatos simples e triplo, cloreto e sulfato de potássio.

 

O clima exerce grande influência sobre o vigor e longevidade das plantas cítricas, qualidade e quantidade de frutos desenvolvendo-se melhor os citros em regiões de clima mais ameno, solos adequados e cerca de 1.200 mm anuais de regime pluvial bem distribuídos.
Os frutos produzidos nos climas frios tem melhor coloração da casca e da polpa, teores mais altos de açúcares e ácidos. Nos climas quentes os frutos são menos coloridos, porém de frutos mais doces mas de paladar mais pobre. Climas quentes são propícios ao cultivo dos pomelos e laranjas, limas doces e ácidas e limões verdadeiros.

 

As plantas cítricas são sujeitas ao ataque de diversas doenças nas suas diferentes fases de formação e desenvolvimento: sementeira, viveiro e pomar.

Estiolamento Damping-Off - as sementes apodrecem e não germinam. As plantinhas ficam amarelecidas, com o colo apodrecido na linha do solo; tombam e morrem.
Controle - PCNB, Benomil, Quintozene. PCNB deve ser aplicado na forma de rega utilizando 2 litros de calda por metro quadrado. Preventivamente, a semeadura pode ser feita 24 horas após aplicação.

Tristeza - em copas com certa intolerância ao vírus (Ex.: Laranja 'Pera', lima ácida 'Galego' e alguns pomelos). Sintomas - canelura nos ramos, paralização do desenvolvimento da planta, clorose e redução do tamanho das folhas, folhas com sintomas de deficiência de micronutriente e frutos pequenos e endurecidos.
Controle - uso de material propagativo preimunizado com estirpes fracas do vírus.

Verrugose - lesões salientes, corticosas irregulares que se agrupam recobrindo extensas áreas da folha e dos brotos.
Controle - Benomil, Chlorotalonil, Ziram, oxicloreto de cobre, oxido cuproso, Mancozeb.

Gomose - afeta a casca e a parte externa do lenho nas raízes, tronco e até ramos mais altos. Presença de goma de coloração marrom. As folhas tornam-se amarelas.
Controle - calda bordaleza, oxicloreto de cobre-óleo, pasta bordaleza, Chlorotalomil + oxicloreto de cobre.

Rubelose - os galhos ficam revestidos pelo fungo que a princípio é branco, tornando-se amarelo róseo com o avanço da doença. O galho seca, a casca parte e se levanta. A doença começa na bifurcação dos ramos e caminha para as extremidades.
Controle - hidróxido de cobre, oxicloreto de cobre-óleo, pasta bordaleza, Chlorotalomil + oxicloreto de cobre.

Melanose - pequenas lesões arredondadas, ligeiramente salientes, de coloração escura, recobrindo grandes áreas dos frutos, folhas e ramos. Os frutos atacados são de baixo valor comercial.
Controle - benomil, calda bordaleza, oxicloreto de cobre.

 

Na base de dados organizada pelo Núcleo de Ações Estratégicas, são ofertadas estatísticas de produção e de mercado, como também tabelas contendo análises de desempenho dessas informações para um determinado período.
Os dados nacionais são gerados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e os internacionais, pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).
Na avaliação do desempenho optou-se pela mensuração da taxa geométrica de crescimento (% médio ao ano), calculada por regressão, depois da transformação logarítmica dos dados. Para um período de tempo (ex-post) de informações disponíveis, pode-se avaliar o desempenho das variáveis consideradas e as relações entre elas. Dessa maneira ao avaliar-se o desempenho da produção de uma determinada cultura, pode-se verificar o desempenho das variáveis consideradas (área colhida, produção e rendimento médio) e suas inter-relações. Analogamente, na análise de desempenho do mercado (valor de exportações/importações), pode-se concluir qual variável foi mais importante: o volume de exportações/importações ou o preço médio.

Consulte aqui os dados sobre laranja, limão e tangerina.

O manejo inadequado do controle de plantas daninhas tem contribuído para reduzir a disponibilidade de água para as plantas cítricas. A adoção dessa prática cultural permite aumentar os teores de matéria orgânica e a capacidade de retenção de água pelo solo.
Uma tecnologia alternativa de manejo que proporcione aumento da capacidade produtiva do solo, pela utilização de leguminosas como cobertura nas entrelinhas dos citros vem se destacando como uma das formas mais eficientes no controle do processo erosivo e no melhoramento das condições físicas, químicas e biológicas do solo. O feijão-de-porco, guandú, crotalarias, ao penetrarem na camada adensada descompacta o solo, permitindo maior infiltração da água, intensificando a vida biológica, enriquecendo-o com nitrogênio fixado na atmosfera por meio de uma bactéria, o rizóbio, que forma nódulos em suas raízes. Sua massa verde, deixada na superfície como cobertura morta, permite reduzir as perdas de água por evaporação, mantendo assim a umidade por mais tempo disponível para a cultura.
O citricultor deve plantar as leguminosas nas entrelinhas do pomar nos meses de outubro e novembro para as condições do estado de São Paulo e em maio e junho para as condições da Bahia e Sergipe. A roçagem dessas leguminosas pode ser mecanizada ou manual e efetuada a 20-25 cm do solo para a formação de uma boa cobertura verde. Para o estado de São Paulo recomenda-se essa roçagem no fim do período chuvoso em abril/maio e para os estados da Bahia e Sergipe em setembro/outubro.
Nesse sistema, é necessário a aplicação de manejo de um herbicida pós-emergente à base de glifosate, para dessecação do mato presente nas entrelinhas do pomar e após uma semana proceder o plantio das leguminosas mecanizado em sulcos ou manual em covas rasas. Nesse último caso, espaçados a cada 25 cm x 25 cm, colocando-se duas a três sementes por cova.

Nas linha de plantio da cultura recomenda-se o controle químico das plantas daninhas em duas épocas do ano (setembro/outubro e março/abril), com um herbicida pós-emergente à base de glifosate, para formação de cobertura morta que atuaria de maneira semelhante às leguminosas, na proteção do solo contra erosão e na redução das perdas de água por escoamento superficial e por evaporação.

Borbulhas:

Proveniente de borbulheira: R$ 0,50 /unidade

Proveniente de planta básica: R$ 10,00 / unidade

Entre em contato com nosso Posto de Vendas, por meio do e-mail mandioca-e-fruticultura.vendas@embrapa.br ou telefone (75) 3312-8042.

Deve ser feito no período chuvoso ou em outra época desde que exista água suficiente para irrigar ou regar. Evitar plantio nos dias de muito sol. Colocar na covas 200g de superfosfato simples e 1 kg de calcário, estes se a análise do solo recomendar. Devem ser bem misturados à terra. O colo da muda deve ficar acima do nível do solo (5 cm). Comprime-se a terra sobre as raízes e ao redor das plantas. Faz-se uma bacia em torno da muda e rega-se com 10 a 20 litros de água, depois cobre com palha, capim seco ou maravalha.
 
Espaçamento - Alguns fatores determinam o espaçamento a ser adotado no pomar: porte da planta, textura e níveis de nutrientes do solo, tratos culturais, culturas intercalares e irrigação.
 

Espaçamentos recomendados:

 

Cultivares Porte Espaçamento (m) Plantas (ha)
Laranjas Baianinha e Valência   6 x 4 416
Limão Tahiti, Lima da Pérsia e Pomelos Grande 5 x 4 500
Laranjas Pêra, Parson Brown, Midsweet, Natal e Rubi   6 x 3 555
Tangerinas Mexerica, Ponkan, Murcott Médio 5 x 3 ou 5 x 2
666 ou 1.000

 

 

 

 

 

 

 

 

A planta cítrica é constituída por dois indivíduos diferentes - porta-enxertos e copa. A combinação dos dois deve ser a mais harmônica possível.
O uso indiscriminado de uma única combinação possibilita o surgimento de doenças do porta-enxerto ou que possa ser controlada por ele, como a "tristeza" no primeiro caso o "declínio dos citros" no segundo.
Porta-enxertos híbridos de Poncirus trifoliata, induzem menor tamanho às cultivares, devendo-se dar preferência a eles em plantios mais adensados. Esses híbridos apresentam maior tolerância à podridão do pé (gomose).
Combinações copa/porta-enxertos que podem ser usadas nas áreas cítricolas dos Tabuleiros Costeiros, da Bahia e Sergipe.

Um pomar cítrico, por ser formado de plantas perenes, se constitui num ambiente bastante complexo onde vivem milhares de espécies de insetos. Tratos culturais adequados são de fundamental importância para o equilíbrio entre os insetos pragas e os inimigos naturais (insetos úteis) As plantas novas de até quatro anos são as mais afetadas e sofrem mais com o ataque das pragas. Nessa faixa de idade, é praticamente impossível se dispensar o controle químico, no entanto não se deve abusar dos agrotóxicos . Só aplicar o inseticida nas plantas com ataque intenso. A inspeção periódica do pomar é de fundamental importância, pois permite detectar a presença das pragas e o seu grau de infestação.

Broca da Laranjeira (Cratosomus flavofasciatus)
A larva (forma jovem) desse inseto ao se alimentar, destrói internamente parte do tronco e ramos comprometendo a circulação da seiva, e em alguns casos provocando a queda de galhos mais finos. Os adultos são besouros grandes, causam estragos pois destroem as gemas de ramos novos.
Controle:
Larva - com o auxílio de um arame, atinge-se a larva no interior da galéria; utilizando-se uma seringa, injeta-se querosene ou um inseticida fosforado no orifício; introduz-se no orifício 2 a 3 gramas de gastoxim pasta (sulfeto de alumínio). Este método elimina 100% das larvas no interior da galeria.
Adulto - no período de janeiro a junho, efetuar a catação manual do besouro (2 a 3 vezes por semana), sobre a planta armadilha "Maria Preta", Cordia verbenacea. A "maria preta" deve ser plantada num espaçamento de 100 a 150m, de preferência no contorno do pomar e em local não sombreado. É importante que esta operação seja iniciada logo que apareçam os primeiros besouros nas plantas armadilhas.

Cochonilhas e mosca branca
Causam maiores danos em plantas de até quatro anos de idade. O manejo adequado de plantas daninhas é um forte aliado no controle de pragas. Durante o período das chuvas (junho-agosto) o mato deve ser apenas ceifado em área total. No período seco (setembro a fevereiro) uma aplicação de glifosate em área total é suficiente para reduzir a ocorrência do mato. Essa prática contribui para a manutenção dos inimigos naturais das pragas.

Moscas-das-frutas - o monitoramento é uma prática valiosa pois indica o momento em que deve ser iniciado o controle; para isto utilizam-se armadilhas ou frascos caça-moscas.

Confecção dos frascos caça-moscas - garrafas de plástico vazias, de água mineral, ou outros. Com um bastão roliço de madeira, depois de aquecido, pressiona-se a garrafa em quatro pontos laterais, diametralmente opostos, fazendo-se invaginações. Na extremidade desta, faz-se um orifício de cerca de 0,5cm de diâmetro. Em seguida corta-se a garrafa transversalmentea 2/3 de altura, de forma que as duas partes resultantes possam ser encaixadas.
Os frascos devem ser colocados na periferia do pomar sob a copa das árvores, bem antes do início da maturação dos frutos, contendo uma solução com melaço de cana ou proteína hidrolizada e água.

O enxofre pode propiciar o aumento de cochonilhas e não deve ser usado em mistura com óleo mineral emulsionável. Caso use um dos produtos, espere pelo menos vinte dias para aplicar o outro. Não aplique óleo mineral emulsionável em plantas que estão em murchamento. Evitar aplicação do óleo antes de trinta dias da colheita, pois reduz o teor de açúcar dos frutos e dificulta o desverdecimento dos mesmos.

Fungicida à base de cobre pode favorecer o aumento de cochonilhas. Quando aplicado em árvores com frutos já desenvolvidos pode ocasionar a mancha estrelada.
Só aplique carbofenotion em pomelos quando estiverem maduros.

Aração - o cultivo com arado em pomares estabelecidos não é prática comum. Admite-se, no entanto, que anos sucessivos com tráfego de grade, máquinas, carretas e outros implementos resultam em compactação do solo e numa série de efeitos negativos. Diante de casos de compactação, que constituam impedimentos à expansão do sistema radicular, a aração profunda, ou mesmo a subsolagem, podem possibilitar o rompimento destas camadas impermeáveis e estimular a renovação do sistema radicular.
A aração é também executada quando se planeja recuperar ou rejuvenescer pomares que foram abandonados por algum tempo ou atingidos por um mal passageiro. Neste caso, a poda da parte aérea e das raízes induz formação de nova copa, melhorando o vigor geral da planta a partir de dois anos após o tratamento.

Gradagem - as grades de dois eixos com discos de 16 polegadas são as de uso mais freqüente sendo recomendadas, no máximo, 2 a 3 operações no pomar durante o ano. As grades laterais, que trabalham sob as copas das plantas, diminuindo a área a ser capinada, podem e são, também, usadas com frequência.
A longo prazo o uso contínuo de grade pode trazer problemas para o citricultor, motivo pelo qual deve-se limitar o número de operações.

As plantas cítricas, apesar de terem determinadas exigências em relação aos solos, adaptam-se tanto a solos arenosos como argilosos, ajudando-as nessa adaptação o uso de diferentes porta-enxertos.
Os mais indicados para o cultivo comercial são os areno-argilosos. Os citros não toleram solos impermeáveis. Devem ser evitados solos rasos ou que encharcam com facilidade.

Nos primeiros dois anos ocorrem brotações nas plantas jovens abaixo da copa. Essas brotações devem ser eliminadas bem novas com as próprias mãos. Nos dois primeiros anos, recomenda-se a retirada dos frutos, pois os mesmos não tem significação econômica e atrasam o crescimento e as safras futuras.
A capina pode ser manual, mecânica ou química. A capina manual diminue a concorrência do mato. O emprego de herbicidas deve ser feito com muito cuidado, com orientação técnica. A capina mecânica deve ser feita com grade de discos e roçadeira, em épocas diferentes.
Como o retorno do capital é demorado, uma boa prática consiste em plantar culturas intercalares nos primeiros três anos, como feijão, amendoim, fumo, batata-doce, inhame, abóbora, melancia ou fruteiras como abacaxi, mamão e maracujá. O cultivo intercalar deve ser mantido a uma distância mínima de 1,5m da laranjeira.