Web Content Display

Hífen

Normas gerais

O hífen é sinal gráfico ( - ) empregado principalmente para unir elementos de palavras compostas, verbos a pronomes oblíquos, encadeamentos de palavras e para indicar partição de sílabas de um vocábulo. É sempre usado sem espaços antes ou depois.


Use o hífen:

Em palavras compostas, locuções e encadeamentos vocabulares  

1) Nas palavras compostas por justaposição (junção de duas ou mais palavras ou radicais, os quais mantêm a mesma ortografia e acentuação anteriores à composição), com significado próprio e sem elementos de ligação entre si.

Exemplos:

amor-perfeito

azul-escuro

decreto-lei

médico-cirurgião

sul-africano

sul-mato-grossense

Observação: As expressões hora-homem, dia-homem, hora-máquina e hora-trator devem ser escritas com hífen.

Exemplo:

Não foram incluídos os custos de usinagem (hora-homem e hora-máquina), pois a construção ocorreu nas oficinas das instituições envolvidas no projeto.

Nas publicações da Embrapa, adotamos as seguintes abreviaturas para essas expressões:

dia-homem (dH)
dia-máquina (dM)
dia-trator (dT)
hora-homem (hH)
hora-máquina (hM)
hora-trator (hT)

2) Nos topônimos compostos iniciados pelos adjetivos grã, grão ou por forma verbal, ou cujos elementos estejam ligados por artigo.

Exemplos:

Baía de Todos-os-Santos

Entre-os-Rios

Grã-Bretanha

Grão-Pará

Passa-Quatro

Observação 1: Outros nomes geográficos compostos escrevem-se com os elementos separados, sem o hífen.

Exemplos:

América do Sul

Belo Horizonte

Cabo Verde


Observação 2: Os topônimos Guiné-Bissau e Timor-Leste são, contudo, exceções consagradas.

3) Nas palavras compostas que designam espécies botânicas e zoológicas, ligadas ou não por preposição ou qualquer outro elemento.

Exemplos:

abóbora-menina

andorinha-do-mar

broto-de-feijão

cajueiro-comum

fava-de-santo-inácio

feijão-verde

formiga-branca

erva-do-chá

tigre-de-bengala

Observação 1: Usadas com outro significado, essas palavras não têm hífen.

Compare:

bola-de-neve (arbusto europeu) e bola de neve (aquilo que toma vulto rapidamente)
mata-cobra (inseto) e mata cobra (tipo de bastão)
não-me-toques (certas espécies botânicas) e não me toques (melindres)

Nas publicações da Embrapa, os nomes de pragas, devem ser grafados com hífen (tendo ou não elemento de ligação).

Exemplos:

ácaro-branco

broca-do-algodoeiro

broca-da-cana-de-açúcar

cigarrinha-das-raízes

lagarta-enroladeira

vassoura-de-bruxa (nome da praga; fungo causador da doença)

Já os nomes de doenças são grafados com hífen, exceto quando apresentam elemento de ligação.

Exemplos:
cara-inchada
mancha-angular
mosaico do tomateiro
pinta-preta (=varíola)
vassoura de bruxa (nome da doença)

Para conferir exceções e orientações sobre como grafar nomes de pragas e doenças, ver aba Nomenclatura Científica.

4) Nos compostos com o advérbio bem, quando ele assume o valor de prefixo e forma uma unidade sintagmática e semântica com o elemento posposto; e nos compostos com o advérbio mal, na mesma situação, apenas quando o segundo elemento é iniciado por vogal ou h.

Exemplos:

bem-afortunado mal-afortunado
bem-ditoso mal-assombrada
bem-estar mal-educado
bem-humorado mal-estar
bem-nascido mal-humorado
bem-soante  
bem-sucedido  








    

 

 

Exceções:
benfeitor, benfeitoria, benquerer, benfazejo

Atenção: Apesar de se escrever bem-sucedido, escreve-se malsucedido.

Observação 1: Quanto ao prefixo mal:

  • A forma mal-limpo apresenta hífen por causa da consoante l, que aparece no fim de mal e no início da palavra limpo.
  • Mal com o significado de doença sempre deve ter hífen, independentemente da inicial do segundo elemento, exceto quando apresenta elemento de ligação.

Exemplos:
mal-caduco (= epilepsia)
mal-francês (= sífilis)
mal de Alzheimer

Observação 2: Quanto aos prefixos bem e mal:

Para verificar se os advérbios bem e mal são hifenizados, deve-se observar se são indissolúveis e inequivocamente ligados à palavra-base. Para isso, pode-se fazer o teste invertendo as posições das palavras na frase. Se houver prejuízo de sentido, bem/mal estará funcionando como prefixo e, por isso, deve-se usar o hífen.

Exemplo 1:
João é um menino bem-educado porque foi bem educado.

 

[Invertendo a construção “menino bem-educado”, tem-se “menino educado bem”. Há prejuízo de sentido. Portanto, “bem” aqui é prefixo e deve ser hifenizado]

 

[Invertendo a construção “foi bem educado”, tem-se “foi educado bem”. Não há prejuízo de sentido. Portanto, “bem” aqui é advérbio e, por isso, não leva hífen.]

 

Exemplo 2:
Houve um mal-entendido porque o assunto foi mal entendido.

 

[Invertendo a construção “um mal-entendido”, tem-se “um entendido mal”. Há prejuízo do sentido. Portanto, “mal” aqui é prefixo e deve ser hifenizado]

 

[Invertendo a construção “foi mal entendido”, tem-se “foi entendido mal”. Não há prejuízo do sentido. Portanto, “mal” aqui é advérbio e, por isso, não leva hífen]


5)  Nas palavras que se combinam formando encadeamentos vocabulares que mantêm sua unidade original e não formam novo significado, bem como combinações históricas ou ocasionais de topônimos.

Exemplos:
acordo Alemanha-Estados Unidos
dissolução da Áustria-Hungria
interação professor-aluno
linha aérea Lisboa-Coimbra-Porto
ponte Rio-Niterói
processo ensino-aprendizagem
região Alsácia-Lorena
relacionamento patrão-empregado
tratado Angola-Brasil
trecho Tóquio-Nova York
trimestre abril-junho

6) Nos nomes de rodovias e estradas.

Exemplos:

O acidente ocorreu na BR-116.

A fazenda localiza-se na GO-060.

7) Nos casos de ênclise e mesóclise.

Exemplos:

amá-lo (ênclise)

deixa-o (ênclise)

enviar-lhe-emos (mesóclise)

8) Nas formações com os sufixos de origem tupi-guarani que representam formas adjetivas, como -açu, -guaçu e -mirim.

Exemplos:

amoré-guaçu

anajá-mirim

capim-açu

9) Nas palavras derivadas de um nome próprio constituído por dois ou mais termos ou de uma expressão.

Exemplos:

Bossa Nova – bossa-novista

São Paulo –  são-paulino

10) Nos adjetivos gentílicos (ou seja, adjetivos que se referem ao lugar onde se nasce) derivados de nomes geográficos compostos, que contenham ou não elementos de ligação.

Exemplos:
belo-horizontino (da cidade de Belo Horizonte)
cruzeirense-do-sul (da cidade de Cruzeiro do Sul)
juiz-forano (da cidade de Juiz de Fora)
rio-grandino (da cidade do Rio Grande)
mato-grossense-do-sul ou sul-mato-grossense (do estado de Mato Grosso do Sul)
rio-grandense-do-norte ou norte-rio-grandense (do estado do Rio Grande do Norte)

11) Nos substantivos compostos por dois verbos.

Exemplos:

ganha-perde

puxa-encolhe

vai-volta

Exceção:

vaivém (aceita-se também a grafia vai e vem).

12) Nos nomes dos dias da semana.

Exemplos:

segunda-feira

terça-feira

13) Em designação de cargos ou funções profissionais:

  • Cargos formados pelo adjetivo geral.

Exemplos:

chefe-geral

diretor-geral

procurador-geral

ouvidor-geral

secretário-geral

  • Postos e gradações da diplomacia, da hierarquia militar e da hierarquia dentro de empresas/órgãos.

Exemplos:

capitão-tenente

diretor-adjunto

diretor-comercial

diretor-executivo

diretor-gerente

editor-assistente

editor-chefe

secretário-executivo

sócio-gerente

tenente-coronel

Observe, no entanto, que os nomes compostos ligados por preposição ficam sem hífen.

Exemplos:

brigadeiro do ar

general de brigada

general de exército

Exceção: Substantivos compostos que denotam graus na carreira acadêmica.

Exemplos:

professor adjunto

professora assistente

professora titular

  • Cargos e postos formados por numerais.

Exemplos:

primeiro-ministro

terceiro-secretário

segundo-vice-presidente do Senado

Observação: Use hífen também nos nomes dos respectivos órgãos/setores. Nesses casos, como se trata de substantivo próprio, ambos os elementos conservam a inicial maiúscula.

Exemplos:

Chefia-Geral
Controladoria-Geral da União
Diretoria-Executiva
Diretoria-Geral
Gerência-Adjunta

14) Nos substantivos compostos que denotam categorias profissionais, quando estiverem registrados com hífen no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp) (Academia Brasileira de Letras, 2009) e nos dicionários de referência.

Exemplos:

engenheiro-agrônomo

médico-veterinário

Observação: As demais categorias de engenheiros, não registradas com hífen nos dicionários nem no Volp, são grafadas sem hífen, tenham ou não elemento de ligação.

Exemplos:

engenheiro de minas
engenheiro de alimentos
engenheiro florestal

15) Nos substantivos comuns de origem estrangeira iniciados com e (abreviatura de electronic).

Exemplo:

e-mail (palavra já dicionarizada em português)

Por analogia com a palavra e-mail, optou-se por grafar outras palavras com hífen e sem itálico.

Exemplos:

e-book

e-business

e-commerce

e-reader

Exceção: A expressão ePub (abreviação para electronic publication) é um formato de arquivos para publicações digitais. Nas publicações da Embrapa, optou-se por essa forma abreviada (sem hífen e com o P em maiúscula), porque essa abreviatura é a mais amplamente usada em sites de livrarias e no universo comercial.

16) Nos adjetivos compostos designativos de cor.

Exemplos:

amarelo-cinzento

amarelo-forte

amarelo-fosco

azul-intenso

branco-sujo

cinza-chumbo

marrom-escuro

preto-metálico

rosa-pálido

verde-claro

verde-transparente

vermelho-vivo

violeta-claro

Observação 1: Nos compostos cor + de + substantivo, não se usa hífen.

Exemplos:

Minha camisa é cor de laranja.
Os sapatos cor de café combinaram com aquele cinto cor de areia.

Exceção: Em cor-de-rosa, mantém-se o hífen, porque seu uso já está consagrado.

Exemplo:

Comprei dois vestidos cor-de-rosa.

Para informações sobre concordância nominal desses adjetivos, ver aba Concordância Nominal.

17)  Nos compostos quando entre seus elementos há o emprego de apóstrofo.

Exemplos:

caixa-d’água
mestre-d’armas


Em formações com prefixos ou falsos prefixos

A tabela a seguir resume as regras de uso do hífen em formações com alguns prefixos ou falsos prefixos de origem grega e latina.

Observação:
1) Os prefixos pós-, pré- e pró- (tônicos) são acentuados graficamente.

Exemplos:

pré-natal

pós-tônico

pró-africano

Observação 1: Quando esses prefixos forem átonos, devem ser escritos sem hífen e sem acentuação gráfica.

Exemplos:

preâmbulo

predeterminar

preestabelecer

preexistência

 Observação 2: Pode haver alternância entre pre- e pré-, pos- e pós, pro- e pró-.

Exemplos:

preesclerótico ou pré-esclerótico

postônico ou pós-tônico

proativo ou pró-ativo


2)  Quando o prefixo ou falso prefixo se junta a uma sigla ou nome próprio, deve-se sempre usar hífen.

Exemplos:

mini-GPS

anti-União Europeia (ou anti-UE)

 

Não use o hífen:

Em palavras compostas, locuções e encadeamentos vocabulares

1) Nas locuções de qualquer tipo (substantivas, adjetivas, pronominais, adverbiais, prepositivas ou conjuncionais) que contêm formas de ligação, salvo naquelas em que o uso do hífen já é consagrado.

Exemplos:

mão de obra

pé de moleque

cor de vinho

cor de café

arco e flecha

comum de dois

tão somente

ponto e vírgula


Exceções (uso consagrado):

à queima-roupa

água-de-colônia

ao deus-dará

arco-da-velha

cor-de-rosa

mais-que-perfeito

pé-de-meia

2) Nas locuções à toa (adjetivo e advérbio) e dia a dia (substantivo e advérbio).

3) Nas locuções em que não e quase têm função prefixal.

Exemplos:

Gandhi lutou seguindo o princípio da não agressão.

Segundo a pesquisa da organização não governamental, os resultados foram desastrosos.

O quase delito é também um ato ilícito.

4) Nas locuções latinas usadas como tais, quando não aportuguesadas.

Exemplos:
ab initio
ad hoc
carpe diem
causa mortis
data venia
habeas corpus

Exceção: ex-libris

5) Em numerais ordinais compostos, quando for necessário escrevê-los por extenso (por exemplo, em início de frase).

Exemplos:

Décimo quinto país no ranking mundial, o Chile produziu 500 toneladas da fruta em 2014.

Para mais detalhes, ver aba Numeral.

Em formações com prefixos ou falsos prefixos

1) Com os prefixos des- e in-, quando o segundo elemento perde o h inicial.

Exemplos:

desumano

inábil

inabitável

2) Embora o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp) (Academia Brasileira de Letras, 2009) registre micro-organismo ou microrganismo, nas publicações da Embrapa, adota-se microrganismo.  

3) Nas formações em que o prefixo ou falso prefixo termina em vogal, e o segundo elemento começa com r ou s. Nesses casos, as consoantes r e s devem ser duplicadas.

Exemplos:
antirreligioso
biossatélite
cosseno
extrarregular
infrassom
microrradiografia

Exceção: Sigla ou nome próprio (sempre com hífen).

Exemplo:  

anti-Rússia

4) Nas formações em que o prefixo ou falso prefixo termina em vogal, e o segundo elemento começa com vogal diferente.

Exemplos:

agroindustrial

antiaéreo

autoestrada

hidroelétrico

plurianual

 

Exceção: Sigla ou nome próprio (sempre com hífen).

Exemplo:

pró-Obama
anti-UV

 
Observações gerais:   

1) Uso de maiúsculas em segundo elemento de palavras com hífen.

Nas palavras compostas e nos encadeamentos vocabulares hifenizados, o emprego das letras maiúsculas deve seguir estas recomendações:

  • Quando a palavra composta for nome comum em início de frase, só o primeiro elemento é escrito com inicial maiúscula.

Exemplos:

Sul-americanos são favoritos na Copa.
Couve-flor faz bem à saúde.
Pós-colheita de frutas e hortaliças é o tema dos livros desta coleção.
Sexta-feira é o dia mais esperado da semana.
Ensino-aprendizagem é um processo mediante o qual o educador é um mediador de conhecimentos.

  • Quando a palavra composta for nome próprio composto ou dele fizer parte (topônimo, repartição, instituição, evento, datas ou fatos históricos, etc.), todos os elementos são escritos com iniciais maiúsculas, independentemente de estarem no início ou no interior da frase.

Exemplos:

Grã-Bretanha e Irlanda localizam-se no Atlântico Norte.
A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PRPPG) é o órgão responsável pela coordenação e supervisão das atividades de pesquisa da universidade.
A Vice-Presidência da República anunciou a data da cerimônia.
A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), fundada em 1902, é a organização de saúde pública mais antiga do mundo.
O presidente compareceu à abertura do Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação da UnB.
A Quinta-Feira Negra ocorreu em 24 de outubro de 1929.
O Decreto-Lei nº 704, de 24 de julho de 1969, ampliou o plano básico de Previdência Social Rural.
O Programa de Pré-Melhoramento do Feijão-Comum iniciou-se em 2004.


2) Translineação

Evite que se separem, em quebra de linha, os elementos de uma locução ou palavra em que há hífen. No entanto, caso isso seja inevitável e a partição coincida com o final de um dos elementos do conjunto, deve-se repetir o hífen no início da linha imediata.

Exemplos:

matéria-
-prima

Era preciso ouvi-
-los

Integração lavoura-pecuária-
-floresta

Observação 1: No caso de sigla com elementos separados por hífen ou barra, não se deve separar os elementos em quebra de linha. Deve-se levar o conjunto todo para a linha de cima ou para a linha de baixo.

Exemplo 1:

[CERTO]
Conforme dados da
Emater-DF


[ERRADO]
Conforme dados da Emater-
DF

 

Exemplo 2:

[CERTO]
O Decreto nº 5.033, de 5 de abril de 2004, concluiu
esse processo, com a recriação do Dater, agora
na estrutura da Secretaria de Agricultura Familiar
(SAF/MDA).


[ERRADO]
O Decreto nº 5.033, de 5 de abril de 2004, concluiu
esse processo, com a recriação do Dater, agora
na estrutura da Secretaria de Agricultura Familiar (SAF/
MDA
).

 

Algumas palavras com hífen

abaixo-assinado (documento) formiga-leão
abelha-africana licença-prêmio
abelha-mestra má-formação (ou malformação)
afro-brasileiro mal-acabado
além-mar mal-aconselhado
além-Atlântico mal-afamado
amarelo-claro mal-afeiçoado
anti-inflamatório mal-afortunado
bem-acabado mal-agradecido
bem-aceito mal-ajambrado
bem-afamado mal-ajeitado
bem-agradecido mal-amado
bem-amado mal-apanhado
bem-apanhado mal-apessoado
bem-apessoado mal-arranjado
bem-arranjado mal-arrumado
bem-arrumado mal-assombrado
bem-aventurado mal-aventurado
bem-comportado mal-avisado
bem-criado mal-empregado
bem-disposto mal-encarado
bem-dormido mal-entendido (adjetivo e substantivo)
bem-dotado mal-humorado
bem-educado mal-intencionado
bem-falante mal-usado
bem-feito Manga-Larga (raça de cavalo)
bem-humorado maria-mole
bem-intencionado marmeleiro-bravo
bem-mandado matéria-prima
bem-nascido médico-veterinário
bem-posto mesa-redonda
bem-proporcionado milho-doce
bem-soante milho-verde (variedade; diferente de “milho verde” = milho que não está maduro)
bem-sucedido mofo-branco (doença)
bem-visto mono-hidroxilada
bicho-da-seda palavra-chave
broto-de-feijão papel-moeda
cajueiro-anão papel-manteiga
cajueiro-comum papel-alumínio
camarão-da-malásia papel-filtro
cana-de-açúcar papel-carbono
capim-buffel papel-toalha
capim-marandu para-brisa
capim-elefante para-choque
castanha-de-caju país-membro
castanha-do-pará pau-brasil
chefe-adjunto pessegueiro-bravo
chefe-administrativo pinheiro-bravo
chefe-geral plano-piloto
cipó-de-veado planta-mãe
coco-verde pré-eleição (ou preeleição)
coqueiro-anão pré-requisito (ou prerrequisito)
couve-crespa pró-ativo (ou proativo)
custo-benefício projeto-piloto
decreto-lei primeiro-secretário
desvio-padrão público-alvo
di-hidroxilada sabiá-laranjeira
diretor-executivo salário-base
Diretoria-Executiva salário-família
diretor-presidente sal-gema
engenheiro-agrônomo segunda-feira
erva-mate Secretaria-Geral
fazenda-modelo sem-terra (mas “Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra”)
ferro-gusa sigatoka-negra (doença)
força-tarefa   turbo-hélice (ou turboélice)
  uva-do-japão

 

Algumas palavras sem hífen

abaixo assinado (signatário) pai de família
acetilsalicílico palavra de ordem
açúcar mascavo paraquedas
aerossol pão de ló
afrodescendente pão de mel
agroindústria passo a passo
agronegócio pau a pique
agrossilvipastoril pé da letra
autoatribuído pé de boi (trabalhador esforçado)
azul de metileno pé de cabra (alavanca metálica)
bom senso pé de moleque
casa de vegetação placa de Petri
coedição planta daninha
covariância ponto de exclamação
dia a dia ponto de interrogação
dona de casa ponto de vista
edafoclimático ponto e vírgula
edafobiológico pôr do sol
editor técnico prata da casa
efeito cascata precondição
efeito estufa predeterminar
erva daninha preestabelecer
estado da arte preeleição (ou pré-eleição)
fora de série preexistente
força motriz prejulgar
Guarda Nacional prerrequisito (ou pré-requisito)
habeas corpus preto e branco
hora extra proativo (ou pró-ativo)
infantojuvenil proatividade
infectocontagioso professor adjunto
infraestrutura professor assistente
infravermelho professor titular
in limine projeto de lei
in loco pseudoartrite
in memoriam pseudorrainha
in natura pulo do gato
in situ radioimunensaio
inter vivos radiossonda
leite de coco radiotáxi
livro de bolso reengenharia
madeira de lei revisor de texto
malcasado rosa dos ventos
malcheiroso salário mínimo
malcomportado semiárido
malconceituado semirracional
malconservado semissilvestre
malcriado semiúmido
malcuidado sobreloja
maldisposto socioambiental
malfadado socioeconômico
malfalado sociodemográfico
malfeito subequatorial
malformado subespécie
malformação (ou má-formação) subordem
malnutrido subsaariano
malparecido subutilitário
malpassado superinfecção
malposto supermãe
malsatisfeito supervisor editorial
malsonante supraestrutura
malsucedido suprarrenal
malvestido tão só
malvisto tão somente
mão de obra termossolar
meio ambiente toxicodependente
motosserra turboélice (ou turbo-hélice)
musculoesquelético (adjetivo) ultraortodoxo
  ultrarrápido
  ultrassom
  vaivém (ou vai e vem)
  vermelho de bromocresol
  videoconferência