Web Content Display

Nomes científicos e comuns

Nomes científicos de vírus

A seguir, estão apresentadas regras resumidas para nomenclatura científica de vírus.

Para consultar as regras completas de nomenclatura de vírus, recomenda-se acessar o código internacional que as sistematizam (que constam ao fim desta aba).

Para consultar os nomes das espécies, recomenda-se acessar as bases de dados autorizadas (que constam ao fim desta aba).

 

Taxonomia

  • As regras para nomenclatura dos vírus são independentes das regras para nomenclatura científica dos demais seres. Para certificar-se da escrita correta do nome, consulte o site das bases de dados.


Observação 1: O sistema de classificação universal de vírus utiliza os níveis hierárquicos de ordem, família, subfamília, gênero e espécie – conforme consta International Committee on Taxonomy of Viruses (ICTV) em General Rules - 3. Rules of Classification and Nomenclature – The universal scheme - item 3.2.

Observação 2: Os nomes de gênero e acima de gênero são escritos em latim; no entanto, o nome científico da espécie do vírus é em inglês. Mesmo assim, há casos em que pode haver palavras em latim (quando se inclui, no nome do vírus, a espécie de organismo que ele infecta).

Algumas diretrizes

  • Em sua primeira menção, o nome da espécie do vírus deve vir acompanhado de sua sigla.
  • Na primeira citação formal de uma espécie de vírus no texto, deve-se acrescentar o nome do gênero e da família. Depois, ao longo do texto, pode-se utilizar a sigla ou o nome comum do vírus.    

Exemplo:
Um dos problemas clássicos é o mosaico-comum, causado pelo Bean common mosaic virus (BCMV), gênero Potyvirus, pertencente à família Potyviridae. O BCMV é transmitido, na natureza, por [...]

  • Nomes científicos não são traduzidos. No entanto, se o nome do vírus em português é tradicionalmente utilizado, ele pode ser referido na primeira citação, contanto que seguido do nome em inglês, entre parênteses e em itálico, acompanhado da respectiva sigla, tal como definidos pelas bases de dados dos vírus.

Observação: Não há sigla para os nomes traduzidos para português, pois não são reconhecidos internacionalmente.   

Exemplos:

A doença é causada pelo vírus do mosaico da cana-de-açúcar (Sugarcane mosaic virus – SCMV).

O vírus do mosaico do tomateiro (Tomato mosaic virus – ToMV) é distinto do vírus do mosaico do fumo (Tobacco mosaic virus – TMV), porém os sintomas que os dois vírus causam em tomateiro são indistinguíveis.

  • Os nomes de ordens de vírus (por exemplo, Mononegavirales), famílias (por exemplo, Picornaviridae), subfamílias (por exemplo, Parvovirinae) e gêneros (por exemplo, Hepacivirus) são escritos em itálico, com letra inicial maiúscula.
  • Os nomes científicos de espécies de vírus são grafados em itálico e com a primeira letra da primeira palavra em maiúscula (por exemplo, Mumps virus). As demais palavras não apresentam a primeira letra em maiúscula, a menos que sejam nome próprio (West Nile virus), partes de nomes próprios (Enterobacteria fago MS2) ou identificadores alfabéticos (Enterovirus A).
  • No entanto, nomes de estirpes de vírus não são grafados em itálico. A primeira letra do primeiro nome é minúscula (herpes simplex virus), a menos que seja um nome próprio, normalmente com base na nomenclatura binomial das espécies que infecta.

Exemplo:

[Nome da espécie] Saccharomyces cerevisiae virus L-A

[Nome da estirpe do vírus] Saccharomyces cerevisiae virus L-A (ScV-L-A)

Portanto, o nome das espécies é em itálico, e o nome das estirpes, sem destaque.

 

O conteúdo desta página foi atualizado em 21/08/2018.

Página anterior Próxima página