Notícias

12/05/22 |

Embrapa, Sanepar e Prefeitura de Colombo-PR prospectam ações ambientais voltadas a professores e estudantes para proteção de rios e florestas

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

 - Da secretaria do Meio Ambiente de Colombo, Dalva Simone Dias apresentou algumas das propostas que serão realizadas em parceria no projeto de educação ambiental

Da secretaria do Meio Ambiente de Colombo, Dalva Simone Dias apresentou algumas das propostas que serão realizadas em parceria no projeto de educação ambiental


A preservação das matas no entorno das nascentes é uma ação fundamental para a manutenção da qualidade das águas, e é uma questão que afeta todo o ambiente, principalmente as populações das cidades. A situação não é diferente no município de Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba-PR, onde se situa a Embrapa Florestas. Lixo doméstico e esgoto de casas no entorno da mata que compõe o centro de pesquisas tem sido algo recorrente, pois comunidades vem se formando sem planejamento urbano e, portanto, sem acesso ao saneamento básico.

Para lidar com o problema, será desenvolvido um projeto de educação ambiental pela Embrapa Florestas, em parceria com a Prefeitura de Colombo e a Sanepar. O encontro para discutir as possíveis ações foi realizado, no dia 10/05, na Embrapa Florestas, e contou com a presença de professoras do Ensino Fundamental do município, que também protagonizarão as atividades.

Nove afluentes do rio Palmital perpassam as áreas da Embrapa Florestas. Em algumas destas nascentes, infelizmente, é possível se constatar muito lixo doméstico de toda espécie, que causa entupimento de bueiros e assoreamento do rio. Este problema foi constatado pela Embrapa há 20 anos, e vem se agravando ao longo do tempo. Em alguns destes afluentes ocorre o despejo de esgoto in natura.

Na Embrapa Florestas, há a Comissão Socioambiental interna que vem implementando mutirões para limpeza de rios e coleta de lixo depositado nas águas. Mas para a resolução do problema é necessário unir esforços entre as instituições. “Esta situação compromete a qualidade de vida das pessoas no nosso entorno. Além disso, a Embrapa Florestas tem como premissa prezar pela sustentabilidade de suas ações de pesquisa, desenvolvimento, inovação e de gestão. A questão ambiental é um dos pilares da sustentabilidade”, diz Marcílio José Thomazini, chefe-geral em exercício, da Embrapa Florestas. 

 

Ações conjuntas
“Precisamos construir juntos esse trabalho de conscientização de forma comprometida e continuada entre as instituições, as crianças e a população”, diz Marcos Rachwal, pesquisador da Embrapa Florestas que coordena as ações da Embrapa no projeto. Dentro do cronograma de atividades do projeto de educação ambiental, estão previstas ações entre maio e outubro, e que deverão envolver cerca de 500 crianças do 3º ano do Ensino Fundamental, de sete escolas de Colombo.

Representantes da Sanepar e da Secretaria de Meio Ambiente (Semma) e de Educação (Semed) de Colombo apresentaram, no encontro, as ações que serão desenvolvidas em parceria com a Embrapa Florestas, como oficinas e outras metodologias junto aos professores, saídas de campo a áreas de florestas ciliares, como também atividades em sala de aula, relacionadas às problemáticas de cada comunidade. “A expectativa é levar os alunos em áreas de surgência natural de água, experiência que enriquecerá a concepção socioambiental destas crianças”, diz Rachwal. No encerramento do projeto, prevê-se a realização de uma feira do conhecimento, com a mostra das atividades desenvolvidas e os resultados obtidos.

 

Este conteúdo está relacionado aos ODS 1,4,6,11,12,15, 16 e 17 nas seguintes metas:

-ODS 1:

1.5  até 2030, construir a resiliência dos pobres e daqueles em situação de vulnerabilidade, e reduzir a exposição e vulnerabilidade destes a eventos extremos relacionados com o clima e outros choques e desastres econômicos, sociais e ambientais;

 

-ODS 4:
4.7  até 2030, garantir que todos os alunos adquiram conhecimentos e habilidades necessárias para promover o desenvolvimento sustentável, inclusive, entre outros, por meio da educação para o desenvolvimento sustentável e estilos de vida sustentáveis, direitos humanos, igualdade de gênero, promoção de uma cultura de paz e nãoviolência, cidadania global, e valorização da diversidade cultural e da contribuição da cultura para o desenvolvimento sustentável;


-ODS 6:
6.3  até  2030,  melhorar  a  qualidade  da  água,  reduzindo  a  poluição,  eliminando  despejo  e minimizando a liberação de produtos químicos e materiais perigosos, reduzindo à metade a proporção de águas residuais não tratadas, e aumentando substancialmente a reciclagem e reutilização segura globalmente;
6.5  até 2030, implementar a gestão integrada dos recursos hídricos em todos os níveis, inclusive via cooperação transfronteiriça, conforme apropriado;

6.b  apoiar e fortalecer a participação das comunidades locais, para melhorar a gestão da água e do saneamento;

 

-ODS 11:

11.a  apoiar relações econômicas, sociais e ambientais positivas entre áreas urbanas, peri-urbanas e rurais, reforçando o planejamento nacional e regional de desenvolvimento;

 

-ODS 12:

12.2  até 2030, alcançar gestão sustentável e uso eficiente dos recursos naturais;

12.4  até 2020, alcançar o manejo ambientalmente adequado dos produtos químicos e de todos os resíduos, ao longo de todo o ciclo de vida destes, de acordo com os marcos internacionalmente acordados, e reduzir significativamente a liberação destes para o ar, água e solo, para minimizar seus impactos negativos sobre a saúde humana e o meio ambiente;

 

-ODS15:

15.1 até 2020, assegurar a conservação, recuperação e uso sustentável de ecossistemas terrestres e de água doce interiores e seus serviços, em especial, florestas, zonas úmidas, montanhas e terras áridas, em conformidade com as obrigações decorrentes dos acordos internacionais;

 

-ODS 16:

16.7 garantir a tomada de decisão responsiva, inclusiva, participativa e representativa em todos os níveis;

 

-ODS 17:

17.7  promover o desenvolvimento, a transferência, a disseminação  e a difusão de tecnologias ambientalmente corretas para os países em desenvolvimento, em condições favoráveis, inclusive em condições concessionais e preferenciais, conforme mutuamente acordado;

17.14  aumentar a coerência das políticas para o desenvolvimento sustentável;

17.17  incentivar e promover parcerias públicas, público-privadas, privadas, e com a sociedade civil eficazes, a partir da experiência das estratégias de mobilização de recursos dessas parcerias.

 

Manuela Bergamim (MTb 1951-ES)
Embrapa Florestas

Contatos para a imprensa

Telefone: 41- 3675-5600

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Galeria de imagens

Encontre mais notícias sobre:

odsods-15ods-12ods-17ods-11ods1ods-4ods-6ods-16