Perguntas e respostas

Organização: Joel Penteado
Edição: Katia Pichelli e Simone Soares


1. Qual é a érea de ocorrência natural da erva-mate?

A região de ocorrência natural da erva-mate se localiza entre as latitudes de 22º S e 30º S e longitudes 48º 30´ W e 56º 10´ W.

No Brasil, a erva-mate ocorre naturalmente em uma área de aproximadamente 540.000km², abrangendo os estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, extremo Sul de São Paulo e do Mato Grosso do Sul.

Nos países vizinhos, a planta é nativa na Província de Misiones, em parte das Províncias de Corrientes e de Tucumã na Argentina e, no Paraguai, na área situada entre os rios Paraná e Paraguai.



2.  Em que tipos de clima a erva-mate se adapta melhor?

Na área de distribuição natural da erva-mate, ocorrem dois tipos climáticos, conforme a classificação de Köeppen: Cfb (clima temperado) e Cfa (clima subtropical), com chuvas regulares, bem distribuídas ao longo do ano e com médias de precipitação pluviométrica variando de 1.500 mm a 2.000 mm.

A espécie ocorre em altitudes que variam de 500 a 1.500 m de altitude, onde as temperaturas médias anuais variam de 15º C a 18º C e as geadas são frequentes ou pouco frequentes, dependendo da altitude.


 

3. No Brasil, quais são os Estados produtores?

Rio Grande do Sul, Santa  Catarina, Paraná e, em menor quantidade, o Mato Grosso do Sul.



4. Quando se iniciou a exploração econômica da erva-mate no Brasil?

Segundo os registros históricos, o início desta atividade ocorreu em 1610 pelos Jesuítas. Eles passaram a explorar o comércio e fizeram as primeiras exportações para a Europa.



5. Qual foi a importância da erva-mate no desenvolvimento do Brasil?

Foi responsável pelo surgimento e prosperidade de muitas cidades do Sul do Brasil. No Paraná, serviu como argumento econômico para a emancipação política da província, em 19 de dezembro de 1853. Atualmente, ainda é o principal produto da economia de muitos municípios do Sul do Brasil.



6. O ciclo da erva-mate ocorreu em que período da história brasileira?

O ciclo econômico da erva-mate foi um dos grandes ciclos da economia brasileira. Iniciou em 1820 e declinou junto com o restante da economia mundial na crise de 1930. Até este período, foi a base econômica dos Estados do Sul.



7. Quais os tipos de solo onde a erva-mate pode ser cultivada?

São considerados solos aptos para o plantio da erva-mate aqueles que apresentam textura argilosa, com boa profundidade e drenagem adequada. Apesar de a espécie ocorrer naturalmente em solos de baixa fertilidade, com altos teores de alumínio e pH baixo, ela deve ser cultivada em solos com fertilidade natural de média a alta.

Solos com menos de um metro de profundidade ocasionam queda no desenvolvimento e rendimento da erva-mate.

Os efeitos negativos de solos rasos às erveiras são acentuados em períodos de deficiência hídrica, chegando até a reduzir a vida útil das plantas.
A erva-mate também não suporta solos compactados e/ou encharcados.



8. Como são produzidas as mudas de erva-mate?

A produção de mudas de erva-mate é comumente realizada por sementes devido a algumas vantagens associadas a este tipo de multiplicação, tais como facilidade e menor custo de produção.

Este tipo de propagação permite que determinadas características (produção de massa foliar, precocidade etc) da planta-mãe sejam herdadas para a próxima geração. No  entanto, deve-se levar em consideração a variabilidade genética entre as mudas produzidas por esse método.



9. Quais são os cuidados que se deve tomar na escolha das sementes para a produção de mudas de erva-mate?

Na escolha de árvores produtoras de sementes de erva-mate, deve-se observar, principalmente, características como vigor da planta, com boa produtividade de massa foliar; boa ramificação, tipo de folha e árvores não muito velhas.



10. É necessário algum procedimento especial para que as sementes germinem?

Deve-se coletar os frutos maduros e separá-los das sementes por meio da maceração em peneira, sob água corrente. Em seguida, é realizada a estratificação que consiste em alternar uma camada de sementes entre duas camadas de areia. O período de estratificação dura entre 3 a 6 meses.

Após o período de estratificação, as sementes devem ser levadas para a  etapa de germinação.



11. Quais os tipos de recipientes recomendados para a produção das mudas?

Os recipientes utilizados para a produção de mudas de erva-mate podem variar de tamanho, formato e tipo de material.
Recomenda-se o uso de tubetes com volume de 75cm³ e 110cm³, pois este tipo de embalagem tem como vantagens o uso racional da área do viveiro, acondicionando um número maior de mudas por unidade de área, além de propiciar a automatização do sistema de produção, reutilização, ergonomia adequada e melhor desenvolvimento do sistema radicular das mudas.


 

12. Qual o tipo de substrato em que a erva-mate terá melhor desenvolvimento?

O substrato onde as mudas se desenvolverão deve permitir perfeita drenagem, arejamento e retenção adequada de água para o bom desenvolvimento das mudas. Pode-se utilizar substratos comerciais.

São muitas as opções de substratos comerciais oferecidos de forma pura ou  combinada para a propagação de espécies florestais. Dificilmente se encontra um material com características ótimas para a produção de todas as espécies. Para a escolha do substrato, é necessário observar as características físico-químicas, o sistema de produção, a espécie e a viabilidade econômica (custo/benefício).       



13. Durante a fase de viveiro, é necessário adubar as mudas de erva-mate?

No período de produção de mudas de erva-mate em viveiros, a adubação é muito variável em função do tipo de substrato utilizado, tipo de manejo do viveiro e sistema de produção.

Como recomendação geral, deve-se adubar o substrato antes da semeadura e a aplicação de adubação de cobertura com solução nutritiva varia conforme a fase de crescimento e necessidades das mudas.



14. Qual a outra forma de produzir mudas de erva-mate, além da produção via sementes?

A erva-mate pode ser produzida por meio da técnica da miniestaquia, que é uma variação da estaquia convencional. Consiste na utilização de brotações de plantas propagadas pelo método de estaquia ou de mudas oriundas de sementes como fontes de material vegetativo a ser induzido ao enraizamento.

A erva-mate é uma espécie de difícil enraizamento, e o tempo para enraizar varia conforme a origem do material genético, idade e o sexo das plantas.



15. Quais os principais parâmetros para avaliar qualidade de mudas?

Se as mudas forem adquiridas de viveiros comerciais, antes de efetivar a aquisição, deve-se separar dez mudas ao acaso, retirar a embalagem, destorroar e verificar quantas mudas tem raiz enovelada. Recomenda-se tolerar, no máximo, 5% de mudas nessas condições.

De modo geral, as mudas de boa qualidade devem ter as seguintes características:

• aspecto sadio, sem sintomas de ataque de pragas, doenças ou  descoloração nas folhas, o que é indicativo de deficiência nutricional;

• ter passado por um período de rustificação;

• ter pelo menos 20 cm de altura e diâmetro do colo em torno de 3 mm;

• parte aérea não dever ser maior que 1,5 vez o tamanho do seu  recipiente;

• apresentar boa formação radicular, ou seja, as raízes não podem estar   "enoveladas".



16. Quais são as características de um viveiro de boa qualidade?

Viveiros de produção de mudas florestais devem apresentar as seguintes características:

boa insolação e ventilação,

drenagem natural satisfatória;

boa disposição dos canteiros, cujo comprimento deverá estar preferencialmente no sentido norte-sul ou pelo menos com face norte (mais quente, ensolarada e protegida do vento sul);

canteiros livres de ervas daninhas;

sementes devem ser oriundas de procedência qualificada;

práticas de seleção e de descarte de mudas;

estar cadastrado nos órgãos legisladores competentes.



17. Quais são os requisitos principais que se deve atender para que o plantio de um erval obtenha êxito?

Para que um erval plantado atinja os objetivos desejados, é imprescindível atender aos seguintes requisitos:

escolher corretamente a área para o plantio;

escolher criteriosamente as mudas que serão utilizadas;

preparar adequadamente o solo;

escolher o espaçamento conforme o sistema de plantio (puro ou em sistemas agroflorestais);

realizar o plantio em períodos que as temperaturas não sejam extremas e que também haja disponibilidade de água suficiente para o seu desenvolvimento;

após o plantio, as mudas devem ser protegidas do sol.
 


18. Quais as características que o solo deve ter para que a erva-mate plantada se desenvolva bem?

A erva-mate tolera solos ácidos, mas é uma planta muito exigente quanto às condições físicas do solo, portanto, o plantio deve ser realizado em áreas que tenham as seguintes características:

• solos profundos e bem arejados;

• solos não sujeitos a encharcamentos;

• solos não compactados.



19. Como deve ser preparada a área para o plantio da erva?

• controlar mecanicamente ou quimicamente as plantas invasoras;

• se o solo estiver compactado, realizar a descompactação;

• preparar o solo por meio de aração e gradagem;

• realizar o coveamento, mecânico ou manual;

• em áreas com declive, realizar o plantio em nível para favorecer as práticas de manejo e controlar a erosão.




20. É necessário utilizar fertilizantes nos ervais?

Sim! Diversos trabalhos de pesquisa indicaram que a erva-mate nativa ou plantada responde à adubação e que os níveis de nutrientes extraídos do solo pela cultura são equivalentes a culturas como a do milho e da soja. A calagem na cultura da erva-mate tem como principal objetivo fornecer cálcio e magnésio e não alterar o pH, pois a espécie tolera a acidez do solo.

Não existe uma recomendação quanto à formulação de fertilizantes a serem utilizadas nos ervais. É necessário realizar análise do solo para saber qual proporção de fertilizante será necessária.

 

21. Qual é o espaçamento que se deve plantar a erva-mate?

O espaçamento entre plantas é determinado de acordo com o tamanho da área, sistema de produção a ser adotado e disponibilidade de recursos do produtor.

Em sistemas de plantio solteiro, podem ser utilizados 3,50 m x 1,50 m; 2,50 m x 1,50 m; 2,25 m x 1,5m. Em sistemas agroflorestais, 4,50 m x 1,50 m ou 1,50 m na linha e na entrelinha utilizar a largura de acordo com o maquinário a ser utilizado para o plantio e manejo da cultura agrícola.



22. É necessário algum tipo de proteção às mudas após o plantio?

Sim. As mudas, mesmo que previamente rustificadas e adaptadas ao sol ainda nos viveiros, devem ser protegidas quando plantadas a pleno sol, no ato, ou imediatamente após o plantio. Deve-se colocar a proteção com lâminas de madeira no sentido oeste para proteger do sol da tarde, ficando as demais faces livre para receber a luminosidade.



23.  Quais os tratos culturais necessários após o plantio do erval?

• capinas químicas ou manuais e/ou roçadas deverão ser efetuadas sempre que se houver competição da vegetação invasora indesejada com a erva-mate;

• utilizar cobertura de solo para controle de plantas daninhas invasoras e como adubação verde.



24.  Quais os critérios para a escolha da cobertura verde?

A cobertura verde eficiente deve ser constituída de espécies com as seguintes características:

• vegetem bem nas condições locais de clima e solo;

• tenham sistema radicular eficiente para a sua fixação ao solo;

• tenham sistema foliar denso e de porte baixo;

• não sejam competitivas com a erva-mate;

• sejam aproveitáveis como adubo verde;

• ressemeiem;

• sejam fixadoras de nitrogênio;

• tenham baixo custo de implantação.



25. Quais as espécies mais utilizadas como cobertura verde em erva-mate?

As mais utilizadas são: aveia branca, aveia preta, azevém comum, ervilhaca, nabo-forrageiro, tremoço azul, tremoço branco, amendoim-forrageiro, cevadilha, feijão-de-porco, mucuna-anã e soja comum.



26. Quais são os tipos de poda realizados na erva-mate?

O principal objetivo das podas é de conduzir a forma da copa para propiciar o bom desenvolvimento das plantas, aumentar o número de ramos vegetativos e melhorar a produção.

Os tipos de poda são:

  • poda de formação e de desponte; é a primeira a ser realizada (por volta do primeiro ano – dependendo do desenvolvimento) e sua função é quebrar o crescimento apical da planta, a fim de favorecer a brotação de gemas que darão origem aos ramos laterais visando a formação da copa. Pode-se optar por uma ou pelas duas formas de poda, dependendo do grau de satisfação do produtor quanto á arquitetura de copa desejada para a planta.
  • poda de produção, que é a colheita em si das folhas de erva-mate;
  • poda de rejuvenescimento. Esta poda também é chamada de rebaixamento. Tem o objetivo de recuperar a capacidade produtiva das erveiras com pouca produção de folhas e/ou de ervais muito velhos, onde a produtividade das plantas diminuiu drasticamente. No entanto, tais erveiras devem ter histórico de boa produção e estar sadias, de modo que compense serem recuperadas.



27. Quando se inicia a poda de produção em ervais plantados?

Em ervais bem manejados e que apresentem bom desenvolvimento, seu início ocorre entre o 3º e o 5º ano após o plantio; repetindo-se posteriormente conforme o desenvolvimento do erval.  Nestas condições, repete-se esta poda a cada 18 meses.



28. Como é feita a poda de produção da erva-mate?

A poda de produção, basicamente, consiste em conduzir a arquitetura da planta mantendo 4 ou 5 trocos principais:

- podar os ramos dominantes com a casca suberizada (de cor cinza na base), deixando uma porção basal de talo, de aproximadamente 10 a 15 cm de comprimento;

- podar os galhos com tendência de crescimento no sentido do interior da copa, assim como os entrecruzados e os malformados;

- deixar sem cortes os ramos imaturos, especialmente aqueles que tendem a crescer no sentido para fora da copa.

Cada galho da planta deve permanecer com, pelo menos, um ramo com folhas após a poda. A erveira deve permanecer com 20 a 30% de folhas. Com isso, se mantém a estrutura, além de proteger e auxiliar a recuperação da planta.



29. Com que ferramentas são realizadas as podas em erva-mate?

As práticas de poda devem ser executadas por pessoas treinadas e com ferramentas adequadas, bem afiadas e limpas.
As ferramentas que devem ser utilizadas para as podas nas erveiras são: tesouras (manual ou elétrica), serrotes e motosserras.



30. O que é interplantio?

Consiste no plantio de mudas em ervais maduros que apresentam produtividade aquém do desejado ou com sinais de queda de produção e que, futuramente, sofrerão poda de rejuvenescimento, pois existe o risco de que algumas plantas rebaixadas não rebrotem. Desta forma,  as mudas interplantadas já estarão estabelecidas e substituirão as falhas.



31. Quais as culturas agrícolas que podem ser produzidas na mesma área do plantio de erva-mate?

Nos chamados sistemas agroflorestais, pode-se plantar erva-mate intercalada com feijão, milho, trigo, soja, forrageiras e pastagem.
No caso do plantio de milho, ele deve ficar distanciado de 1 m das linhas de erva-mate; o feijão e a soja, distanciados 50 cm da erva-mate.


 

32. Como é realizado o plantio de erva-mate com outras espécies florestais?

A função básica do sombreamento de plantios de erva-mate com outras espécies florestais é tornar o ambiente mais próximo das condições naturais dos ervais. Para isso, é importante que as espécies escolhidas para o sombreamento apresentem a menor competição possível por água, nutrientes, espaço e luz com a erva-mate. As espécies a serem plantadas devem apresentar longevidade compatível ao período de exploração do erval. Espécies como cedro, canjarana, louro, canafistula, pinheiro do Paraná, caroba e angico são boas alternativas.

As espécies madeiráveis e frutíferas, além do sobreamento, podem ser importantes opções de renda para o produtor.



33. Qual é a melhor forma de adensar um erval nativo?

O adensamento consiste no plantio de mudas de erva-mate nas clareiras existentes em áreas nativas de florestas onde já existe um erval "em ser".
O objetivo do adensamento é o melhor aproveitamento e rentabilidade por unidade de área e, comumente, o espaçamento entre mudas não apresenta a regularidade como os plantios a pleno sol.



34. Quais são as doenças mais frequentes nos viveiros de mudas de erva-mate?

Antracnose, causada por Colletotrichum sp. Ocorre nas brotações e ramos jovens. Geralmente, ocorre a queima do ápice das plântulas, impedindo seu crescimento.

Tombamento. Ocorre em sementeiras, na fase de pré ou pós-emergência das plântulas, associado aos fungos Botrytis sp.;Cylindrocladium spathulatum; Rhizoctonia sp.; Fusarium sp.; Pythium sp.. A ocorrência da doença é favorecida por alta densidade de semeadura; excesso de umidade; excessiva adubação nitrogenada e excesso de sombreamento às mudas.

Nematoides. Os do gênero Meloidogyne são os mais frequentes em viveiros de erva-mate onde não é utilizada a prática de desinfestação do substrato, provocando a paralisação do crescimento das mudas e o amarelecimento das folhas, murcha e secamento a partir do ápice da muda.

Pinta-preta. É causada pelo fungo Cylindrocladium spathulatum.Provoca lesões foliares escuras, arredondadas, no interior ou nas bordas do limbo em folhas, provocando sua queda prematura. Fatores como excesso de umidade e de sombreamento agravam a doença.

Podridão-das-raízes, a qual ocorre tanto nas sementeiras como nas mudas repicadas. Os principais fungos associados são Fusarium sp., Rhizoctonia sp. e Phytium sp. SP. Os sintomas se manifestam na parte aérea, na forma de manchas foliares, amarelecimento, queda de folhas e secamento das mudas.



35. Como é realizado o controle da antracnose?

O controle é feito pela desinfestação do substrato e dos recipientes antes da semeadura; adubação nitrogenada adequada (sem excessos) e o controle cultural é feito por meio de seleção de plântulas sadias.



36. Qual forma de se combater o nematoide em viveiros de mudas de erva-mate?

Por meio de controle cultural, desinfetando o substato e eliminando as mudas atacadas.



37. Como é controlada a pinta-preta em plantas de erva-mate?

O controle cultural é feito por meio da seleção de plântulas sadias, descartando as mudas atacadas e desinfestação do substrato e dos recipientes sempre que se inicia nova produção de mudas. A melhoria das condições de luminosidade e umidade e a manutenção da limpeza nas embalagens contribuem para o controle da doença. A coleta das folhas caídas é uma prática muito eficiente para evitar a disseminação da doença no viveiro.



38. Como se realiza o controle do tombamento em mudas de erva-mate?

É feito por meio de controle cultural, com a melhoria das condições de manejo e estrutura do viveiro, como semeadura, irrigação e drenagem.

O viveiro deve contar, em todas as fases, com bom sistema de drenagem e de substratos que não acumulem água. Deve-se evitar o sombreamento excessivo; evitar adubação com altas doses de nitrogênio no substrato e na sementeira; desinfetar o substrato com produtos químicos ou com água fervente; semear, no máximo, 250 g de sementes por m², para que as plântulas não fiquem adensadas; erradicar as plântulas mortas e, também, as sadias nas bordas da reboleira de mudas doentes.



39. Como é controlada a podridão-das-raízes?

O controle cultural é feito por meio do manejo correto da água, utilização de substrato adequado, eliminação das plântulas com sintomas e desinfestação do substrato com água quente.



40. Quais as principais doenças em plantios de erva-mate?

Podridão-do-tronco, causada por fungos basidiomicetos (cogumelos). Os ramos podados não emitem brotações, secam, apodrecem e, muitas vezes, matam a planta. As condições favoráveis ao seu surgimento são as podas drásticas sucessivas, umidade elevada e sombreamento excessivo da planta.

Queda-de-folhas. Os sintomas são variados, podendo ocorrer a queda de folhas verdes, como também o amarelecimento e posterior queda das folhas. Em casos onde há queda de folhas verdes manchadas, observa-se a presença de Cylindrocladium spathulatum, o mesmo fungo que provoca a queda das folhas no viveiro. As condições favoráveis ao surgimento desse fenômeno são compactação do solo; estiagens prolongadas ou longos períodos de chuva.



41. Como se controla a doença que causa a podridão do tronco?

O controle cultural é realizado por meio de podas adequadas, deixando  aproximadamente 20% das folhas na planta, evitando, assim, expor o tronco  aos raios solares, os quais causam rachaduras na casca, permitindo a entrada  de patógenos. Em caso de danificar acidentalmente os galhos ou troncos da  planta, deve-se pincelar a área cortada com calda sulfocálcica ou calda bordalesa.



42. Qual a forma de prevenir a queda das folhas de erva-mate?

A forma de diminuir os efeitos da queda de folhas é por meio da proteção do  solo com o emprego de cobertura verde ou morta, correta adubação e  subsolagem dos solos compactados.



43. Quais são as principais pragas que atacam a erva-mate?

São inúmeras as espécies de insetos encontradas em plantas da erva-mate. No entanto, apenas algumas são consideradas pragas. Os insetos considerados pragas na erva-mate são:

Ampola-da-erva-mate. Encontrada nos ervais durante todo o ano. As fêmeas colocam seus ovos na face superior das brotações, ao longo da nervura central, onde se desenvolverão as ninfas, causando danos como deformação das folhas novas e queda de folhas.

Broca-da-erva-mate. É a principal praga da erva-mate. A erveira é danificada pelas larvas de um besouro, conhecido como "corinthiano",  que constroem galerias no tronco, impedindo a circulação normal da seiva, prejudicando o desenvolvimento e podendo acarretar a morte das plantas. Durante o processo de broqueamento, a larva vai compactando atrás de si a serragem, que lhe serve de proteção e, quando expelida para fora da planta, denuncia a presença da praga. O adulto é um besouro que mede, aproximadamente, 2,5 cm de comprimento, com o corpo de coloração geral preta e branca.

Broca-dos-ponteiros-da-erva-mate. Trata-se da larva de um besouro que mede em torno de 1,3 cm de comprimento. Apresenta coloração escura, com uma faixa amarela na lateral de cada asa. Atacam preferencialmente plantas novas, com até dois anos de idade, cujos galhos broqueados apresentam aspecto enegrecido, por estarem ocos. Quando o ataque se dá em plantas adultas, o dano ocorre nos galhos superiores mais finos e pode levar plantas novas à morte.

Cochonilha-de-cera. É de cor alaranjada e é recoberta por uma camada de cera róseo-clara. Normalmente vivem grudadas nos ramos, podendo, algumas vezes, cobri-los totalmente. São insetos sugadores que se alimentam da seiva das plantas, tornando-as debilitadas. Além disso, eliminam uma substância açucarada, da qual se alimentam algumas formigas, que por sua vez disseminam esporos de um fungo que causa a doença denominada fumagina.

Lagarta-da-erva-mate. São lagartas oriundas de uma pequena mariposa que realiza suas posturas com média de 80 ovos na parte superior das folhas. Quando adultas, atingem, em média, 4 cm de comprimento e apresentam coloração variando do verde escuro ao negro, com uma faixa amarela no dorso entre duas linhas mais escuras. O período de ocorrência das lagartas é de setembro a março, destruindo vorazmente tanto brotações novas quanto as folhas mais velhas da erva-mate.

Lagarta-do-cartucho-de-seda. Possui hábito gregário (ou seja, são encontrados em grupos), é de cor cinza-escura, com fileiras de longos espinhos espalhados pelo corpo. Ocorrem entre os meses de setembro e novembro, medem em torno de 4 cm de comprimento e, para se protegerem, tecem um cartucho de seda que pode conter centenas de lagartas. Estas lagartas são muito vorazes, podendo alimentar-se de folhas novas ou mais velhas, comprometendo a produção.



44. Como é feito o controle da ampola em erva-mate?

O controle cultural é por meio da poda e destruição dos ramos mais atacados. Isso vai diminuir da população do inseto.
No Brasil, até o momento, não existem inseticidas químicos registrados para o controle desta praga em erva-mate. No entanto, na Argentina, existe a recomendação de controlar a ampola da erva-mate por meio da aplicação de 10 a 15 mL de Dimetoato, Metildemeton e Endosulfan em 10 L de água.



45. Qual é o controle mais eficaz da broca-da-erva-mate?

É realizado com o inseticida biológico BoveMax EC. O produto é específico para erva-mate e tem como ingrediente ativo esporos do fungo Beauveria bassiana. Este fungo provoca a morte dos insetos, a qual ocorre quando o besouro entra em contato com a superfície da planta onde foi aplicado o produto. A penetração dos esporos do fungo ocorre principalmente nos pontos frágeis do corpo do inseto, causando a sua morte em aproximadamente 20 dias. O controle alternativo é feito pela catação manual dos adultos. Esta atividade deve ser realizada no período de maior ocorrência dos adultos no campo, entre os meses de outubro a junho e, preferencialmente, no período das 10h às 16h.



46. Existe algum tipo de controla para a broca-dos-ponteiros?

Sim. Por meio do controle cultural, coletando e queimando os adultos e podando e queimando os galhos atacados.



47. Como se controla o ataque da cochonilha-de-cera em erva-mate?

Existem alguns inseticidas eficientes para o controle desta praga, mas não estão registrados para uso em erva-mate. A escovação e/ou poda de ramos infestados são medidas que podem auxiliam no controle.



48. Qual é a forma de controle do ataque da lagarta-da-erva-mate?

Com a aplicação de inseticidas à base de Bacillus thuringiensisntretanto, no Brasil, ainda não há nenhum produto deste tipo registrado para uso na erva-mate. O controle cultural é feito com a coleta dos adultos por meio de armadilha luminosa e com a eliminação de folhas que contém posturas.



49. Como é realizado o controle da lagarta-do-cartucho-de-seda?

Inseticidas à base de Bacillus thuringiensis são muito eficientes para o controle desta praga, entretanto, ainda não há nenhum produto deste tipo registrado para uso na erva-mate no Brasil. O controle alternativo é feito com a catação das massas de ovos e dos cartuchos de seda, que contém uma grande quantidade de lagartas.



50. Os produtores de Erva-Mate brasileiros já seguem orientações técnicas recomendadas pela pesquisa ou continuam no modelo tradicional?

A maioria dos produtores de erva-mate são muito resistentes a mudanças tecnológicas, principalmente os que exploram a erva nativa. Todavia, os que optam por adotar as tecnologias recomendadas pela pesquisa, auferem significativos ganhos de produtividade e, consequentemente, aumento em sua renda.