A cultura da berinjela | voltar ao início


Embrapa Hortaliças
Sistemas de Produção, 3
ISSN 1678-880X Versão Eletrônica
Autores

Irrigação

A produção de berinjela é altamente influenciada pelas condições de umidade no solo. A falta de água é particularmente prejudicial durante os estádios de florescimento e frutificação, pois pode provocar o abortamento de flores e frutos e reduzir o crescimento dos últimos. No entanto, a falta de água é prejudicial desde o transplante até o estabelecimento de mudas. Além de reduzir a produtividade, a deficiência de água deprecia a qualidade de frutos, pois favorece a má formação e promove a desuniformidade, a podridão apical e o sabor amargo. Assim sendo, a irrigação da cultura da berinjela é essencial em regiões com precipitação deficitária ou mal distribuída.

O excesso de água, do mesmo modo que a falta, também causa sérios prejuízos à produção, pois pode gerar o crescimento exagerado das plantas, bem como dificultar a floração e a frutificação. Portanto, deve-se evitar o encharcamento do solo, pois condições de aeração inadequadas, além de afetarem negativamente o desenvolvimento das plantas, favorecem o aparecimento de várias doenças de solo, e a lixiviação de nutrientes, comprometendo o desempenho produtivo da cultura.

Na prática, todos os sistemas de irrigação podem ser empregados no cultivo da berinjela. No Brasil, a irrigação por aspersão, por meio de sistemas convencionais, é a mais utilizada. Em menor escala são adotados os sistemas por sulco e gotejamento, que apresentam a vantagem de reduzirem a ocorrência de doenças da parte aérea, em razão de não molharem a folhagem da planta. Para a escolha do sistema mais viável, devem ser avaliadas as vantagens e desvantagens que cada um oferece, incluindo os aspectos econômicos envolvidos para uma melhor relação custo/benefício. No caso de dúvidas, o agricultor deve procurar a assistência técnica para auxiliar na escolha daquele mais conveniente.

Por ser a berinjela uma planta de crescimento semi-perene, a manutenção de condições adequadas de umidade no solo ao longo de todo o ciclo de desenvolvimento proporciona, em média, duas colheitas por semana durante até três meses. A reposição de água ao solo por meio de irrigações oportunas e na quantidade adequada requer o conhecimento de parâmetros relacionados ao solo, à planta e ao clima.

Embora o murchamento das folhas no final do período matinal seja uma indicação da necessidade de irrigação, existem critérios mais precisos para indicar quando irrigar. Sensores de umidade, como tensiômetro e Irrigas®, podem ser utilizados para indicar o momento adequado de se irrigar. Níveis ótimos de desenvolvimento de plantas e de produtividade de frutos podem ser alcançados irrigando-se, em geral, quando o tensiômetro indicar leitura entre 30-50 kPa, no caso de irrigação por aspersão ou sulco, ou 10-15 kPa, para gotejamento. Os menores valores de tensão-limite devem ser adotados durante os estádios mais críticos de exigência de água pela cultura, em solos arenosos e/ou condições de alta demanda de evaporação. Os sensores devem ser instalados a 50% da profundidade efetiva do sistema radicular e a cerca de 10-20 cm da planta.

A profundidade efetiva do sistema radicular é aquela onde estão concentradas cerca de 80% das raízes. Por ser afetada pelo tipo e condições do solo, recomenda-se que seja avaliada no local de cultivo para cada estádio de desenvolvimento. A partir da frutificação, a maior parte das raízes responsáveis pela absorção de água e nutrientes encontra-se nos primeiros 40-50 cm de profundidade.

A quantidade de água a ser aplicada por irrigação depende das características do solo e da profundidade de raízes, podendo ser determinada a partir do déficit de água no solo ou da evapotranspiração da cultura. Na Tabela 1 são apresentados valores médios de coeficiente de cultura para estimativa da evapotranspiração.

Vários são os métodos para o manejo de irrigação. Os que permitem melhor controle de água são aqueles realizados em tempo real, utilizando sensores para a medição do status da água no solo e/ou estimativa da evapotranspiração. Todavia, são métodos que requerem investimento para a aquisição de equipamentos e mão-de-obra devidamente treinada. Maiores informações sobre estes métodos podem ser obtidas no livro "Manejo da irrigação em hortaliças", publicado pela Embrapa Hortaliças.

A seguir é apresentado um procedimento simples para o manejo de irrigação baseado no uso de tabelas. A evapotranspiração e o turno de rega são determinados a partir de uma série histórica de dados climáticos médios diários de temperatura e umidade relativa do ar da região, que podem ser obtidos junto ao serviço de assistência técnica local, observações de dados climáticos médios do local de plantio, da textura do solo e do estádio de desenvolvimento da cultura. Para melhor entendimento, o procedimento é apresentado simultaneamente com um exemplo. Para tal, consideremos a seguinte situação:

  • Textura do solo da área a ser cultivada: franco siltoso
  • Temperatura média: 20°C
  • Umidade relativa média: 60%
  • Estádio de desenvolvimento: frutificação
  • Profundidade efetiva de raízes: 40 cm
  • Sistema de irrigação utilizado: aspersão convencional
  • Vazão do aspersor: 0,96 m3 h-¹; espaçamento de instalação: 12 m x 12 m; eficiência de irrigação: 70%

Passo 1: Determinar, na Tabela 1, o coeficiente de cultura (Kc) para o estádio de desenvolvimento de interesse. Para irrigação por aspersão e estádio de frutificação, tem-se Kc = 1,15.

Passo 2: Determinar, na Tabela 2, a evapotranspiração de referência(ETo).
Evapotranspiração de um cultivo de referência (grama batatais). Usada para estimar o consumo de água de outras culturas por meio de coeficientes tabelados. Para a temperatura de 20°C e umidade relativa de 60%, obtêm-se na Tabela 2 ETo = 4,9 mm dia-¹

Passo 3: Calcular, pela expressão ETc = Kc x ETo, a evapotranspiração da cultura -ETc, mm.dia-1). Pela equação acima se obtêm: ETc = 1,15 x 4,9 mm dia-1 = 5,6 mm dia-¹.

Passo 4: Determinar a profundidade efetiva de raízes para o estádio de interesse. Por meio de avaliação visual em uma trincheira aberta em um cultivo anterior em área adjacente, estimou-se uma profundidade de 40 cm durante o estádio de frutificação.

Passo 5: Determinar, na Tabela 3, o turno de rega (TR) durante o estádio inicial, conforme a ETo, textura do solo e sistema de irrigação. Para os demais estádios, utilizar a Tabela 4, onde o TR é dado em função da ETc, textura do solo, profundidade efetiva de raízes e sistema de irrigação.

Para uma profundidade de raízes de 40 cm, solo de textura franco siltosa (tipo II) e ETc de 5,6 mm dia-¹, obtêm-se na Tabela 4, por interpolação linear, TR = 4 dias.

Passo 6: Determinar pela expressão LRN = TR x ETc a lâmina real de água necessária (LRN) em mm por irrigação.

Para o presente exemplo, LRN = 4 dias x 5,6 mm dia-¹ = 22,4 mm.

Passo 7: Calcular o tempo de irrigação necessário para aplicar a lâmina requerida. Para irrigação convencional, o tempo de irrigação (min) é calculado por:

onde Ea = espaçamentos entre aspersores (m), El = espaçamentos entre laterais (m), Q = vazão do aspersor (m3 h-¹) e Ei = eficiência de irrigação (%).

Para pivô central, selecionar a velocidade de deslocamento suficiente para aplicar uma lâmina igual ou imediatamente superior a LRN, considerando-se a eficiência do sistema.

Para irrigação por sulco, o tempo de irrigação é igual ao tempo necessário para a água atingir o final do sulco mais o tempo suficiente para infiltrar a LRN. O comprimento do sulco e a velocidade de infiltração são dependentes da textura do solo, recomendando-se que ambos sejam avaliados previamente.

Para gotejamento, o tempo de irrigação (min) pode ser calculado por:

onde Sl = espaçamento entre laterais (m), Sg = espaçamento entre emissores (m) e Vg = vazão do gotejador (L h-¹).

A eficiência de irrigação depende das características e manutenção do sistema, dentre outros fatores. Valores comumente observados variam de 30-70% para sulco, 60-75% para aspersão convencional, 70-90% para pivô central e 80-90% para gotejamento.

Em regiões áridas e semi-áridas, podem ocorrer problemas de salinidade da água e/ou do solo. Caso haja risco de salinização, é necessário aplicar uma fração adicional de água para manter o adequado balanço de sais no solo. Para tal, deve-se procurar um técnico da extensão rural para maiores esclarecimentos.

Pela equação para aspersão convencional tem-se que o tempo de irrigação necessário para aplicar a lâmina de 27,8 mm será de:

Tabela 1. Coeficiente de cultura (Kc) para berinjela, conforme o sistema de irrigação utilizado e "mulching" com plástico preto.

1/Inicial: transplante até pegamento de mudas (1o até 7o dia); Vegetativo: pegamento de mudas até início de frutificação (8o até 30o dia); Frutificação: início de frutificação até antepenúltima colheita; Final: antepenúltima até a última colheita.
Fonte: Marouelli, 2001.

Tabela 2.Evapotranspiração de referência (mm dia-1) conforme a média histórica diária de temperatura e umidade relativa do ar.

Fonte: Marouelli, 2001.

Tabela 3. Turno de rega (dias) durante o estádio inicial, conforme a textura do solo, evapotranspiração de referência (ETo) e sistema de irrigação.

1/Tipo I: Textura grossa, capacidade de retenção de água de 0,5 mm cm-1 de solo. Exemplos: areia, areia franca, franco arenoso.
1/Tipo II: Textura média, capacidade de retenção de água de 1,2 mm cm-1 de solo. Exemplo: franco, franco siltoso, franco argilo-arenoso, silte, argiloso de cerrado.
1/Tipo III: Textura fina, capacidade de retenção de água de 2,0 mm cm-1 de solo. Exemplo: franco argilo-siltoso, franco argiloso, argila arenosa, argila siltosa, argila, muito argiloso.
Fonte: Marouelli, 2001.


Tabela 4. Turno de rega (dias) conforme a evapotranspiração da cultura, profundidade de raízes, tipo de solo e sistema de irrigação.

Fonte: Marouelli, 2001
Obs.: considerar os tipos de solo conforme descrito na Tabela 3.

Tecnologia Embrapa