Como plantar berinjela | voltar ao início


Embrapa Hortaliças
Sistemas de Produção, 3
ISSN 1678-880X Versão Eletrônica
Autores

Solos

Preparo do solo e calagem

A berinjela pode ser cultivada em diversos tipos de solos, desde os arenosos até os muito argilosos. Entretanto, desenvolve-se melhor em solos de textura média, profundos, ricos em matéria orgânica, com boa retenção de umidade e bem drenados, uma vez que a cultura não tolera encharcamento.

Antes do preparo do terreno, deve-se retirar amostras de solo da camada de 0-20 cm e, quando possível, da camada subsuperficial (20-40 cm), para realização de análises químicas, imprescindíveis à adequada recomendação de corretivos e fertilizantes. O procedimento para amostragem do solo pode ser encontrado nos Manuais de Recomendação de Adubação ou por meio de consulta a um técnico.

O preparo do solo geralmente consiste de uma a duas arações e duas gradagens. A aração deve atingir a profundidade de 30 cm, sendo seguida por uma gradagem de nivelamento. Em seguida aplica-se o calcário à lanço, distribuído de maneira uniforme no terreno, incorporando-o na camada de 0 a 20 cm de forma homogênea por meio de uma segunda gradagem. A calagem deve ser realizada com antecedência em relação ao plantio, com tempo suficiente para que o calcário reaja no solo, o que leva em torno de 60 a 90 dias e só ocorre na presença de umidade. Deve-se utilizar preferencialmente o calcário dolomítico. O calcário calcinado, de maior custo, pode ser uma boa opção para casos em que se tenha urgência para o plantio, visto que reage em cerca de 15 dias.

Para maior eficiência dos fertilizantes aplicados e melhor desenvolvimento das plantas de berinjela recomenda-se correção do pH a valores 5,5 a 6,5 e saturação por bases em torno de 70%. A quantidade de calcário a ser aplicada dependerá do resultado da análise de solo e pode ser calculada utilizando-se de um dos critérios descritos a seguir:

1. Método da elevação da porcentagem de saturação por bases:
t ha-¹ de calcário = (V2–V1)T/PRNT, em que:
V2 = 70% (saturação por bases desejada)
V1 = saturação por bases atual (análise de solo) = [(Ca²+ + Mg²+ + K+) x 100]/T
T= capacidade de troca catiônica a pH 7,0 [Ca²+ + Mg²+ + K+ + (H + Al)] em cmolc dm-³
PRNT = poder relativo de neutralização total do calcário a ser aplicado.
2. Método da neutralização do Al³+ e fornecimento de Ca²+ + Mg²+:
t ha-¹ de calcário = Y [Al³+ - (5,0 x t/100)] + [3,0 – (Ca²+ + Mg²+)] x 100/PRNT
em que:
Y = fator que varia com a capacidade tampão de acidez do solo, a ser definido de acordo com a textura. Para solos arenosos (0-15% de argila), de textura média (15-35), argilosos (35-60) e muito argilosos (60-100% de argila) utiliza-se valores Y de 0,5; 1,5; 2,5 e 3,5, respectivamente.
t = capacidade de troca catiônica efetiva (Ca²+ + Mg²+ + K+ + Al³+) em cmolc dm-³
PRNT = poder relativo de neutralização total do calcário a ser aplicado.

O plantio da berinjela pode ser realizado em sulcos ou covas. O sulco deve ter aproximadamente 20 cm de profundidade. O espaçamento é de 1,2 a 1,5 m entre fileiras e de 0,7 a 1,0 m dentro da fileira. Para as cultivares híbridas atuais, que apresentam plantas extremamente vigorosas, ou quando se pretende prolongar o período de colheita deve-se optar pelos maiores espaçamentos. A muda deve ser transplantada na mesma profundidade da sementeira, sem enterrar o coleto para evitar a podridão-do-colo.

Adubação

A recomendação de adubação para a berinjela deve ser feita com base nos resultados da análise de solo e seguir orientação técnica. Para Latossolos do Distrito Federal, a Embrapa Hortaliças adota a recomendação de adubação apresentada na Tabela 1. A adubação de plantio deve ser aplicada cerca de 10 dias antes do transplante das mudas, no sulco de plantio, juntamente com 30 t ha-¹ (60 m3 ha-¹) de esterco de curral curtido ou 10 t ha-¹ (20 m3 ha-¹) de esterco de galinha. Considerando que a berinjela é muito exigente em magnésio, caso o teor deste elemento no solo esteja abaixo de 1,5 cmolc dm-³, deve-se adicionar 150 kg ha-¹ de sulfato de magnésio, atentando para a relação Ca:Mg do solo, que deve ficar em torno de 3-6:1. As adubações em cobertura deverão ser realizadas aos 45 e 90 dias após o transplante com 25 kg ha-¹ de N e 25 kg ha-¹ de K2O por aplicação. Entretanto, caso tenha sido aplicado esterco de galinha puro no plantio e dependendo do desenvolvimento da planta não há necessidade de adubação nitrogenada em cobertura.

Os estados da região Sudeste, principais produtores de berinjela no Brasil, possuem recomendações de adubação adequadas e calibradas às suas condições de solo e clima. Para São Paulo, as recomendações encontram-se na Tabela 2. Deve-se aplicar 10 a 20 t ha-¹ de esterco de curral curtido ou 1/4 dessas quantidades de esterco de galinha, juntamente com a adubação de plantio, cerca de 10 dias antes do transplante das mudas. É recomendável que se aplique também 30 kg ha-¹ de S no plantio caso não se utilize adubos contendo enxofre em sua formulação, como o sulfato de amônio, por exemplo. A adubação em cobertura com N e K deve ser parcelada de 4 a 6 vezes, a partir de 30 dias após o transplantio.

As recomendações de adubação para Minas Gerais, visando uma produtividade de 25 a 70 t ha-¹, estão apresentadas na Tabela 3. Todo o P (100%) e parte do N e do K (40%) devem ser aplicados antes do plantio, enquanto o restante do potássio e do nitrogênio (60%) deverão ser parcelados ao longo do ciclo, em cobertura, sendo seis aplicações de 10% a cada 15 dias. Deve-se adicionar 20 a 40 t ha-¹ de esterco de curral curtido ou 5 a 10 t ha-¹ de esterco de galinha, aplicados 10 a 15 dias antes do transplantio, incorporados e bem misturados ao solo, nos sulcos ou nas covas de plantio. As maiores doses deverão ser utilizadas nos solos arenosos.

Na Tabela 4 estão descritas as quantidades de adubos para o cultivo da berinjela no estado do Rio de Janeiro visando obter uma produtividade de 20 a 30 t ha-¹. A adubação orgânica, 20 a 30 t ha-¹ de esterco de curral ou composto orgânico ou 10 a 15 t ha-¹ de cama de aves ou 5 a 8 t hha-¹ de esterco de aves, deve ser aplicada 20 a 30 dias antes do transplantio juntamente com 2/3 da dose de P e 1/3 da dose de K. O restante do P (1/3) deve ser aplicado no transplantio das mudas. O resto do K (2/3) será adicionado em duas coberturas junto com o N, a primeira após o transplantio e a segunda 30 dias depois, sendo 1/3 da dose de K e 30 kg ha-¹ de N por vez. Se houver sintoma de deficiência de N, aplicar mais uma dose de 30 kg ha-¹ de N.

Tabela 1. Recomendação de adubação para berinjela na região do Distrito Federal.

1/adubação em cobertura deve ser parcelada em 2 vezes, aos 45 e 90 dias após o transplante.
Fonte: EMATER-DF (1987).

Tabela 2. Recomendação de adubação para a cultura da berinjela no estado de São Paulo.

1/adubação em cobertura deve ser parcelada de 4 a 6 vezes, a partir de 30 dias após o transplantio.
Fonte: Raij et al. (1997).

Tabela 3. Recomendação de adubação para a cultura da berinjela no estado de Minas Gerais.

1/aplicar 60% do K e do N em seis coberturas a cada 15 dias após o transplante. 2/ Considera-se como argilosos, de textura média e arenosos aqueles solos com teores maiores que 35, de 15 a 35, e menores que 15% de argila, respectivamente.
Fonte: Ribeiro et al. (1999).

Tabela 4. Recomendação de adubação para a cultura da berinjela no estado do Rio de Janeiro.

1/Realizar duas adubações de cobertura com 1/3 da dose de K e 30 kg ha-¹ de N por aplicação, a primeira após o transplantio e a segunda 30 dias depois. Se houver sintoma de deficiência de N, aplicar mais uma dose de 30 kg ha-¹de N.
Fonte: De-Polli (1988).

 

Tecnologia Embrapa