Pular para o conteúdo

A Cultura da Cenoura | voltar ao início


Embrapa Hortaliças
Sistemas de Produção, 5
ISSN 1678-880X Versão Eletrônica
Jun/2008
Autores

Deficiências nutricionais

A deficiência de minerais no solo pode causar grandes perdas à produção. Conheça os principais sintomas.

A deficiência de nitrogenio reduz o crescimento da planta. As folhas mais velhas ficam amareladas uniformemente e, com a evolução da deficiência, tornam-se avermelhadas. As condições que predispõem à deficiência são:

  • insuficiência de fertilizante nitrogenado;
  • elevado nível de material vegetal não decomposto no solo;
  • compactação do solo;
  • elevada intensidade de precipitação; e
  • condições desfavoráveis à mineralização da matéria orgânica.

A deficiência pode ser prevenida pela aplicação em cobertura, de fertilizantes nitrogenados.

Com a deficiência de fósforo as folhas mais velhas apresentam coloração castanho-arroxeada. Com a evolução da deficiência as folhas amarelecem e caem. As raízes apresentam desenvolvimento anormal.

A disponibilidade de fósforo depende principalmente do nível de fósforo no solo, tipo e quantidade de argila, época de aplicação do adubo fosfatado, aeração, compactação, umidade do solo e temperatura ambiente. A deficiência pode ser evitada com a distribuição de um fertilizante fosfatado solúvel distribuído a lanço e incorporado com gradagem.

A dose usual é de 4 kg/ha de P2O5 solúvel para cada 1% de argila constante da análise física do solo, ou aplicação de um fertilizante fosfatado antes do plantio, de acordo com a análise do solo.

Com a deficiência de potássio as folhas mais velhas apresentam as margens dos folíolos queimadas. Com o avanço da deficiência, os pecíolos destas folhas coalescem, secam e morrem.

Solos arenosos com elevada lixiviação e elevados níveis de outros cátions, como magnésio e amônio, são as condições que predispõem à deficiência de potássio. A correção pode ser feita com adubação, em cobertura, à base de sulfato ou cloreto de potássio (60 Kg/ha de K2O) seguida de irrigação.

A deficiência de cálcio causa necrose dos pontos de crescimento das folhas novas. O pecíolo apresenta pequenas áreas coalescentes.

Há morte das folhas ainda com a coloração verde. Na raiz, a deficiência não é muito comum em condições de campo. Pode ser provocada pelo rápido crescimento da planta em temperaturas elevadas, baixo teor de água no solo e antagonismo com outros cátions como amônio, potássio e magnésio.

Para prevenir a deficiência deve-se fazer a neutralização da acidez do solo.

Com a deficiência de magnésio as folhas mais velhas ficam cloróticas nas bordas. Coloração levemente avermelhada aparece nas margens e se expande em direção ao centro dos folíolos. Pode ser confundida com a deficiência de nitrogênio ou virose. No caso de deficiência a sintomatologia é generalizada e não em plantas distribuídas ao acaso, como acontece nos casos de viroses.

Solos ácidos, arenosos, com alto índice de lixiviação, e a aplicação excessiva de nitrogênio amoniacal ou potássio favorecem o aparecimento da deficiência. A correção é feita com pulverização de sulfato de magnésio a 0,5%. Quando é utilizada a cal hidratada para correção do solo, devem ser aplicados 40 kg/ha de sulfato de magnésio (9,5% Mg) no plantio.

Quando ocorre deficiência de bóro, observa-se encrespamento das folhas, que se dobram para o solo e frequentemente tomam tonalidade vermelha ou amarela, podendo também ser confundida com viroses. As folhas novas são pequenas e é comum a morte do broto com aparecimento de necrose progressiva.

Na raiz, ocorre o fendilhamento longitudinal com posterior cicatrização (Figura 1). Excessiva aplicação de calcário em solos arenosos, excesso de N e elevado índice de precipitação predispõem à deficiência deste elemento. A deficiência pode ser evitada aplicando-se 20 kg/ha de bórax.



Fig. 1. Rachaduras em raízes de cenoura provocadas pelo desbalanço e/ou deficiência de boro

Cultivar da Embrapa