Nomenclatura científica

Nomenclatura científica

Nomes científicos de vírus

Para consultar as regras completas de nomenclatura de vírus, recomenda-se acessar os códigos internacionais que as sistematizam.

Para consultar os nomes das espécies, recomenda-se acessar as bases de dados autorizadas.

Código de nomenclatura científica

The International Code of Virus Classification and Nomenclature

Bases de dados para consultar os nomes

International Committee on Taxonomy of Viruses (ICTV Code)

National Center for Biotechnology Information (NCBI)

Taxonomia

  • As regras para nomenclatura dos vírus são independentes das regras para nomenclatura científica dos demais seres. Para certificar-se da escrita correta do nome, consulte o site das bases de dados.


Observação 1: O sistema de classificação universal de vírus utiliza os níveis hierárquicos de ordem, família, subfamília, gênero e espécie – conforme consta International Committee on Taxonomy of Viruses (ICTV) em General Rules - 3. Rules of Classification and Nomenclature – The universal scheme - item 3.2.

Observação 2: Os nomes de gênero e acima de gênero são escritos em latim; no entanto, o nome científico da espécie do vírus é em inglês. Mesmo assim, há casos em que pode haver palavras em latim (quando se inclui, no nome do vírus, a espécie de organismo que ele infecta).

Algumas diretrizes

  • Em sua primeira menção, o nome da espécie do vírus deve vir acompanhado de sua sigla.
  • Na primeira citação formal de uma espécie de vírus no texto, deve-se acrescentar o nome do gênero e da família. Depois, ao longo do texto, pode-se utilizar a sigla ou o nome comum do vírus.    

Exemplo:
Um dos problemas clássicos é o mosaico-comum, causado pelo Bean common mosaic virus (BCMV), gênero Potyvirus, pertencente à família Potyviridae. O BCMV é transmitido, na natureza, por [...]

  • Nomes científicos não são traduzidos. No entanto, se o nome do vírus em português é tradicionalmente utilizado, ele pode ser referido na primeira citação, contanto que seguido do nome em inglês, entre parênteses e em itálico, acompanhado da respectiva sigla, tal como definidos pelas bases de dados dos vírus.

Observação: Não há sigla para os nomes traduzidos para português, pois não são reconhecidos internacionalmente.   

Exemplos:

A doença é causada pelo vírus do mosaico da cana-de-açúcar (Sugarcane mosaic virus – SCMV).

O vírus do mosaico do tomateiro (Tomato mosaic virus – ToMV) é uma mutação do vírus do mosaico do fumo (Tobacco mosaic virus – TMV) e não é possível diferenciá-los através de sintomas no tomateiro.

  • Os nomes de ordens de vírus (por exemplo, Mononegavirales), famílias (por exemplo, Picornaviridae), subfamílias (por exemplo, Parvovirinae) e gêneros (por exemplo, Hepacivirus) são escritos em itálico, com letra inicial maiúscula.
  • Os nomes científicos de espécies de vírus são grafados em itálico e com a primeira letra da primeira palavra em maiúscula (por exemplo, Mumps virus). As demais palavras não apresentam a primeira letra em maiúscula, a menos que sejam nome próprio (West Nile virus), partes de nomes próprios (Enterobacteria fago MS2) ou identificadores alfabéticos (Enterovirus A).
  • No entanto, nomes de estirpes de vírus não são grafados em itálico. A primeira letra do primeiro nome é minúscula (herpes simplex virus), a menos que seja um nome próprio, normalmente com base na nomenclatura binomial das espécies que infecta.

Exemplo:

[Nome da espécie] Saccharomyces cerevisiae virus L-A

[Nome da estirpe do vírus] Saccharomyces cerevisiae virus L-A (ScV-L-A)

Portanto, o nome das espécies é em itálico, e o nome das estirpes, sem destaque.

 

Página anterior Próxima página