Responsabilidade Socioambiental

O Programa Embrapa & Escola da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) atende a estudantes do ensino fundamental e médio de escolas públicas e particulares. O objetivo é divulgar e popularizar conhecimentos sobre a pesquisa científica, especialmente aquela desenvolvida para a agricultura e meio ambiente, responsáveis pela produção e pela qualidade dos alimentos que os brasileiros consomem no seu dia-a-dia.


Temas abordados

Floresta e o meio ambiente
Busca mostrar a necessidade da floresta para a produção de água, mais especificamente nas matas ciliares e nas reservas legais, necessárias e obrigatórias em todas as propriedades rurais, além da importância da arborização urbana. E, com isso, despertar nos alunos o cuidado que eles devem ter com as árvores e a natureza.
Infraestrutura verde
É muito bom passar um tempo no campo, desfrutar do com ar puro, água limpa, sem barulho ou poluição etc., mas sentimos falta do banho quente, comida semipronta comprada facilmente ali na esquina, ar condicionado etc. Temos tudo isso na Floresta de concreto e também, poluição, congestionamento, violência. Como conciliar os dois mundos? A infraestrutura verde pode ser a solução, temos que trazer um pouco da natureza para as cidades. A palestra é sobre os serviços prestados pelas árvores dentro das cidades (diminuição da poluição, diminuição da temperatura, aumento da umidade relativa, diminuição dos riscos de inundação, diminuição dos ruídos etc.).
Floresta e a água
Nos últimos anos o clima vem oscilando fortemente, as vezes temos secas como em 2011 e as vezes inundações, como em 2014. Isso ocorre em todo o mundo mas é mais fácil de notar nas grandes cidades. Qual é o papel da floresta na conservação, regulação e purificação das água? Por que as matas ciliares são importantes. A palestra versa sobre estes assuntos.
4Rs: Repensar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar
A população humana vem crescendo exponencialmente e em função disso estamos acabando com os ambientes naturais para produção de alimentos e moradias. Além disso, a produção de lixo vem aumentando exponencialmente também. Do ponto de vista da Terra não há lixeira, tudo que descartamos polui o ambiente. Em razão disso devemos repensar nossa consumismo, não são necessários 10 pares de sapatos, 15 pares de calças, 30 camisetas etc. Temos que reduzir ao máximo nosso consumismo e tudo que for possível reutilizar, o que não for possível reciclar.
Os grandes biomas brasileiros
O Brasil apresenta cinco grandes Biomas: Floresta Amazônica; Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga e Pantanal. A palestra discorre sobre as principais característica de cada um deles, bem como o seu processo de formação.

Os grandes biomas mundiais
Quais são os principais biomas mundiais? Quais os processos de formação? Qual a fauna e a flora característica deles? A palestra discorre sobre o processo de formação dos biomas, suas principais características e fauna típica.
Território per capita, biocapacidade e contabilidade ambiental
São apresentados os conceitos básicos de território per capita, biocapacidade e contabilidade ambiental. Os conceitos são abordados com principal atenção à sua relação com a produção agropecuária. Dados do Brasil são apresentados na forma de gráficos e mapas.
É analisada a dinâmica da agropecuária brasileira e como esse fenômeno está intimamente ligado ao tema em discussão. Estatísticas oficiais do IBGE são utilizadas e a forma de acesso a elas é descrita. São oferecidos alguns conceitos de sensoriamento remoto agrícola.

O Solo e sua importância econômica e socioambiental
Os solos são corpos naturais constituídos de materiais minerais e orgânicos, resultantes da ação de fatores de formação, compreendidos pelo material de origem, o clima, relevo, organismos e o tempo. O solo é o principal estratificador do ambiente, tendo importante influência nas atividades agrícolas e não agrícolas. Nesse contexto, pretende-se apresentar de forma teórico-prática, a sua formação, composição e organização no ambiente natural. Ao mesmo tempo, para uma maior e melhor visão prática do estudo, serão destacados os principais tipos de solos, com ênfase nas dimensões econômicas, sociais e ambientais. Como resultado final, espera-se que os alunos obtenham conhecimentos gerais sobre esse recurso natural, abrangendo as diferentes tipologias, as principais funções e sua importância econômica e socioambiental.

Erosão do solo em meio urbano (cidades)
A intensa expansão dos centros urbanos tem afetado negativamente os recursos naturais. De acordo com o IBGE, a partir de 1970 houve uma forte urbanização da população brasileira, e o solo é um dos elementos da paisagem que mais sofre pressão. Este recurso, quando usado ou manejado indevidamente, tem na erosão um dos principais vetores de degradação, destruição e prejuízos, inclusive com riscos à vida animal e humana (enchentes, inundações, deslizamento de terras e outros impactos ambiental, social e econômico na zona urbana). A parte teórica será fundamentada com textos e ilustrações, facilitando a compreensão do conceito, tipos de erosão, principais causas e consequências, além de medidas para erradicar ou mitigar os impactos.
Obs: além de aula teórica, serão feitas simulações práticas com dois tipos de solos, a fim de ilustrar o processo de drenagem das águas de chuvas e seus possíveis impactos (prática: 20 minutos de duração).

Erosão do solo em meio rural (propriedades rurais)
O solo é um recurso natural básico, importante no equilíbrio ambiental e nos diferentes setores empresariais e da vida humana, como: produção de alimentos, moradia, recreação e construção civil, planejamento rural e urbano, dentre outros. Este recurso, quando usado ou manejado indevidamente, tem na erosão um dos principais vetores de degradação, destruição e prejuízos, inclusive com riscos à vida, animal e humana (arraste de solo, baixa produção agrícola, diminuição de renda da propriedade e outros impactos ambiental, social e econômico na zona rural).
Obs: além de aula teórica, serão feitas simulações práticas com dois tipos de solos, a fim de ilustrar o processo de drenagem das águas de chuvas e seus possíveis impactos (prática: 20 minutos de duração).